Busca

Klaus Dona:
A História Secreta da Raça Humana

Clique aqui para a apresentação em vídeo

 



Março de 2010

Bill Ryan (BR): Sou Bill Ryan do Projeto Camelot e Avalon. Hoje é 20 de fevereiro de 2010 e é meu grande privilégio me reunir novamente com Klaus Dona. Nesta apresentação de vídeo teremos uma entrevista com uma diferença, porque, na verdade, eu vou falar muito pouco, talvez nada no todo!

Klaus estará fazendo um comentário em áudio sobre uma das apresentações dele em slides muito especial, incomum e fascinante sobre os artefatos e os vários fenômenos que ele vem pesquisando, descobrindo, investigando pessoalmente em todo o mundo relacionados com o que eu acho que você poderia legitimamente chamar A História Secreta da Raça Humana. Você diria que isso é um bom resumo, Klaus?


KLAUS DONA (KD): Isso é um resumo muito bom, sim.

BR: [ri] Então eu ficarei quieto e a seguir apenas relaxe e desfrute desta apresentação de slides. Klaus vai levá-lo através dessa jornada... Você pode acompanhá-lo nessa viagem através dessas descobertas. Vá em frente, Klaus.

O que estamos vendo aqui? Eu posso ver um conjunto de pirâmides. Qual é o significado?



KD: O importante é que você pode encontrar pirâmides em todo o mundo em cada continente. A questão é quando e quem construiu essas pirâmides? Por que muitas dessas pirâmides em todo o mundo são muito, muito similares?

Outra questão é - existiu realmente uma civilização global? Penso que muitos de nossos pesquisadores estão realmente nos dizendo que uma vez há um longo tempo, existiu uma civilização global, mas a quantos milhares de anos atrás, não sei.

A maioria da audiência do Projeto Camelot talvez saiba sobre a estória de uma pirâmide construída em pedra que foi encontrada em 1984, 25 metros abaixo do nível do mar, no Japão, na ilha de Yonaguni, que é a ilha japonesa mais ao sul fazendo parte do Grupo das Ilhas de Ryukyu.

Ainda há um esforço de alguns arqueólogos internacionais que estão dizendo que esses monumentos foram feitos pela natureza. Mas, meu amigo, professor Masaaki Kimura, que há vários anos, desde então, pesquisa não somente este monumento, mas, ele também encontrou vários outros por perto. Do lado direito, abaixo, você tem um modelo.

E uma coisa que a Natureza, definitivamente, não está fazendo... em cima das duas plataformas do monumento, há duas pedra enorme, uma na forma de tartaruga e a outra na de pássaro - como uma águia. A natureza está fazendo muitas coisas, mas não tal monumento preciso e perfeito.

E a pergunta é - onde estão todas as pedras? Se a natureza tivesse feito isso... esculpido... onde estão esses pedaços? Também existem ruas e também foi encontrado um estádio de pedra, como o Coliseu de Roma, com fileiras de bancos de pedra e escadas de pedra. A natureza é fantástica, está fazendo muitas, muitas coisas boas, mas não tais edifícios perfeito.

Aqui você tem uma tartaruga de pedra enorme e você pode ver também quão pequeno é o mergulhador perto deste grande monumento. [Inferior esquerdo]

Aqui você tem uma rua com escadas subindo.

Aqui, novamente, uma fotografia tirada de perto, só para mostrar o tamanho do monumento enorme.

Mapas do Mundo Antigo


Aqui você pode ver alguns mapas do mundo. No topo, no lado direito [ampliada] você pode ver o mapa de Piri Reis, que foi usado muito antes de Cristóvão Colombo chegar à América, e você pode ver quão perfeito este mapa era já no início do século 16, mostrando parte da Europa, parte da Espanha, Portugal, parte da África Ocidental e também parte da América do Sul. Não sabemos até agora quem foi capaz de fazer esse mapa perfeito há séculos.

Nos outros mapas de Piri Reis, que não mostramos nessa foto, você também pode ver a Antártida sem gelo. Em 1956, pesquisadores descobriram que a Terra sob a massa de gelo na Antártida é exatamente como o mapa de Piri Reis mostrava, de modo que este mapa de Piri Reis deve ter pelo menos mais de 10 a 12 mil anos. Mas a próxima pergunta seria: Quem foi capaz de fazer tal mapa do mundo maravilhoso?

