Busca

Boriska: o garoto Índigo deMarte
por Gennady Belimov

Esta página é uma reformatação da versão original publicada no Projeto Camelot.



Este artigo longo e fascinante foi escrito pelo respeitado escritor russo Gennady Belimov, um professor universitário e investigador que esteve presente no acampamento onde Boriska começou a falar de suas experiências de vários anos atrás.

Foi publicado pela primeira vez em setembro de 2004, mas nunca antes esteve disponível em Inglês.




Boriska – uma Pessoa de Marte
Um encontro em uma zona anômala

A primeira vez que ouvi sobre o garoto incomum chamado Boriska foi das estórias dos participantes de uma expedição a uma região anômala ao norte da província de Volgograd, conhecida no nosso país como a "Crista Medveditskaya".

"Imagine, quando todos estavam sentados à volta da fogueira, à noite, este menino de cerca de sete anos, de repente, e em voz alta pediu silêncio: ele ia nos dizer sobre os habitantes de Marte e sobre suas viagens à Terra", uma das testemunhas compartilhou suas impressões. "Bem, alguém ainda estava conversando em voz baixa, em seguida, o garoto exigiu toda a nossa atenção, irrestritamente, ou então, "não haveria estória ".

E assim, as outras conversas morreram. E é por isso que - criança de rosto redondo, com olhos grandes, em uma camisa de verão e um boné de beisebol legal, completamente sem medo dos adultos, começou uma estória inacreditável. Sobre a civilização marciana, sobre cidades megalíticas e naves espaciais marcianas, sobre vôos para outros planetas, sobre o país da Lemúria na Terra, sobre a vida que ele conhecia pessoalmente, tendo em algum ponto voado para cá de Marte, para este continente imenso no meio do oceano e onde tinha amigos...

A fogueira continuou a crepitar, a escuridão da noite se envolveu em torno das pessoas sentadas lá, e o céu estrelado no infinito acima de nós estava em silêncio, como se guardasse algum tipo de grande segredo. Uma hora e meia se passou em estórias surpreendentes. Um dos ouvintes adivinhou e correu para conseguir um ditafone, e assim em algum lugar em Moscou, há uma gravação desta estória. No entanto, se jamais vai ser publicada, só Deus sabe, nem todos têm a competência de um jornalista.

Muitos ficaram chocados com duas coisas. Primeiro, o conhecimento incomum que um menino de sete anos de idade não deveria ter - nem mesmo todos os professores de história poderiam falar claramente sobre a lendária Lemúria e dos lemurianos. Você não vai encontrar ninguém em uma escola ou faculdade com essas lembranças. A ciência ainda não comprovou a existência de outras civilizações e, ao que parece, não está com nenhuma pressa para provar isso, estando mais perto da idéia da singularidade do homem no universo. E, em segundo lugar, o discurso de Boriska... Ele não estava ao nível de uma criança na primeira série: ele usou certa terminologia, certos detalhes e fatos do passado de Marte e da Terra, que todos ficaram impressionados. Somente a partir das explosões emocionais se poderia dizer que este discurso correcto e sensato era de uma criança.

"Por que Boriska falava assim?" perguntava meu interlocutor. "Aparentemente, ele foi provocado pelo meio ambiente no acampamento da expedição. Aqui estavam reunidas pessoas interessadas, com mentes abertas, buscando as soluções dos muitos segredos da Terra e do cosmos e Boris, ouvindo o dia de conversas, reclamou em seu discurso que tinha sido há muito tempo em sua memória.

"Ele poderia ter inventado tudo isso? Assistido todos os filmes de 'Guerra nas Estrelas' e começou a inventar estórias?"

"Parece que não ... Isso não soa como uma fantasia", argumentou o meu colega, "era mais como a memória do passado, lembranças de suas reencarnações passadas. Esses tipos de detalhes não se pode imaginar, eles devem ser  conhecidos pessoalmente... "

As palavras sobre as memórias de encarnações passadas decidiu tudo: eu entendi que eu tinha que encontrar Boriska. Agora, depois do meu encontro com ele e seus pais, estou tentando colocar tudo em junto a fim de compreender o mistério do nascimento desse jovem ser.

É curioso que ele apareceu no mundo, na cidade de Volzhk, em um hospital provincial de parto - embora em sua certidão de nascimento, na seção do local de nascimento, diz Zhirnovsk, Província de Volgogrado, em vez do local de registro. Seu aniversário é 11 de janeiro de 1996 às 8:30. Isso pode dizer algo a um astrólogo.

