Busca

Luca Scantamburlo:

O Regresso do Planeta X

Esta página é uma versão reformatada da original publicada no Projeto Camelot.



Transcrição da entrevista - Parte 1

Itália, fevereiro de 2008


Começo da entrevista

Kerry Cassidy: Olá, sou Kerry Cassidy do Projeto Camelot, e estamos aqui com Luca Scantamburlo.

Luca Scantamburlo: Boa pronunciação. Muito bem. [Kerry ri]

KC: E estamos muito entusiasmados por estar com ele, algures em Itália. Não podemos dizer onde. Vamos cobrir alguns tópicos muito interessantes. Luca  é um jornalista talentoso. Ele está também em contato com Cristoforo Barbato e estamos muito interessados em ouvir o que Barbato tem para dizer. E Luca escreveu artigos sobre os assuntos que Barbato investigou. Estamos muito interessados nas ligações do Vaticano, e em tudo que nos possas dizer sobre isso.

LS: O meu nome é Luca Scantamburlo. Tenho 33 anos de idade e nasci em Itália. Tenho uma  formação em jornalismo. Além disso, nestes últimos dois ou três anos, escrevi diversos artigos sobre questões controversas - OVNIs, possíveis presenças extraterrestres na Terra e no sistema solar. E um dos meus artigos, uma interpretação, foi publicado também na Nexus New Times, que é uma revista bimestral, publicada na Austrália.

KC: alvez nos possas dizer como entraste em contacto com o Cristoforo Barbato.

LS: Sim. Cristoforo Barbato nasceu em Nápoles, em 1972, e o meu primeiro contacto com ele foi em 2002. Ele era o editor-chefe de uma revista de distribuíção nacional, cujo nome era Revista Stargate (Revista Portal Estelar). [aponta para a prateleira] Ali, em baixo, estão algumas cópias da revista, a revista italiana da qual Barbato era editor-chefe. Revista Stargate ali, à direita.

À esquerda, há uma cópia dela, está num formato tablóide parecido com uma outra revista para a qual Barbato trabalhou em Roma. [Kerry pega no tablóide] Exacto, Kerry. O nome é Extra Terrestre.  Agora já não existe mais. Essa foi uma das revistas que falava sobre OVNIS e fenómenos relacionados.

Tenho pena de não ter aqui nenhuma cópia duma outra revista que está em falta, para a qual Barbato trabalhou. Chamava-se Stargate, não Revista Stargate, como aquelas [gesticula]; apenas Stargate. Nessa revista, Barbato escreveu diversos artigos sobre o Terceiro Segredo de Fátima.

Naquela altura eu não as comprei; nem sequer as conhecia. E, em 2002, eu perguntei a Barbato se estava interessado em publicar um dos meus trabalhos. Então, em 2002 ele publicou um dos meus artigos. Um outro saiu em 2003. E o que aconteceu... Em 2003, essa revista fechou. Então nessa altura, Cristoforo Barbato deixou de ser editor-chefe. Ele perdeu o emprego e voltou para casa.

Sabem, nós nunca nos conhecemos pessoalmente, nessa altura. Tivemos apenas contactos por e-mail e contactos telefónicos. E o que aconteceu mais tarde, em 2005, o que aconteceu... Eu li um pequeno artigo acerca da investigação de Cristoforo Barbato. E esse artigo era sobre uma estranha filmagem, que tinha sido mostrada ao público pela primeira vez, em abril de 2005, em Pescara. Pescara é uma grande cidade situada na costa do Mar Adriático. O Mar Adriático é um dos nossos mares, dos que temos na Europa.

Eu fiquei muito curioso, porque no artigo, o jornalista dizia que essa filmagem tinha vindo de um informador do interior do Vaticano, que tinha entrado em contacto com Cristoforo Barbato em 2000, no ano de 2000. E após alguns contactos, Cristoforo Barbato tomou posse da filmagem. E ele mostou-a ao público pela primeira vez, em 2005. Mas a filmagem, naquela altura, não estava disponivel na internet. Era uma filmagem de dois minutos.