No lado esquerdo, você vê o mapa de Atlântida feito por Althanasius Kircher e o mapa está invertido. Ele o fez ao contrário e você pode ver também, que o continente está entre a Europa, a África e a América.

E você pode ver no lado esquerdo a baixo, [na primeira foto de diferentes mapas; mostrada ao lado] lados diferentes de um mapa do mundo em uma pedra enorme.

Este mapa do mundo de pedra foi encontrado em 1984, enquanto garimpavam ouro no Equador, em um sistema de túneis subterrâneos com outros 350 artefatos que realmente não se encaixam em qualquer cultura sul-americana pré-colombiana conhecida e existente.

Neste mapa de pedra [a esquerda] está uma linha de quartzo natural, uma branca. Esta é a parte da frente do mapa do mundo de pedra e você pode ver aproximadamente no Oriente Médio, próximo à Arábia Saudita. Você pode ver uma incrustação de um olho e deste olho à direita e à esquerda está uma linha de quartzo natural, indo para o lado direito para a Índia, para a Tailândia. E também há uma ilha longa do lado direito que, da pesquisa do professor Kimura, é possível afirmar que entre a ilha japonesa a nordeste até além de Taiwan, uma vez, existiu um grande continente... mas então este mapa do mundo deve ter mais de pelo menos 10 a 12 mil anos.
 
Aqui está a parte de trás e você pode ver no lado direito a linha de quartzo passando no Atlântico por um continente, a Atlântida, que em nossos dias não existe mais. Em seguida, a linha branca  atravessa parte da América do Sul.
 
Aqui, olhando de perto, você pode ver exatamente a baía de Guayaquil, com linhas subindo para norte e uma incrustação redonda, mostrando o local exato onde foram encontrados esses artefatos. E também há a água de melhor qualidade em todo o mundo conhecido.

Equador


Um outro artefato muito interessante encontrado no mesmo local, no Equador, é a chamada Pirâmide com um olho. O olho é uma incrustação. A pedra é cinzenta e branca e tem treze degraus. Parece exatamente como a da pirâmide de olho brilhante na nota de um dólar americano.

Se você colocar essa pirâmide sob a luz negra, o olho brilhará intensamente e parecerá realmente como um olho, mas não exatamente como um olho humano. Aqui você tem um close-up do olho e você pode ver as cores da incrustação.

Na parte inferior da pirâmide, você tem incrustação em pequenas placas de ouro indicando a constelação de Orion, e você tem uma escrita desconhecida.

A tradução do professor Kurt Schildmann, que era o presidente da Associação Alemã linguística e ele conhecia bem mais de quarenta línguas... ele foi capaz de traduzir esse escrito. Ele o chamou de pré-sânscrito, porque é mais velho do que a escrita mais antiga. A tradução das quatro letras que você pode ver aqui, a tradução dele é: "O filho do criador vem."

Nós encontramos a mesma escrita em pedras em alguns países como Equador, Colômbia, Illinois (Estados Unidos); Glozel (França), Malta (Mediterrâneo), Turquemenistão, Austrália e no sul da Calábria (Itália) a poucos anos atrás. Sempre há pedras e cerâmica - terracota - com a mesma escrita.

Isso significa que essa escrita existiu, uma vez, em todo o mundo e isso significa que deve ter havido uma civilização global mais velha do que a do sânscrito, com mais de 6.000 anos. O Professor Schildmann também me disse que essa escrita tem alguma semelhança com a escrita indiana e também com a escrita da Ilha da Páscoa. Como ele disse, esta é mais antiga do que o sânscrito. Ele chamou essa escrita de pré-sânscrito.

Nesta pedra você pode ver no topo os dois olhos e, então, você vê a mão direita segurando a pirâmide e a mão esquerda colocada no topo da pirâmide. Quer dizer, mostra como usar essa pirâmide com o olho.

Nesta pedra você pode ver em um entalhamento: um homem sentado em uma pedra segurando a pirâmide exatamente como foi mostrado no artefato anterior. Dos olhos estão saindo raios e do lado direito você verá duas pessoas inclinadas. Na cabeça, ele tem algo como um pequeno capacete e este capacete está virado para cima, como uma antena, para um objeto estranho sobre ele.