Seus pais são gente boa e amável. Nadezhda Kipryanovich, a mãe de Boris, é dermatologista numa clínica da cidade, e formou-se no Instituto de Médico de Volgogrado não muito tempo antes disso, em 1991. Seu pai, Yuri Tovstenev, é um oficial aposentado, formado pelo Instituo Militar Superior Kamishinsky, e agora trabalha como supervisor de construção. Eles próprios ficariam felizes se alguém os ajudasse a resolver o fenômeno misterioso de seu filho, mas por enquanto eles assistem o milagre deles com curiosidade.

"Quando Boriska nasceu, notei que com 15 dias de idade, ele já levantava a cabeça dele", relembra Nadezhda. "Sua primeira palavra, "Baba" (avó), ele disse aos quatro meses de idade e, a partir de então, você poderia dizer que ele começou a falar. Ele fez primeira frase dele, com 7 meses, com as palavras: "Eu quero um prego" - ele viu um prego na parede, embora geralmente as crianças começam a falar muito mais tarde. O mais notável das suas capacidades intelectuais eram além do físico."
"E como elas se manifestam?"

"Quando Boris estava com um ano de idade, comecei a lhe dar letras seguindo o sistema Nikitin, e, se você pode imaginar, com um ano e meio ele já conseguia ler matérias como as dos jornais. Ele aprendeu a reconhecer, muito cedo e facilmente, cores em uma variedade de tons. Com dois anos de idade ele começou a desenhar e com dois anos e meio ele podia pintar. Ele podia desenhar em tons diferentes."

Boris foi para a creche depois que ele fez dois. Todos os cuidadores disseram que ele era muito talentoso com as línguas e tinha um desenvolvimento do cérebro incomum. Eles perceberam que ele tinha uma memória fenomenal. No entanto, seus pais notaram que a maneira como seu filho adquiria conhecimento não era apenas através da observação do meio ambiente, mas, ao que parece, de outras fontes: ele pegava informaçã de alguma forma do nada!

"Ninguém lhe ensinou", lembra Nadezhda, "mas de alguma forma adquiriu o hábito de sentar-se na posição de lótus e apenas ouvi-lo! Ele lançou essas pérolas e detalhes sobre Marte, sobre os sistemas planetários e outras civilizações, que surpreendeu-nos... Mas como poderia uma criança saber tudo isso?... Espaço, e os assuntos cósmicos em suas estórias - estes foram os temas constantes desde dos dois anos".

Ao mesmo tempo Boriska anunciou que ele costumava viver em Marte, e que o planeta era habitável, mas que sobreviveu a pior catástrofe de sua história, a perda de sua atmosfera, e agora os poucos habitantes que restam vivem em cidades subterrâneas. Naquela época, ele muitas vezes voou para a Terra em missões comerciais e de pesquisa científica. Parece que ele era um piloto de uma nave espacial. Isso foi na época da civilização lemuriana e ele tinha um amigo lemuriano, que morreu diante dos olhos dele...

"Uma enorme catástrofe aconteceu na Terra, onde as montanhas explodiram e um grande continente se partiu e afundou sob as águas, e, de repente, uma enorme pedra caiu sobre o prédio onde meu amigo estava", relatou Boriska. "Eu não pude salvá-lo. E agora, na Terra, devemos nos encontrar novamente..."

Boriska vê todo o quadro da destruição da Lemúria como se tivesse acabado de acontecer e sofre com a morte de um terráqueo, como se ele fosse culpado de causar isso.

Depois que ele viu um livro que sua mãe trouxe, "De quem viemos?" por Ernst Muldashev. Você precisava ver o efeito que isso teve sobre o menino. Ele olhou para os desenhos dos Lemurianos, as fotografias dos pagodes tibetano e duas horas mais tarde, poderia falar em detalhes sobre a raça Lemuriana e do alto nível das descobertas deles...

"Mas a Lemúria foi destruído pelo menos 800.000 anos atrás", disse com cuidado", e os Lemurianos tinham mais de nove metros de altura - e ainda de alguma forma você se lembrar de tudo isso?"

"Sim, eu me lembro", respondeu Boris, e acrescentou: "Certamente, ninguém me falou sobre isso..."