Então eu escrevi um e-mail a Cristoforo Barbato e perguntei-lhe se havia alguma hipótese de ver a filmagem, porque a filmagem, como vos disse, não estava disponível. Então ele disse-me: Ah, sim, podes vir a uma conferência. Eu fui convidado para uma conferência em Santa Maria Madalena. É uma pequena localidade em Itália [perto de Génova]. E nessa ocasião, podemo-nos encontrar e terás oportunidade de ver a filmagem. Isto porque não vou entregar a filmagem a ninguém. Porque as condições para poder receber a filmagem foram muito rígidas.

KC: Não é verdade que Barbato se manteve em silêncio acerca do seu contacto com o informante do Vaticano, por vários anos...

LS: Sim.

KC: ...antes de divulgar qualquer informação?

LS: Sim. Este é um... sublinhaste um aspecto importante. Apenas uma pequena sequência cronológica, de modo a compreender melhor o que sucedeu... no ano 2000, ele recebeu as primeiras mensagens via e-mail e via correios - em Roma, por correio normal - e e-mail. E, é claro, ele estava bastante céptico. No princípio, este homem apresentou-se como um informante do Vaticano e pouco a pouco a relação foi-se desenvolvendo. E, é claro, logo no início, este "Garganta Funda" forneceu-lhe uma grande quantidade de informação.

Mas Barbato não estava satisfeito, porque... Vocês sabem disto melhor do que eu, Kerry, Bill, que... [longa pausa] o mundo dos informantes, o mundo das informações, é muito perigoso, porque é muito difícil distinguir entre informações verdadeiras e falsas. Então, ele não estava satisfeito. E pediu-lhe para se encontrarem.

Sabem, posso imaginar que isto, para o informante, seria um pedido difícil; no caso dele não ser um impostor, ele arrisca a vida dele, e talvez até a vida de outra pessoa. Mas apesar de tudo, eles encontraram-se. Por mais de uma vez.

KC: Por mais de uma vez. E sabes onde foi esse encontro?

LS: Sim, porque Barbato tornou a notícia pública.

KC: Hum hum.

LS: O primeiro encontro e mesmo o segundo, ocorreram no ano de 2001, em Roma, num espaço público. Não sei onde. Barbato nunca me disse. Eu compreendo-o, claro.

Bill Ryan(BR)[por detrás da câmara]: Posso imaginar que o Cristoforo terá perguntado à sua fonte: Por que motivo me está a fornecer esta informação?

LS: Sim. Mesmo... Sim, sim. Esta questão surgiu mesmo na entrevista que tive com Cristoforomagazine Barbato, porque durante a entrevista que ele me deu - esta entrevista foi publicada em abril de 2006, na revista mensal, UFO Notiziario (Notíciário OVNI), em Itália. Mas, ele deu a entrevista umas semanas antes, porque nós planeámos a entrevista. Foi uma entrevista escrita. Não tive oportunidade para falar pessoalmente com ele. E eu fiz-lhe essa mesma questão - Porque é que ele está a fazer isto? Porque é que fez uma coisa dessas?

E a resposta está nas palavras do jesuíta. Porque o jesuíta e alguns dos colegas dele, fazem parte de uma estrutura de inteligência, uma agência de inteligência - presumível agência de inteligência - porque oficialmente o Vaticano não possui nenhuma agência de inteligência. Ele e outros colegas estavam...tiveram, talvez, penso... Eles tiveram um dilema moral. Eles sabiam dos eventos que deveriam ocorrer nos anos seguintes, mais tarde ou mais cedo, ou mesmo agora - porque isto aconteceu no passado; aconteceu no ano 2000 - teriam implicações para todas as criaturas da Terra. Ninguém estaria excluído.

BR: Todas as criaturas.

LS: Todas as criaturas. Isso significa, claro, toda as latitudes do planeta.

KC: Hum hum.

LS: Penso que eles tiveram um dilema moral. Existe uma estória similar na tradição Grega e é chamado de dilema de Antígona, o problema de Antígona, sabem. Há uma lei. E se vocês respeitarem a lei, existe o risco de ferirem os vossos sentimentos; ferirem, sabem, o vosso sentido de humanidade. Então, vocês têm de fazer uma escolha - seguir a lei, as regras, e, sabem, destruír o vosso sentido de humanidade. Caso contrário, quebrar as regras.

KC: Hum hum.

LS: Para seguir...