E aqui você tem a foto do capacete encontrado. Nós ainda não pudemos fazer uma pesquisa no metal ou verificar que tipo de metal foi usado, mas você pode ver no centro do capacete que algo está faltando e poderia ser este tipo de antena que foi mostrado no artefato anterior.

Outro achado muito estranho, no mesmo lugar, é uma grande taça de jade e doze taças pequenas de jade. Como as doze taças são feitas à mão, cada uma é um pouco diferente em tamanho, se você as encher totalmente com água e você colocar a água das doze taças dentro da taça grande, a taça grande fica completamente cheia.

Outra coisa estranha é que você pode ver nas tacinhas números que são parecidos com os números dos maias, mas se você os comparar com os números dos maias, você descobre que existem algumas pequenas diferenças.

E, na taça grande, você pode ver uma constelação perfeitamente gravada, mostrando também Orion e outras estrelas. E dentro da taça grande é muito, muito magnético e fora da taça não há quase nada. Geólogos profissionais estão dizendo que isso é impossível, porque se uma pedra tem partículas de metal dentro da pedra, ela deve ter o mesmo magnetismo em ambos os lados.

Aqui está a taça grande de perto e você pode ver uma representação perfeita de constelações e elas estão brilhando muito intensamente, se você colocar luz negra sobre ele.

Aqui você tem algumas taças pequenas em que você pode ver com mais clareza o estilo dos números impressos em um material estranho que também brilha sob luz negra.

Outra peça, [esquerda], uma placa de jade com a mesma constelação impressa como a da taça grande e duas pessoas olhando para o céu. E na foto [lado direito] você pode ver que também os olhos dessas duas estátuas e a constelação brilham fortemente sob luz negra.

Esta, uma vez, foi uma pedra marrom de forma compacta, a cor muda no centro da pedra para preto, que normalmente não acontece na natureza. Você pode ver... Se você olhar muito de perto, você pode ver um rosto com os olhos fechados, com boca, nariz, uma longa barba e cabelos longos. No lado esquerdo, o rosto e também a pedra estão quebrados.

Este é o reverso dessa pedra. Você pode ver uma espiral e um triângulo. O centro do triângulo é muito magnético, também brilha sob luz negra.

Aqui temos a parte traseira de uma cobra. A cobra nunca existiu na América do Sul, mas esta foi encontrado no mesmo local.

 
Deste lado da cabeça da cobra, [esquerda], você tem 33 linhas no comprimento, por isso 33 é também um número muito místico desde muito, muito tempo. E do lado esquerdo e do lado direito você tem sete pontos marcados e talvez estes sejam os chakras. Também a cabeça desta cobra brilha muito se você colocar luz negra sobre ela [direita].

Um outro objeto. Aqui você tem um escultura perfeita de uma cabeça de golfinho e também este artefato brilha sob a luz negra.

A esquerda, você tem uma espécie de capacete de pedra. Você pode colocar este capacete de granito em seus ombros, ou você pode colocar sua cabeça dentro dele. E os pontos marcados que você vê neste capacete, alguns especialistas disseram-me que esses pontos são exatamente os pontos de acupuntura na cabeça humana. Na foto a direita você pode ver como isso poderia ter sido utilizado.

Alguns meses atrás, eles encontraram no mesmo local um capacete de pedra inacabada [esquerda]. Então, isso significa que também alguns desses artefatos foram feitos no Equador, mas há muitos, muitos anos atrás. E também as marcas nesse objeto brilham intensamente sob luz negra [direita].

Esta é uma cobra de jade fantástica. E também os pontos de incrustação brilham sob a luz negra.

A esquerda, temos um artefato que esta perfeitamente esculpido na parte de trás, o que significa que poderia ter sido usado para colocá-lo na frente da testa. Você pode ver os dois olhos embutidos. E no verso [direita] você tem o chamado terceiro olho. Talvez este artefato foi usado em algumas cerimônias ou para meditação.

A esquerda, temos uma placa de jade com a incrustação de uma espiral, também brilha sob a luz negra. Na outra foto [direita]. Você pode ver sete anéis embutidos na placa de jade, que também brilham sob luz negra. Talvez isso poderia ser também uma representação dos sete chakras.