Outra vez que ele começou a se lembrar de um monte de coisas depois de ter visto as ilustrações em um segundo livro de Muldashev, "In Search of the City of Gods" (Na Procura da Cidade dos Deuses). Sobre câmaras de enterro e as pirâmides. Ele disse que não iriam encontrar o conhecimento sob a pirâmide de Quéops, mas sob uma diferente. Mas eles não a encontraram ainda. "A vida vai mudar quando abrirem a Esfinge", ele disse, acrescentando que a Esfinge será aberta em algum lugar atrás da orelha, mas ele não se lembrava exatamente onde. Ele fala de maneira cativante, quando a inspiração vem, sobre a civilização maia, sentindo que as pessoas não sabem muito sobre esse povo fascinante.

Mas o mais impressionante é que Boriska acha que agora na Terra é o momento das crianças especiais nascenrem, por causa de algumas grandes mudanças no planeta, e novos conhecimentos serão necessários para além da mentalidade terráquea.

"Como você sabe sobre essas crianças superdotadas e porque isso está acontecendo?" Perguntei a ele durante a nossa reunião. "Você sabe que elas estão sendo chamadas de crianças índigo?

"Eu sei que eles estão nascendo, mas não conheço nenhum em nossa cidade. Mas, talvez Julia Petrova - ela acredita em mim, o que significa que ela sente alguma coisa. Os outros costumam rir quando eu conto as estórias. Na Terra, algo está para acontecer, duas catástrofes, por essa razão as crianças estão nascendo. Elas têm de ajudar as pessoas. Os pólos irão mudar. Em 2009 haverá a primeira grande catástrofe em um grande continente, e em 2013 haverá uma ainda mais poderosa".

"Você não tem medo do presente, mesmo que possa afectar a sua vida também?"

"Não, eu não estou com medo, vivemos eternamente. Houve uma catástrofe em Marte, onde eu morava antes. Havia as mesmas pessoas como nós, mas houve uma guerra nuclear e tudo queimado. Algumas pessoas sobreviveram e casas foram construídas e novas armas. Também houve uma mudança de continentes lá. Contuod, aquele continente não era grande. Os marcianos respiram o ar que é principalmente o dióxido de carbono. Se eles vierem ao nosso planeta, eles iriam ficar sempre perto de chaminés".

"Você se lembra de seu antigo nome ou dos nomes de seus amigos?"

"Não, eu nunca consigo lembrar os nomes."

"A partir de que idade você se lembra de você mesmo?"

"Desde de os treze me lembro da minha vida anterior e aqui eu me lembro, desde o nascimento, mas não me esqueço de onde vim. Usávamos óculos especiais lá, e nós lutavamos o tempo todo. Lá, em Marte, havia uma coisa desagradável: uma estação que precisava ser destruída. Marte pode ser revivido, mas esta estação impede isso. É segredo. Posso desenhar como ela se parece, nós estávamos perto dela. Esta estação está contra nós.

"Boris, porque as nossas estações espaciais morrem com mais freqüência quando não estão pousando em Marte?"

"Há um sinal vindo de Marte e tenta matar as estações. Existem raios nocivos sobre estas estações."

Fiquei espantado sobre os raios nocivos Fobosov. É exatamente assim. Mesmo em 1988, um homem de Volzhsk, Yuri Lushnichenko, um homem com poderes extra-sensoriais, tentou entrar em contato com o Programa Espacial da Rússia para avisar aos líderes soviéticos do iminente fracasso da primeira sonda espacial soviética Fobos 1 e Fobos 2. Especialmente por causa dos raios e baterias radioativas que eram alienígena ao planeta. Eles não ouviram as advertências dele. Eles não sentem a necessidade de responder até hoje, embora, a fim de ter sucesso, de acordo com Lushnichenko, é necessário mudar de tática quando se aproximando da superfície de Marte.

Trandução agora concluída, 31 de janeiro: por favor, leia-a

"Você sabe sobre dimensões múltiplas? Você sabe, para se voar você não precisa seguir uma trajetória reta, mas pode ir através do espaço multidimensional?" Eu cuidadosamente inquiri com queatões fora-de-este-mundo do ponto de vista da principal corrente na ciência..

Boriska, de repente se animou e começou a, energicamente, explicar sobre a construção de OVNIs: "Nós apenas decolamos e já estávamos perto da Terra!" Então ele pegou um pedaço de giz e desenhou algo triangular na lousa. "Há seis camadas", disse entusiasmado. "A camada externa tem 25% do material durável, a segunda camada tem 30% e é como a borracha, a terceira leva mais 30% e é novamente de metal, 4% é uma camada com propriedades magnéticas", ele escreve os números na lousa. "Se você energizar camada magnética, o aparelho pode voar por todo o universo ..."