KC: Então este jesuíta decidiu revelar-se. Ele é um padre jesuíta?

LS: Sim. Mas ele revelou-se, ele apresentou-se, apenas para Cristoforo Barbato. Porque ele e os colegas selecionaram a pessoa. E essa pessoa foi Cristoforo Barbato. Eles fizeram uma escolha.

KC: Eles escolheram-no porque ele era um jornalista respeitado, e por...

LS: Por muita razões. Sim.

KC: E por, em Itália...

LS: Sim, essa foi uma das razões, certamente. Mas as outras foram, em primeiro lugar, Cristoforo Barbato era jovem. Sabem, os jovens são normalmente - nem sempre - mais corajosos. Sabem, porque à medida que vocês vão envelhecendo, vão tendo mais responsabilidades, talvez tenham uma família, talvez tenham uma reputação. Sabem...e acabou-se a história.

KC: Então, que idade tinha Cristoforo quando foi abordado em 2000? Sabes?

LS: Ele nasceu em 1972, por isso tinha 28 anos.

KC: Ah.

LS: Agora, provavelmente existem...Existem outras razões, claro. Mais do que uma. Cristoforo Barbato é, na minha opinião, uma pessoa leal. Não o podem comprar. Isto é o que penso. E ele é [bate na mesa com a mão] um tipo muito duro. E também, possivelmente, por ele ser honesto.

KC: Estou a ver. Muito bem. OK. Porque, obviamente, ele subiu bastante a fasquia para o jesuíta. Por outras palavras, ele insistiu... Primeiro, ele levou muito tempo para divulgar a estória. Segundo, ele foi verificá-lat.

LS: Porque ele não estava convencido. Ele fez muitas investigações para verificar se as informações eram precisas, se, sabem...o jesuíta forneceu-lhe muita informação. Ele deu-lhe algumas fotografias, uma filmagem em cassete de vídeo - não em formato CD-ROM, nem em DVD-ROM. Estamos a falar do ano 2000. Ele recebeu-a numa encomenda postal.

KC: Ah ha.

LS: E no seu interior estava uma cassete de vídeo VHS, sabem.

KC: Ah ha. Sabes se ele mandou testar o VHS?

LS: Ele converteu o vídeo para formato digital, mas não o fez com um equipamento profissional, por isso a qualidade do vídeo não é muito elevada. Também penso que se tivessemos a possibilidade, a hipótese, de ver a filmagem original, talvez conseguissemos obter mais informação sobre, sabem, a validade da filmagem. Porque estamos a falar de uma filmagem que contém uma presumível observação em espaço profundo, onde é claro, sabem, a luz visível é quase nula.

Nota importante: Luca Scantamburlo afirma que a filmagem do Planeta X que é mostrada neste vídeo NÃO é a película original que o padre jesuíta entregou a Barbato, é uma cópia ou recriação muito semelhante ao original.

KC: E o que é que nos mostra a filmagem?

LS: Sim. A filmagem... A filmagem parece mostrar-nos um planetóide desconhecido da astronomia moderna - o conhecimento oficial da astronomia moderna. Também foi editado. Esse é outro ponto importante. Quero dizer, existem duas partes diferentes [bate as mãos, simbolizando união] que foram unidas.

KC: OK, e foi filmada com uma câmara a bordo de uma nave estacial?

LS: Com uma câmara a bordo de uma sonda espacial que, segundo este Garganta Funda, pertence secretamente ao Vaticano. O nome desta sonda espacial seria Siloe. Siloe, por sinal, é um palavra Bíblica que vocês podem encontrar na Bíblia, no Novo Testamento, algumas vezes. Não me lembro qual é a passagem exacta, mas de qualquer forma, é uma estória sobre o que Jesus fez durante aqueles dias longínquos na Palestina. Havia um homem cego. Estou certo? Ele não podia ver? E Jesus fez-lhe algo e depois disse-lhe: Agora podes ir ao Reservatório de Água de Siloé, lavas lá os teus olhos, e vais poder recuperar a visão. Vais recuperar a tua visão. Isto foi o que o homem...

KC: Em Inglês diríamos "silo"?

LS: Sim, "silo". Soletra-se S-I-L-O-E. Siloé é um lugar em Jerusalem, que é sagrado para os cristãos. E esta sonda espacial seria uma parte do programa espacial.