Aqui está uma das cerâmicas encontradas lá. É uma grande obra-prima e a questão é: como você pode fazer este artefato de um pedaço de cerâmica?

Aqui temos uma outra pedra piramidal encontrada também no Equador. No topo você pode ver a pirâmide com o olho e em baixo, você tem espirais e símbolos diversos. Alguns deles são muito semelhantes às placas de Churchward Naacal, que foram encontradas em 1880 na Índia e a tradução fala sobre o continente submerso de Mu.

Este é um mármore com incrustações de uma outra espiral, também brilha intesamente sob luz negra.

Uma outra pedra [esquerda], em forma piramidal com uma incrustação de um olho. A direita, você pode ver novamente a pirâmide com o olho e, na base, você vê a constelação de Órion, as três estrelas de Órion, que pode nos lembra as três pirâmides do Egito.

A esquerda, você tem uma estátua de cerâmica. Você pode ver que o jeito de sentar não é do estilo real pré-colombiano. Parece com o jeito de sentar em Lotus da Ásia. No topo desta estátua há um chapéu com alguns pontos e parece muito similar a muitas das representações  de Buda. Ele tem uma cobra na boca. A cobra é um objeto muito, muito místico e muito frequentemente representado, isso significa que esta estátua não é de qualquer cultura pré-colombiana existente ou conhecida.

Mesmo a outra [a acima, a direita] você pode ver como esta estátua está sentada. Parece mais o estilo da Ásia. Na cabeça, novamente, um chapéu muito estranho. E no centro você pode ver a cabeça de um sapo. O sapo também é um animal muito místico na antiga cultura da América do Sul pré-colombiana, assim como também na África e na Ásia.

A esquerda, outra estátua de cerâmica segurando uma espécie de prato na mão esquerda e também não parece ser realmente a cultura pré-colombiana. A direita, temos um outro artefato muito estranho com uma pessoa segurando um  bastão com uma serpente. Novamente temos aqui a cobra e a pergunta é onde e quem fez esta estátua?

Bolívia


Esta é uma foto do Altiplano da Bolívia. Os arqueólogos e investigadores descobriram que pelo menos há 4.000 anos houve um impacto muito grande na Argentina e a onda de choque desse grande impacto destruiu muitos edifícios de pedra no Altiplano da Bolívia.

Você tem aqui uma foto de Puma Punku, um lugar muito estranho perto de Tiahuanaco, na Bolívia, e você vê toneladas de placas de pedra, perfeitamente trabalhadas, que estão destruídas. Talvez isso tenha sido a reação ao grande impacto na Argentina.

A esquerda, está o meu amigo Giancarlo Bonfanti, pesquisador italiano, no centro da chamada Porta do Sol, em Tiahuanaco, na Bolívia. Alguns pesquisadores afirmam que os bonecos em cima da Porta do Sol, do lado oposto [foto á direita], estão mostrando o calendário de Vênus.

Aqui você tem algumas das grandes placas de pedra de Puma Punku e você pode ver quão perfeito essas pedras foram talhadas. A questão é, você poderia fazer um trabalho tão perfeito com ferramentas simples?

Perto desta área foram encontrados esqueletos com um tamanho de 2,6 metros. A imagem do topo [a esquerda] mostra o crânio de um desses esqueletos e parece que está deformado. Mas definitivamente, esses crânios não estão deformados, eles têm,  naturalmente, a forma de ovo.


Na foto do topo à direita, vê-se o quão forte a mandíbula desses crânios eram. Esta é uma vista frontal, embaixo a direita.

E a foto mais interessante é esta, porque você pode ver que o topo do crânio não tem as três placas que temos como Homo sapiens. Isso mostra-nos que estes esqueletos não são Homo sapiens. O que poderemos fazer é uma verificação de ADN e uma datação destes esqueletos, porque estamos curiosos para saber que tipo de seres humanos existiram há muito tempo e há quanto tempo.