Nós, adultos, olhavamos um para o outro. Em que grau eles estudam percentagens?

É claro que eles ainda não tinham chegado a isso na escola, mas, ao que parece, Boriska está tendo sérias dificuldades na escola. Puseram-no diretamente no segundo grau, após avaliações, mas depois tentaram se livrar dele. Quem, diga-me, gostaria de uma criança que, de repente, interrompe o professor dizendo: "Maria Ivanovna, você não está dizendo a verdade! Você não está nos ensinando corretamente! "

E isso acontece mais de uma vez por dia... Agora, um professor que lecionou na Academia Schetinin está lecionando Boriska, e o garoto terá seus exames externamente. O professor de Boris sente que ele precisa estudar na escola Schetinin para crianças super-dotadas. Ele terá, e já tem, os problemas relacionados às crianças normais."Qual é a missão de Boriska na Terra? Será que ele sabe?" Eu perguntei a ele e sua mãe

"Ele disse que ele está adivinhando", disse Nadezhda. "Ele sabe algo sobre o futuro da Terra. Por exemplo, que o conhecimento será distribuído de acordo com a qualidade e o nível de consciência. Novos conhecimentos nunca virão para pessoas com vícios mesquinhos: ladrões, bandidos, alcoólatras e também aqueles que não estão dispostos a mudar-se para melhor. Eles estarão deixando o planeta. Ele acha que a informação irá desempenhar o papel mais importante. Um tempo de unidade e cooperação começará na Terra".

"Boris, de onde você sabe disso?"

"De dentro de mim", respondeu ele a sério.

Uma vez, quando ele tinha cinco anos, ele espantou seus pais quando ele começou a falar de Prosérpina, um planeta que morrereu há centenas de milhares ou talvez milhões de anos atrás. E esta palavra, Prosérpina, ele disse, sem a ter ouvido em qualquer outro lugar, porque uma das primeiras vezes que seus pais ouviram sobre este planeta foi dele.

"Um feixe o cortado, e ele caiu aos pedaços", explicou Boriska. "Fisicamente o planeta não existe mais, mas seus habitantes se teletransportaram para a quinta dimensão, o que você está chamando um mundo paralelo. Observou-se a morte do planeta de Marte... ", esclareceu.

E de repente ele disse o inimaginável... Ele disse que a Terra, como um ser vivo consciente, começou a aceitar os filhos de Prosérpina, a fim de educá-los. Portanto, ocasionalmente, as crianças nascem aqui conseguem se lembrar sobre o planeta natal delas, e se consideram extraterrestrials.

Mas é claro que este fenômeno tem sido percebido pelo mundo científico, e eu me encontrei com Valentina Gorshunova (kainaga) que não só se lembra de Prosérpina, mas às vezes em seus sonhos se reúne com seu colega proserpinianos. E, de repente, ela apareceu também na mesma cidade que Boriska, e ambos estavam visitando a Serra Azul, na zona de anomalias da Crista Medveditskaya... E isso é o que a mãe de Boris Nadezhda mantem em seu diário:

"Você é um precursor. Você limpou a plataforma para nós. Nas altas esferas, você é considerado um herói. Você tem a maior carga sobre seus ombros. Vim para o Novo Tempo. Um código holográfico já é visível e está sobreposto no espaço. Tudo virá à luz em um novo fogo do pensamento, muito rapidamente ... A transição de um mundo para o outro terá lugar através da substância do Novo Tempo. Eu trouxe o Novo Tempo. Eu trouxe as novas informações..." Isto é o que Boris disse uma vez para a mãe dele.

"Boris, diga-me, do que as pessoas sofrem?"

"De não viver corretamente e não serem capazes de ser feliz ... Você tem que esperar pela sua metade cósmica, não se envolva com outros destinos, não quebre ou destrua a sua totalidade, não sofra com os erros modernos, mas, se conecte com seu destino, termine o ciclo de desenvolvimento, e vár mais perto das novas alturas," - estas foram palavras deles.

"Você precisa se tornar bondoso. Se eles vão bater em você, você vai abraçá-los. Se eles envergonha a você, não espere pelas desculpas deles, mas fique de joelhos e peça perdão para a sua vergonha. Se eles te insultam e rebaixam, diga-lhes obrigado por isso e sorria. Se eles te odeiam, ame-os como eles são. Esta é a relação de amor, humildade e perdão importante para as pessoas".