KC: Quem foi? Quem é que supostamente construíu esta sonda espacial?

LS: Esta presumível sonda espacial teria sido produzida, montada na Area 51, em Nevada (E.U.A.), pela companhia Lockheed Martin.

KC: Ah. OK. Esta informação veio do Garganta Funda?

LS: Sim.

KC: Tudo sobre...

LS: Mas o ponto principal é... Quero sublinhar, quero realçar isto - que antes do primeiro encontro entre Cristoforo Barbato e este jesuíta, Barbato verificou as suas credenciais. Ele fez isto antes e mesmo no decorrer do primeiro encontro, porque o jesuíta mostrou as credenciais a Barbato. E nessa ocasião - claro que Barbato ainda estava céptico, sabem - não lhe restaram quaisquer dúvidas sobre a  identidade dele.

Não estamos a falar, sabem, acerca da veracidade da filmagem do jesuíta, das outras fotografias e da estória completa. O que Barbato compreendeu sem sombra de dúvidas, foi a identidade do Garganta Funda. Ele sabe o nome, o apelido/sobrenome, sabem, o que ele fez. Claro que ele teve de proteger a fonte de informação por causa do serviço de inteligência.

KC: Certo. Foi... OK. A organização, a organização secreta de que o jesuíta é membro, faz parte dos serviços de inteligência clandestinos do Vaticano. E qual é o nome?

LS: Barbato obteve essa informação. A agência de inteligência seria Servizio Informazioni del Vaticano, Serviço de Informações do Vaticano. E o nome de código seria S-I-V, que vem da expressão italiana.

Mas, o que é muito interessante é que Barbato descobriu mais tarde, num artigo escrito nos E.U.A., num artigo histórico escrito por John Loftus e Mark Aarons - cujo nome é Ratlines (Linhas de Ratos) - que existe uma referência a esta agência. E  lá está a expressão exacta que o jesuíta deu a Barbato em Itália - Serviço de Informações do Vaticano. Podem verificá-lo em qualquer das edições desse livro, Ratlines. E esse livro até foi publicado em Itália. Por isso pude confirmá-lo com os meus próprios olhos.

KC: Ah ha.

LS: Barbato descobriu isto mais tarde.

KC: Certo. OK, mas este é... Qual é o significado de Secretum Omega (Segredo Ómega)?

LS: Secretum Omega seria, segundo o Garganta Funda de Barbato, o nível mais elevado de classificação dentro desta agência.

KC: Então ele está a dizer...

LS: Ele dividiu Secretum Omega em primeiro, segundo e terceiro níveis.

KC: OK, e este jesuíta era membro do nível mais elevado?

LS: Sim, ele era um dos membros do... Sim. Eu não sei qual. Eu não me recordo qual era o nível, porque... [faz o gesto de uma tesoura a cortar]... Vamos cortar aqui, porque... Desculpem.

KC: Está tudo bem!

LS: Sabem, é muito difícil para mim.

KC: Vamos recomeçar, nesta parte. Então o jesuíta faz parte do nível mais elevado ou possivelmente o mais alto nível dessa agência secreta, o SIV.

LS: Sim. Isso foi o que eu entendi. Sim, nessa altura ele era um membro ativo.

KC: Bem, dizes "era". Barbato recebeu alguma informação de que ele tenha deixado esta agência?

LS: [suspira profundamente] Eu não sei nada sobre isso.

KC: Entendo.

LS: O que eu sei ao certo... Eles mantiveram-se em contacto pelo menos por um par de anos, mas penso que já não estão mais em contacto.

KC: OK.

LS: Além disso, ele cumpriu a tarefa dele. Ele até fez mais do que planeava fazer, porque Barbato pediu-lhe um encontro, sabem, e isto foi algo que eles... e talvez eles não estivessem à espera disso. Mas a questão é, como vos disse. Sabem, normalmente - quando vocês tem um Garganta Funda, um informante, quando vocês têm uma fonte de informações - na maioria das vezes, vocês desconhecem a identidade. Na maioria das vezes. [suspira]

Se houve alguém do Vaticano a fazer isto - claro, com o apoio de outras pessoas - vocês não podem imaginar, sabem, uma única pessoa pertencendo a uma agência tão importante... [escolhe as palavras com cuidado] ...sabem, uma agência que não é de um estado normal. Estamos a falar do Vaticano.