Nas próximas fotos vou te mostrar alguns artefatos encontrados perto dos gigantes verdadeiros. Quando eu peguei pela primeira vez esta máscara [esquerda], em minhas mãos, eu tentei olhar através dos dois olhos. Naquela época eu não sabia que ela pertencia ao esqueletos de 2,6 metros, eu apenas me perguntava por que eles faziam máscaras onde você só pode olhar por um olho? Mas depois de saber que essas pessoas tinham mais de 2,5 metros, eu pude entender que o crânio delas era naturalmente maior que a nossa cabeça e é por isso que essas máscaras eram muito grandes para nós.

Essa é uma outra máscara da Bolívia [direita]. Outra ao centro, esculpida de forma muito maravilhosa, espirais e muitos, muitos símbolos, que também encontramos em muitas outras culturas.

Essa é uma estatueta de pedra muito pesada e, novamente, aqui você pode ver no topo da cabeça, uma serpente indo para baixo nas costas da imagem.

Este é o lado de trás. Você pode ver novamente a serpente, o que significa que a cobra deve ter sido animal muito, muito importante no passado de nossa história.

Aqui você pode ver uma flauta de pedra. O estranho é que a vibração do som da flauta de pedra é exatamente o mesmo que nossas ondas cerebrais. Então isso significa que talvez essas flautas foram utilizados para a meditação ou para fins de cura. E cada dois orifícios estão conectados perfeitamente um com o outro. Isso significa que você pode fazer furos perfeitos nesta pedra muito, muito dura, mas como você conecta, com ferramentas simples, os dois buracos no fundo? Isso seria, mesmo em nossos dias, um trabalho muito difícil de se fazer.


BR: Porque é na forma de "U" e se curva dentro da pedra?

KD: É, e com ferramentas simples, definitivamente, você não seria capaz de fazer tal obra, até mesmo os buracos são muito precisos.

Este a esquerda, está na forma de um barco e você tem três furos de flauta no final. A direita você pode ver perfeitamente como eles foram feitos.

Esta é uma outra flauta, muito pequena. Você pode usá-la somente com um leve sopro e o som é como o som dos golfinhos.

Este é um artefato onde não temos qualquer idéia para que finalidade ele foi usado.

Colombia


Agora estamos na Colômbia. Nas fotos seguintes, eu te mostro artefatos muito estranho da Colômbia na América do Sul.

O mais famoso designer e arquiteto industrial na Colômbia, o professor Jaime Gutierrez, está coletando artefatos seculares estranhos do país dele.

A peça mais importante é o chamado Disco Genético. Aqui você pode ver um disco feito de lydite, uma pedra muito dura. Tem quase a mesma dureza do granito, mas a estrutura da lydite é como folhas, de modo que seria impossível fazer o mesmo disco, em nossos dias, desse mesmo material.


O diâmetro do disco - que chamamos de Disco genético - é de cerca de 27 centímetros. Neste disco você tem várias coisas representadas que normalmente você só pode ver com um microscópio.

Por exemplo, no lado esquerdo em torno de onze horas você pode ver um ovo, um ovo humano sem e outro com esperma. No lado direito, a cerca de uma hora, você pode ver alguns espermas. E então você tem várias representações muito estranhas que não podemos explicar.

Mas aqui, no lado esquerdo, você tem uma fotografia microscópica do interior de uma mulher feita por um fotógrafo sueco e você pode ver que o ovo com e sem esperma se parece exatamente com a representação neste disco genético.

No verso, temos, na parte superior, várias representações de feto em tamanho e idades diferentes, terminando com... parece como uma criança pequena. Você vê também, no final do disco em torno de seis horas, femêa e macho. E também do lado direito, em cerca de nove horas, você pode ver a representação de homem, mulher e criança. Mas a coisa estranha é a forma como eles representam as cabeças humanóides.

Aqui você pode ver uma faca feita do mesmo material, lydite. No topo da faca, no cabo, você tem a cabeça da mãe, além de ter a cabeça da criança e o cordão umbilical está ao redor do pescoço da criança. Então, isso significa que essa faca teria sido usada para cortar o cordão umbilical, salvando a vida da criança.

Este é um close-up: mãe, filho e o cordão umbilical.

Esse é um instrumento. Poderia ter sido usado para ajudar a criança a sair, sair da mãe, quando houvessem algumas complicações. Também é feito do mesmo material, lydite.