"Você sabe porque o lemurianos morreram? Eu também sou um pouco culpado sobre isso. Eles não desejam mais se desenvolver espiritualmente, se afastaram do caminho e por isto destruiram a totalidade do planeta. O caminho da Magia os levou para uma rua sem saída. A verdadeira Magia é o amor... "

"Como você conhece estas palavras: integridade, ciclos, cosmos, magia, lemurianos?"

"Eu sei... Keilis ... "

"O que você disse?"

“Eu disse: Eu vos saúdo! Essa é a linguagem do meu planeta...”

Desta vez, Boriska e eu nos separamos nesta nota, mas eu prometi a mim mesmo que eu iria seguir o destino deste menino, tanto quanto possível.

Crônicas Marcianas

Cerca de um ano mais tarde fui para Zhirnovsk para me encontrar com Boriska e descobrir os últimos detalhes de sua vida. Claro, primeiro de tuda a discussão foi com mãe dele.

"Eu olhei para o quarto, porque eu ouvi Boriska conversando com alguém, mas eu sabia com certeza que ele estava sozinho", relembra Nadezhda Alexandrovna, a mãe de Boriska. "Ele estava de fato sozinho e na frente dele havia um mosaico colorido feito de brinquedos de construir para crianças, e sobre ele estava a dupla espiral de ADN! Reconheci-o claramente de meus estudos no instituto médico."

"E ele disse a alguém: Eu sou o piloto de um nave de pesquisa, um cientista, mas eu nunca irei realizar o cruzamento de ADN de humano e de réptil! Ele contradiz as regras da seleção natural..." e se seguiram algumas palavras em latim. eu estava atordoada... e em vez de ouvir mais, eu comecei a o sacudir: "Que é isto? Com quem você está falando?"  E Boriska, subitamente, saiu de seu transe, confuso, resmungando: "Eu estou jogando... "

"Mais uma vez, eu percebi que eu não sei muito bem sobre o meu filho ... É verdade que, quando eu perguntei-lhe, mais tarde, ele me disse que esta informação não é para as pessoas e que quando ele vivia em Marte tinham ramos ligeiramente diferente de ADN . Eles eram um pouco diferentes do que o ADN da raça Lemuriana."

"Mas, basicamente, eu entendi que ele se lembrava do período da vida dele em Marte, então seria a partir do ponto de vista de diferentes períodos de tempo. Ou seja, parece que ele apareceu em Marte inúmeras vezes e lembra-se de vários episódios da vida dele, provavelmente ao longo de muitos milhares de anos."

"Então, você não acha que essas são apenas fantasias infantis?"

"Talvez, eu ficaria feliz de pensar assim, mas não se encaixa... Há muito conhecimento completamente invulgar envolvido aqui. Simplesmente, não há de onde ele poderia o ter consegido.

"É verdade, eu não acho que ele se lembre das vidas passadas dele, da mesma forma que nos lembramos do dia anterior. Claro que não. A memória dele é muito fragmentada e se revela em certas condições, é possível que gradualmente se desvaneça . Sim, ele pode se conectar a fontes externas de informação e ser o seu transmissor, mas, dez minutos depois, ele pode simplesmente esquecer essa informação, como uma criança normal ".

É verdade que esta conexão acontece cada vez mais raramente: ou o canal de comunicação está gradualmente se fechando, ou pode haver algumas outras razões... E o ditafone, que seus pais compraram especialmente para gravar as estórias das vidas passadas de Boriska, é usado cada vez menos. Há poucas ocasiões para isso.

Das gravações dele no mês passado estão lembranças curiosas de Boriska sobre cataclismos graves em Marte. Por exemplo, ele insiste que, no passado centenas de milhares ou mesmo milhões de anos, houve problemas graves com a água. Marte começou  catastroficamente a perder sua atmosfera e água. Boriska disse que haviam naves especiais indo para o planeta mais próximo, Terra, para conseguir água. Pareciam com garrafas e serviam como naves-mãe. 

Ele falou muito sobre seus deveres e trabalho no espaço. O menino não gosta muito dos filmes americanos sobre as aventuras espaciais e guerras, diz que tudo está distorcido e fabricado. Navios marcianos poderiam viajar ao redor de todo o sistema solar, e eles tinham um número de bases em planetas e seus satélites.