O Vaticano é uma estado pequeno, sabem. Mas representa uma tradição, tem uma reputação. Além disso, a importância... Vocês têm um estado onde têm política mas também têm a fé, sabem. Vocês têm as duas coisas ligadas. E...

KC: Então este homem está a revelar-se secretamente. Ele é apoiado por um par de pessoas no Vaticano?

LS: Desconheço os números, mas imagino que sejam alguns.

KC: OK.

LS: É uma minoria, claro, porque não se trata duma posição oficial do Vaticano.

KC: OK. E o que eles dizem é que existe um planeta fora do nosso sistema solar, que se aproxima...

LS: Aproxima-se de nós.

KC: ...aproxima-se de nós. Da Terra.

LS: Sim. Existe a...

BR: É um planeta, Luca, ou trata-se apenas dum vasto corpo celeste?

LS: Essa é uma questão interessante. Questão interessante porque... bom. O que Barbato soube acerca disto - porque tivemos uma conversa, tivemos várias discuções - que ele soube, sem qualquer dúvida, é que o jesuíta lhe disse que este planetóide, que parece estar a entrar no sistema solar, seria - segundo o jesuíta, é - o suposto Planeta X, ou o antigo deus Nibiru. E Marduk para os Babilónios.

Por isso, o "Planeta X" é uma expressão científica para algo que deveria estar lá fora. Mas pelo menos, oficialmente, até esta data, não existem evidências disso. Quero dizer, existem evidências indiretas, mas evidências diretas, oficiais, observações oriundas de algum observatório, não hão, oficialmente. Mas, existem evidências indiretas de que deve existir alguma coisa lá fora.

Mas o jesuíta salientou isto - esse planetóide é o planeta Sumério. Quero dizer, aquele que os Sumérios chamavam de Nibiru, "o planeta do cruzamento"; com o qual toda a gente deveria estar familiarizada, sabem, devido a Zecharia Sitchin, por exemplo - o historiador Russo de renome, que vive em Nova Iorque - escreveu muitos livros sobre isso. O jesuíta disse a Barbato que o planetóide É o que nós chamamos de planeta Nibiru.

BR: Sabes como eles, no Vaticano, o chamaram? Qual é o nome que eles lhe atribuíram?

LS: Não. Eu não sei. Posso ter algumas ideias sobre este assunto. Porque se vocês forem ver no Novo Testamento, no Livro de João, o Livro do Apocalipse, o último livro da Bíblia, existe uma passagem onde - possivelmente - se faz referência a este corpo celeste. Mas, se vocês considerarem esse livro, o Livro do Apocalipse, como sendo não apenas um livro sobre metafísica, ou apenas, sabem, um futuro que envolve a forma espiritual; se vocês considerarem esse livro como um livro que contém, quero dizer... [procura as palavras corretas]... Bom, como lhes devo chamar? Eventos futuros?

KC: Proféticos.

LS: Mas, que mantém um simbolismo, simbolicamente... Como se diz?

KC: Linguagem.

LS: Em linguagem simbólica. Se vocês olharem para esse livro nestes termos, há uma passagem estranha onde aparece uma palavra. Esta palavra é Absinto.

KC: Ah. Sim.

LS: E parece existir uma ligação com fenómenos estranhos. Estou a referir-me a fenómenos celestiais. Porque se me lembro corretamente, essa passagem do livro fala-nos dum estranho astro que vai surgir e a cor será vermelha. E o nome é Absinto. Mas, regressando à tua questão, Kerry, eu nunca... Não faço ideia de qual será o nome que esta agência secreta lhe atribuíu.

KC: OK, então podes dizer-nos, quais foram os motivos do jesuíta? Por outras palavras, o que mais disse ele a Barbato, para além do facto da vinda de um planeta?

LS: Sim. Ele confirmou isto.

KC: Isto estava relacionado com o Terceiro Segredo de Fátima? Estavam ambos relacionados? Porque sabemos que, no passado, Barbato escreveu artigos sobre esse assunto.