Você tem aqui [centro], a vagina e a cabeça da criança saindo. E no verso [direita], você pode colocar apenas o seu polegar dentro. Isso significa que este instrumento só pode ser usado com os dedos - ou seja, você não poderá usar a força. Então isso significa que ele pode ser mais seguro para ajudar a criança saindo da mãe do que os instrumentos que estamos usando hoje dia, porque às vezes os instrumentos  modernos, quando utilizados, podem danificar a cabeça da criança.

O da esquerda pensamos ser um instrumento médico. Também é de lydite e têm forma perfeita.

Um outro e estes são os outros no centro. Eles são muito menores do que o mostrado nesta foto. Quando fizemos a verificação do material em Viena, um os maiores peritos do mundo verificou as peças. Antes de tudo o material: cada um é feito de lydite.

E a forma em si, ele as verificou e, finalmente, ele disse: Eu não posso te dizer como elas foram feitas, quem foi que as fez. Mas a única coisa que posso definitivamente dizer... desse mesmo material, em nossos dias, não podemos fazer os mesmos instrumentos.

Então, quão antigos eles são, não sabemos. Como eles foram encontrados na Colômbia e não se encaixam em qualquer cultura pré-colombiana existente, devemos considerar que esses artefatos têm, pelo menos, mais de 6.000 anos, mas não podemos explicar que tipo de tecnologia que eles usaram para serem capazes de fazer tais instrumentos e ferramentas feitos de lydite.

Você pode ver que cada peça se encaixa exatamente em todo tipo de mão, não importando quão grande era o tamanho da mão. Cada instrumento, cada ferramenta, se encaixa perfeitamente  em cada mão que estava usando esses instrumentos.

Isto, por brincadeira, eu chamo de cadeira do dentista... perfeitamente feito, o mesmo material: lydite. E a pergunta estranha é: por quê, se eles podiam fazer tais figuras perfeitas deste material muito difícil, por quê é que eles mostram a face humana sempre com os olhos redondos grandes e um nariz pequeno e uma boca grande? Não há nenhuma explicação real possível.


Essa cara [esquerda] parece um pouco com o Moai, as grandes estátuas de pedra da Ilha de Páscoa. à direita, você tem um close-up.

Esta é mais uma peça da Colômbia, lydite. Na parte da frente você vê a mãe segurando o bebê e na parte de trás você vê o homem com armaduras, provavelmente para a caça.

Esta estatueta de pedra foi encontrada na Colômbia. Parece exatamente com as estátuas Moais da Ilha de Páscoa, mas tem apenas cerca de 30 centímetros de comprimento.

Esta é outra obra-prima da escultura de pedra. Você tem em ambos os lados a representação de uma ave, mas se você olhar de frente, você pode ver que as duas aves representam um rosto. E do lado esquerdo [à direita], entre a cabeça do pássaro e as asas, você vê novamente a escrita desconhecida que descobrimos em pedras por todo o mundo.

Esta é a mãe segurando uma criança, o rosto é muito estranho e é um tipo de jade.

Esta é outra pedra da Colômbia mostrando um tatu. No topo do tatu, você pode ver um rosto estranho, com orelhas longas e dois chifres na cabeça.

Sobre este artefato você pode ver um rosto sorridente no topo. Você tem dois triângulos neste lado [à esquerda] e do outro lado, do lado direito, [à direita] você tem um rosto. Novamente, no lado direito, está a face do animal e alguns símbolos desconhecidos.


E na parte inferior desse objeto, você vê um animal... parecido com um crocodilo.

Guiné, na África Ocidental

Agora estamos nos movendo para a Guiné, África Ocidental, muito próximo a fronteira com o Mali.

Eles encontraram em uma montanha de granito imensa, o meio-retrato de uma senhora feita em pedra de granito. O tamanho desta estátua do topo da cabeça até o meio do tronco é exatamente 150 metros. Portanto, esta é, na verdade, uma grande questão: Quem poderia ter sido capaz de fazer tal meio-retrato de granito enorme em uma montanha há, pelo menos, 10  ou 12.000 anos?