Aparentemente, ele não era um mau piloto, com boas qualificações profissionais, porquê nas histórias de Boriska, muitas vezes ele participou de vôos para Saturno, onde a coisa mais difícil era navegar pela zona do cinturão de asteróides. Muitos de seus amigos morreram na aproximação de Saturno.

"Você sabe, mamãe, eu não apenas trazer a água de Marte!", Boriska disse um dia. "Você está sempre dizendo 'Marte isso, Marte aquilo', mas eu era responsável por Júpiter! Nós tínhamos um projeto especial que era estudar a criação de um segundo sol no nosso sistema solar. E esse segundo sol era suposto ser Júpiter. Mas tanta massa física era necessária para isso e não havia massa suficiente em todo o sistema solar. Assim, o projeto nunca se realizou".

E uma vez ele disse que os cientistas da Terra estariam interessados em saber que não existem apenas nove planetas no nosso sistema solar, há mais dois. Eles estão situados além de Plutão. Nas palavras dele, Marte costumava estar mais perto de Júpiter, a Lua, então, pertencia a Marte. Mas depois de um cataclismo cósmico gigante, Marte alterou sua órbita, foi assim que a Terra ganhou o seu satélite, a Lua. No entanto, Boriska não consige se lembrar dos detalhes desse período.

A pergunta natural, se ele tinha uma família como nós a entendemos, Nadezhda não sabe. Boriska nunca falou sobre quaisquer relações familiares em suas encarnações como marciano. No entanto, uma vez, enquanto assistia a um programa de TV no canal Discovery, ele começou a falar com entusiasmo sobre a civilização Gray, pequenos humanóides com olhos enormes.

“Eles não são marcianos", disse ele, indicando a tela. "Nós não somos assim, estamos mais perto dos lemurianos e dos atlantes. Primeiro, nós somos altos, e estes são os anões. Em segundo lugar, os Grays (Cinzas) são cruéis. Eles são de outra galáxia, e executam qualquer experimentos com as pessoas. Nós até tivemos que lutar contra eles, porque eles são agressivos. Nossa raça era bondosa, menos agressiva e mais intelectual, já que podíamos até usar energia psíquica .... "

Disparando as suas palavras, por vezes, a gagueira, tudo dito em um breve discurso, o menino volta sua atenção para seus jogos normais e o problema dos Cinzas, nas palavras de sua mãe, não vem de novo. Parecia ser um reflexo da memória, que nunca pode ser repetido.

Mas os ufólogos modernos já são mais ou menos informados sobre os Cnzas. O sequestro temporário de pessoas, experiências com nossos semelhantes, as experiências de caráter seletivo e genético, vivissecção de animais (operações envolvendo o terrível e completo sangramento, retirada dos órgãos de bovinos em 1970 e 1980) - todos estão associado, como informado pelas testemunhas e pelos pesquisadores, principalmente com a população alienígena dos Cinzas. Boriska, de repente, se lembrou e alertou sobre a natureza perigosa desses seres...

Mas se haverá quaisquer declarações sobre a nova vida no espaço, em Marte ou no sistema solar - há dúvidas. O menino, nas palavras de especialistas, está fechando. Provavelmente, as dificuldades da nossa realidade terrena estão fazendo com que isso aconteça. Elas são, aparentemente, difíceis para os seres da formação de crianças índigo.

Cotidiano na Terra

Boriska fita, sem distração, a tela de computador e rapidamente manipula os botões do teclado. Na tela há uma luta em algum tipo de castelo subterrâneo. Eu tentei falar com ele, para tirar sua atenção por um momento do jogo, sem sucesso.

O entusiasmo do garoto de nove anos com o jogo não diminuiu, apesar de ele ter jogado, pelo menos, três horas continuamente. A mãe dele, a amiga dela Valentina Rubstovaya-Gorshunova, e eu falamos sobre quase tudo que tinha acontecido ao longo do ano passado, mas Boriska não se afastava do seu jogo e não queria participar na nossa conversa sobre a vida em Marte.

Um ano atrás, ele era muito mais falante, e respondeu às minhas perguntas com algum entusiasmo. É verdade que, naquela época, ele marcou um ponto ao dizer: "Essa foi a sua última pergunta!", E não ouviu nenhum argumento, começou a jogar um jogo de vídeo. Fiquei com a minha boca aberta com este aviso inesperado da palavra irrecorrível "foi" ...