LS: Sim. Sim. Para responder à tua questão... Uma das razões principais, que levaram o jesuíta e os colegas à DECISÃO de contactar Barbato, foi devido aos artigos publicados no ano de 2000, em Stargate, a revista (a revista mensal, não a Revista Stargate, que foi, posteriormente, a revista publicada, mas a antecessora, Stargate) onde Barbato escreveu diversos artigos sobre o Terceiro Segredo de Fátima, com base essencialmente no trabalho de investigadores que são... são investigadores Portugueses - Fina d'Armada. E o outro cavalheiro é um historiador.

E esse livro tem um título estranho, sabem - Intervenções Extraterrestres em Fátima, algo do género. [O título do livro em inglês é é As Aparições de Fátima e o Fenómeno OVNI] Podem encontrar as referências ao livro, se quiserem, na internet. E por causa dos artigos sobre o Terceiro Segredo de Fátima. E naquela altura, no ano 2000, teve lugar uma conferência de imprensa organizada pelo Vaticano, onde o Vaticano fez a revelação oficial do Terceiro Segredo de Fátima. E se vocês lerem essa revelação, temos a visão de um Bispo vestido de branco, que morre juntamente com outros cristãos.

Mas, não há qualquer indício de cataclismos, sabem, problemas para toda a Terra. Mas, por exemplo, há um bom livro, este, [retira o livro da prateleira] escrito por um jornalista Italiano muito famoso. O nome é Antonio Socci. Ele escreveu o livro, e o título é Quarto Segreto di Fatima, que significa O Quarto Segredo de Fátima. Não quer dizer que há um quarto segredo. É apenas um jogo de palavras, mas é suportado por fortes evidências, que indicam que existe uma parte do segredo que - talvez - ainda não foi tornada público. E segundo este livro, segundo o autor Antonio Socci - que descobriu isso devido às investigações dele - talvez o segredo escrito pela Irmã Lúcia dos Santos estivesse dividido em duas partes.

Uma parte é a chamada VISÃO, que foi tornada pública, e é a versão oficial, segundo o autor, que foi liberada pelo Vaticano, no ano 2000. Talvez - segundo o autor - haja outra parte do segredo, que ainda não foi divulgada. E essa seria a explicação para a visão.

KC: OK, assim sendo, a visão era do Bispo de branco...

LS: Sim.

KC: Com algumas pessoas...

LS: Cristãos.

KC: Cristãos. Que morreram.

LS: Que morreram. Que morrem de maneira terrível, terrível.

KC: Uma maneira terrível.

LS: Eles não morrem devido a causas naturais. Eles morrem porque alguém os está a matar, está a matá-los.

KC: Alguém.

LS: Sim. Sim. Soldados, se me lembro corretamente.

KC: OK, assim sendo, isto foi escrito por Barbato, quando ele abordou o tema do Terceiro Segredo de Fátima?

LS: Infelizmente, eu não tenho as cópias das revistas.

KC: Ah ha. Mas isto definitivamente levou...Chamou a atenção do jesuíta para isto.

LS: Sim. Compreendeste a questão. [foto das três crianças de Fátima no ecran/tela] Por causa disto, porque Barbato não estava, é claro, convencido que essa mensagem foi a mensagem original escrita pela Irmã Lúcia. E a propósito, parece que continha vinte, vinte e cinco linhas em língua Portuguesa. Vinte a vinte e cinco linhas. E, se vocês prestarem atenção à versão oficial, há uma discrepância entre... porque a versão oficial do Terceiro Segredo de Fátima é mais longa.

Mas, nós sabemos que a Irmã Lúcia escreveu muito acerca do Terceiro Segredo de Fátima, talvez alguns apontamentos sobre a visão e talvez algumas linhas sobre a explicação para a visão. E estamos a falar do que a abençoada Virgem Maria lhe disse, nesse ano longínquo de 1917, em Fátima, Portugal. E também neste livro, sabem, a investigação, a investigação histórica indica-nos que Lúcia, uma das três crianças, teve muita dificuldade para passar o segredo para papel, talvez devido ao segredo, sabem, conter muitas coisas difíceis de se aceitar.