O geólogo italiano, Professor Pitoni, esteve no local. Ele fez essas fotos. Ele verificou a terra na base desta montanha e o cálculo dele era de que esse monumento de pedra deve ter sido feito pelo menos há 10 ou 12 mil anos. Mas, então, temos uma questão importante: Quem poderia ter sido capaz de fazer tal um monumento de pedra tão grande? Mesmo nos nossos dias seria impossível, ou isso custaria tanto dinheiro que não seria possível fazer.

E se você olhar para o close-up do rosto, alguns especialistas disseram-me que esse cara definitivamente não é européia, mas também, evidentemente, não é o preto africano. Deve ser uma cultura sul-americana ou asiática. Mas, novamente, estamos no tempo de 10 a 12.000 anos. Talvez seja a civilização, a civilização perdida de Atlântida.

Perto desta área na Serra Leoa, Professor Pitoni era responsável pelas escavações de diamantes. Foi quando ele ouviu, nesta área, uma lenda sobre Deus estar zangado com alguns anjos e os transformou em pedra e os lançou na Terra. Ele pegou o céu... Também o transformou em pedra e o atirou para a Terra. E pegou as estrelas e as jogou na Terra.

A lenda diz que o céu, você pode ver nesta pedra - eles a chamam Pedras do Céu, pedras  azul-celeste, encontradas nesta área sob a terra. Fizemos uma pesquisa em Viena... esta é uma pedra definitivamente artificial, não é uma pedra natural e outros materiais podem ser encontrados. Mas a única coisa que não puderam nos informar é que tipo de cor que eles usam para conseguir esta cor azul-celeste real.

Figuras de pedra foram encontradas a baixo de 20 metros, até mesmo 50 metros. O Professor Pitoni sempre pegava alguns materiais orgânicos do local e a idade desses artefatos de pedra variam de 2.500 anos anos, até a mais antiga de 17 mil anos. No lado inferior direito, você tem uma pedra de granito, chamada de Nomoli, com um entalhamento muito bom.

Lá você tem um homem sentado em um elefante, como há também as lendas de gigantes em toda a África. Você sabe quão grande é um elefante! É uma escultura de pedra maravilhosa, é muito dura e muito pesada.

Existem também alguns artefatos mostrando meios-humanas ou humanos, com a cabeça de um réptil segurando uma espécie de pote na mão e que se poderia colocar algo dentro deste pote. E também em cima de vários Nomolis há um buraco para se colocar algo dentro e muito provavelmente eles foram usados para cerimônias.

Aqui você tem um tipo de animal [imagem acima, à direita]... parece um dinossauro. Quando o professor Pitoni encontrou esta estátua, ela estava fazendo um barulho estranho, então ele abriu a estátua e encontrou dentro dela uma pequena bola preta. Você pode ver na base da estátua e a bola é de ferro.



Quando faziamos um estudo sobre este artefato e, especialmente, nesta esfera de metal, na manhã seguinte, o professor me chamou e me disse que alguém deve ter feito uma brincadeira de mau gosto comigo. Eu perguntei: Por quê? Porque o resultado do estudo deu que o material de metal é de aço cromado e aço cromado foi encontrado pela primeira vez no início do século 20 na Áustria. Isso significa que seria impossível achá-lo dentro de uma estátua com a idade de aproximadamente 17 mil anos!

Mas, quando, imediatamente, eu liguei para o Professor Pitoni ele riu e disse: Eu sou um geólogo. Se uma estátua está fazendo um som estranho, eu não a abro de imediato, porém eu fiz vários raios-X.

Você pode ver aqui na iagem acima, à direita, uma das fotos de raios-X e você verá que dentro da estátua ainda fechada a bola redonda, a esfera de aço cromado estava lá.

Nesta foto de raios-X você pode ver distintamente. O Professor Pitoni também viu que esta estátua de pedra, no passado, já foi aberta, mas perfeitamente fechada novamente. Ele chamou um especialista que a abriu exatamente de acordo com esta foto, tirando a bola pequena de pedra que estava fechando o buraco, como você pode ver a bola de metal estava lá.

Gigantes

Alguns de vocês devem ter visto várias imagens, fotos na internet de gigantes, esqueletos gigantes achados no deserto na Índia, na China e em outros lugares. A maioria dessas fotos foram fotos do concurso para apresentar o Photoshop... perfeitamente feito. Também fiquei muito impressionado quando recebi pela primeira vez uma dessas fotos...