Agora, Boriska não tem tempo para lembranças de vidas passadas. A abertura e a ingenuidade do garoto desempenhou um papel negativo no seu destino. As crianças de sua idade e mais velhas, como é habitual na nossa sociedade, reagiram com ciúme e inveja paea com o menino. Os punhos e os insultos caíram sobre ele com mais freqüência do que em qualquer outra pessoa.

Boriska também aprendeu a lutar, apesar de um ano atrás, ele ter afirmado, veementemente: "Se alguém lhe envergonha, se ajoelhe diante dele e peça o seu perdão..." A prosa da vida terrena não se coaduna com esse grau de bondade nas relações.

As pessoas começaram a tratar Boriska de forma diferente após a publicação sensacional sobre ele. A maioria reagiu com interesse e curiosidade, mas cerca de 15-17% reagiram com raiva e ódio incompreensível. Infelizmente, eles estão, de alguma forma, os perseguidores mais cruéis do menino. Traz-se espontaneamente recordações do tempo de Jesus Cristo, que veio e ensinou alguma coisa sobre o bem e o mal que algumas pessoas acharam escandaloso. "Crucifica-o!", Gritaram os seus perseguidores, e Ele foi crucificado ...

O século 21 começou, mas nós retornamos de alguma forma aqueles tempos selvagens, e, ao que parece, há pouco em nós que mudou. Mas os ufólogos ainda sonham com o contato com os extraterrestres... Que contato? Já estamos prontos, novamente, para por nosso semelhante na cruz, novamente, para exterminá-lo por ser diferente! Infelizmente, os nossos visitantes nos conhecem melhor, e ao que parece, não estão com nenhuma pressa para nos conhecer melhor... 

E talvez se os professores de Boriska mostrarem alguma sabedoria humana e atenção relacionadas a este filho único, mas ... "Bem, ele é apenas um idiota!" um dos conhecidos de Nadezhda, um médico local psiquiatra, disse com toda a seriedade, após comunicar-se com o menino por poucos dias.

Infelizmente, o rapaz não se encaixam em uma espécie de senso médio de uma criança normal, e esta versão simples do fenômeno Boriska faz o caminho dele ao redor do mundo. Não muito tempo atrás uma mãe mandou uma mensagem para a escola: "Levem-no para fora da classe, ele está ensinando nossos filhos a morrer..."

Um inquérito foi realizado, o menino estava dizendo aos seus colegas sobre a reencarnação, era sobre a reencarnação das almas (pelo qual, por sinal, ele é um exemplo e testemunho). Mas, ao que parece, a palavra e a idéia não eram conhecidas por muitos na escola, e assim eles estavam muito preocupados com a possibilidade de suicídio entre as crianças. "Ah, seria muito engraçado, se não fosse muito triste."

Pelo jeito, Boriska respondeu da mesma forma que as crianças normais, quando o assunto (em russo, matemática) não lhe interessa...

Adicionando a seus problemas, veio o divórcio de seus pais, e com ele os argumentos e as inevitáveis divisões do apartamento recentemente obtidos em um novo edifício. Nesta luta não havia espaço para o menino e os problemas infantis dele: fome, muitas vezes ele foi para a "tia Valya" para comer, embora não estivesse perto de casa. Quanto tempo levará o divórcio é imprevisível, e adicionou uma situação estressante para todos.

"Sim, Boriska agora está em uma situação difícil", Valentina Gorshunova-Rubtsova, um membro permanente da expedição "Pesquisa do Espaço", e uma das amigas mais íntimas do rapaz, compartilha suas observações.

"Ele se abriu as pessoas, ele está tentando nos ajudar a aprendermos sobre nós mesmos e sobre a Terra, mas eles podem entendê-lo corretamente e direcionar esse conhecimento para a criação? Em todos os tempos pedras foram atiradas nos profetas ou foram crucificados. Agora as pedras e cruzes são diferentes, mas a atitude em relação aos visionários é a mesma.

"As primeiras pedras foram atiradas em Boriska ... e ele começou a fechar-se. A razão principal, naturalmente, é a atitude das pessoas. Mas, você pode obter frutos maduros a partir de sementes que acabaram de germinar? O que vai acontecer com ele e se ele vai resistir, é uma incógnita. "

Em outras palavras, parece que Boriska não terá uma vida fácil..