Mas essas fotos que eu estou mostrando agora, elas definitivamente não estão saindo de um concurso do Photoshop. Estas fotos são crânios e esqueletos reais.

Este crânio foi encontrado em um sistema de túneis subterrâneos na Colômbia. O crânio é datada de cerca de 11 mil anos. O crânio é maior que um crânio normal e os dentes da frente do maxilar são alinhados de forma diferente dos nossos dentes.

BR: Algo me ocorre aqui, é que há uma mandíbula forte, pronunciada. É uma linha de mandíbula muito saliente, um queixo muito proeminente.

E aqui você vê uma fotografia que nos foi mostrada por um denunciante do Projeto Camelot. Agora, isso não é uma fotografia real, isto é uma cena de um velho filme de Arnold Schwarzenegger, Conan, o Bárbaro. O que você está vendo aqui é um efeito especial no ator James Earl Jones. O ponto crítico aqui é a forma da linha mandíbula.

A nossa testemunha, que havia passado algum tempo com os Annunaki, um tempo real nos dias de hoje, disse que uma das coisas que os caracteriza, além da dimensão deles - que ele diz ser de oito ou nove pés de altura. Ele disse que eles são muito grande e muito fortes e eles parecem maiores do que isso. Mas isso é ao redor da altura deles, que corresponde exatamente aos 2,6 metros que Klaus está falando. Ele disse que havia uma linha de mandíbula muito forte e proeminente e é isso que me impressiona sobre esses esqueletos, estes crânios aqui, que nós estamos olhando agora.

KD: Eu não sabia disso...

BR: Não, você precisa saber isso!... Respondendo a Klaus...
  

KD: Então, mais uma vez, aqui você tem uma foto muito antiga feito em um museu em La Valletta, em Malta. Ela mostra vários crânios longos e a explicação é "crânios deformados", mas eles são muito longos indo para trás.

Este é um dos vários crânios muito, muito estranho.

Eles estão exibidos em um pequeno museu de Ica, no Peru. Ica está localizado próximo as famosas Linhas de Nazca e o museu é chamado de Museu Maria Reiche, a senhora alemã que pesquisou a vida inteira dela as Linhas de Nazca. E nesse museu você pode ver os crânios mais estranhos que eu já vi, todos foram encontrados na área próxima às linhas de Nazca. Então a questão é: Que tipo de seres humanos viviam lá e como eles conseguiram essas formas do crânio?

Especialmente, este. Definitivamente, vários médicos e especialistas me disseram que não seria possível criar tal tipo de deformação, porque por meio de deformação não se consegue o material de osso duplo no crânio. E neste crânio tem-se até mesmo partículas de pele e dos cabelos,  eu acho que não seria difícil fazer uma datação e, especialmente, uma análise de ADN do crânio.

 
Nesta foto eu mostro-lhe algumas formas de esqueleto lendário de gigantes. No ano de 1964, no sul do Equador, na província de Loja, quebrou-se uma parte de uma plataforma da montanha e Padre Carlos Vaca, que estava trabalhando como padre em hospitais, ele foi chamado a este lugar e ele encontrou os ossos quebrados de um gigante.

BR: Exelente! Bom, Klaus, eu perguntei se você poderia nos levar numa viagem e durante quase uma hora, eu acho que foi, você nos levou numa viagem fascinante, não só ao redor do mundo, mas através do tempo tão longe quanto 17 mil anos!

É um lembrete real de quão pouco sabemos sobre qual é realmente a nossa história. Estas são peças importantes de um importante quebra-cabeça e você está ajudando a elevar de uma forma enorme a sensibilização das pessoas sobre o que não é mostrado em muitos museus, o que não lemos nos livros antropológicos e o que muitos professores universitários ainda se recusam a reconhecer.

Muito obrigado por ajudar a aumentar a nossa compreensão de nossa própria`ri história no planeta Terra. Klaus, obrigado.




Suporte o Projeto Avalon - faça uma doação:

Donate

Obrigado por sua ajuda.
Sua generosidade nos permite continuar nosso trabalho.

Bill Ryan

bill@projectavalon.net


unique visits

Google+