O Interesse na Ciência

Que os representantes da ciência estão verdadeiramente interessados em Boriska é um fato indiscutível. O doutor em Ciências Físicas e Matemáticas Professor Vladislav Lugovenko do Instituto de Magnetismo Terrestre, Ionosfera e  de Emissão de Onda de Rádio da Academia Russa de Ciências (IZMIRAN) reuniu-se com Boriska e convidou-o para ir a Moscou para uma análise.

Alguns dos colegas Lugovenko participaram do exame do menino. Lugovenko realiza pesquisas em Crianças Índigo na Rússia e em outros países, considerando que eles tenham nascido neste planeta durante os últimos vinte anos, por uma razão. Aparentemente, essas crianças estão ligadas ao desenvolvimento de uma civilização da Terra no futuro.

Então Boriska e sua mãe foram convidadas para um campo de educação especial, no Lago Atalsky na Província Tulskaya, onde existe um local onde a energia da Terra tem uma incidência particular sobre as pessoas.

Li um relatório científico sobre a medição da causalidade, etéreo, emocional e mental dos limites do biocampo dos membros da expedição. Devo dizer que, primeiro, o menino tem um biocampo realmente forte em comparação com os outros participantes, e, segundo, o seu biocampo expandiu após a expedição mais do que o dos outros.

As fotografias da aura da criança também dizem muito sobre ele. Para citar um documento: "Antes do experimento, a cor predominante na foto era amarela, o que caracteriza a força intelectual de uma pessoa feliz e atraente. No canto inferior esquerdo uma cor vermelha brilhante podia ser vista, o que sugeria a atividade, o amor desinteressado e a energia do menino. Após a experiência, a foto mudou relativamente pouco - no canto inferior esquerdo uma luz verde apareceu. Isto sugere a força da vida, a tendência positiva e simpatia do rapaz.

Vladislav Lugovenko pretende continuar as observações de Boriska, recentemente ele foi para Zhirnovsk para se familiarizar com a vida na casa dele. Ele foi para a zona anômala em Mountanha Azul, que é umas poucas dezenas de quilômetros de Zhirnovsk. 

“Eu tinha certeza de que, no sentido moral, Crianças Índigo diferem grandemente das outras da idade delas", diz o Dr. Lugovenko. "Elas têm uma sensibilidade extraordinária para qualquer falsidade, o desenvolvimento da intuição, poderes telepáticos, e uma conexão com o cosmos. Podemos esperar que o menino vá cumprir sua missão sobre a Terra, a qual nem ele nem nós podemos imaginar ainda. "

"Se os poderes do mal não impedi-lo..." Gostaria de acrescentar.

...Mas, talvez, eu tenho a esperança: os problemas de Boriska só servirão para fortalecê-lo? Afinal, o destino não foi fácil, digamos, para Albert Einstein! O menino vivia na beira da pobreza, foi mal alimentado, mal terminou a escola, porque seus pais não tinham dinheiro suficiente para pagar a sua educação, mas ele resistiu a tudo isso!

Resistiu e subiu as alturas do pensamento do mundo e da ciência. Sua vida difícil engendrou inacreditável perseverança e resistência para ele. Nós desejamos toda essa resistência ao enviado de Marte, nascido à beira do novo milénio, nas profundezas da Rússia.

Uma coisa ficou clara para mim depois de minhas conversas com Boriska: há uma base para supor que essas crianças foram inseridas na sociedade da Terra com  poderes que estão além do controle de pessoas - esse fenômeno deu um tal caráter maciço e intencional, sendo simultaneamente observado em muitos países.

As crianças Índigo diferem em suas habilidades incomuns, especialmente sua visão independente do mundo, conhecendo suas próprias missões na Terra, sendo capazes de reunir informações e conhecimentos a partir da noosfera, com o auxílio dessa consciência inesquecivelmente aberta. Seu papel e missão no processo evolutivo da humanidade ainda não está claro, no entanto, pode sugerir que não é pequeno. Minha atividade de pesquisa trouxe-me em contacto com essas crianças índigo.

Mas ao longo do caminho vejo as coisas de uma forma diferente. Por exemplo, os jornais da acadêmica V.I. Vernadsky, em que eu li que um número significativo de grandes pessoas estavam sob o controle de algumas potências de fora, e eles, com graus variados de sucesso, estavam cumprindo algum tipo de missão específica na Terra.





Suporte o Projeto Avalon - faça uma doação:

Donate

Obrigado por sua ajuda.
Sua generosidade nos permite continuar nosso trabalho.

Bill Ryan

bill@projectavalon.net


unique visits