E, se vocês prestarem atenção aos outros segredos, o Primeiro e o Segundo falavam sobre guerras, a perda de fé, a ascensão do Comunismo na União Soviética. Estamos a falar de eventos, sabem, a uma escala planetária. Por isso é bastante estranho, sabem, que o Terceiro Segredo seja a morte de um Bispo numa escadaria qualquer. Não faz muito sentido, a meu ver. Mas em todo o caso...

Os artigos que Barbato escreveu mencionavam até mesmo a presença de outra criança, que testemunhou fenómenos estranhos naquele tempo, em Fátima. Se me recordo corretamente, o nome dela era Carolina Carreira - se estou bem recordado. Então as crianças que foram testemunhas eram quatro e não três. Quero dizer, à frente da multidão, quando houve algum milagre, estiveram três crianças. Mas existiu uma outra criança, uma quarta testemunha.

Mas, o mais importante foi a contribuíção do livro Português escrito por Fina d'Armanda. Segundo Joaquim Fernandes e Fina d'Armanda, que são os autores dum livro notável publicado em Portugal em 1982, sobre a possível presença extraterrestre naqueles dias, houve uma outra criança envolvida nos fenómenos estranhos naquele tempo.

Além disso - isto é o mais importante - que fizeram eles? Eles verificaram as transcrições originais das crianças, o que elas DISSERAM no início. Outro ponto que gostaria, sabem, de deixar bem claro, eu não estou a afirmar que a abençoada Virgem Maria existe. Isto é muito importante. Tivemos tantas aparições na Europa, em França e em Itália, sabem. Inclusivé, vocês certamente devem estar familiarizados com as presumíveis aparições de Međugorje, na ex-Iugoslávia.

KC: OK. Certamente que estas são visões e aparições, como lhes chamas, de algo que aparenta ser a Virgem Maria. Tudo é possível, no caso de ser gerado por extraterrestres.

LS: Qualquer coisa aconteceu, de certeza.

KC: OK.

LS: Porque na última aparição, haviam milhares e milhares de pessoas que testemunharam o denominado "Milagre do Sol", sabem? E, é claro, que segundo o ponto de vista da astronomia, o sol... Nada se passou com o sol. Talvez houvesse algo, sabem, que veio do firmamento, do céu, e se assemelhava a um sol, mas não era o Sol. E houveram muitos jornalistas e testemunhas, sabem. E eles escreveram artigos nos jornais, os jornais Portugueses. Qualquer coisa aconteceu, nessa altura. Mas o que...

KC: Mas, o que foi que as crianças disseram? Disseste que eles foram ver os testemunhos originais das crianças. Então quais foram as diferenças?

LS: Sim. Os autores do livro Português verificaram os documentos originais, onde estavam escritas, sabem, as palavras originais. E eles entenderam que, no início, as impressões das crianças eram de que se tratava duma estranha criatura, aparentemente do sexo feminino, e ela não mexia os lábios. Por exemplo, ela aparentava ter 14 ou 16 anos. Então, ela não era uma mulher. Era uma adolescente.

KC: OK.

LS: Ela trazia qualquer coisa nas mãos, como uma esfera. Ela tinha um vestido, um estranho, sabem, um traje estranho. Ela não se parecia com a abençoada Virgem Maria, mas isso não quer dizer que a abençoada Virgem Maria não existe, é claro.

KC: Então, foi isto o que Barbato escreveu?

LS: Barbato estudou o livro Português. Este livro não foi publicado em Itália, em língua Italiana. Barbato estudou o original.

KC: Ah, maravilhoso!

LS: De qualquer maneira, devido a isto e devido a outras considerações feitas por Barbato baseado noutros, sabem, eclesiásticos, teólogos e padres, que também não estavam muito... satisfeitos com a versão oficial; Barbato escreveu diversos artigos. E, sabem...

KC: Então foi isto que certamente chamou a atenção dos jesuítas e teve a ver com o POR QUÊ de o escolherem?

LS: Sim. E eles estavam a acompanhá-lo, mesmo antes.

KC: Entendo. E tens conhecimento disto por que eles disseram isso a Barbato?

LS: Sim. Penso que sim. Isto foi o que eu deduzi, sabem, apartir dos meus contactos com Barbato.

KC: OK, e vamos poder falar com ele ainda hoje, não é verdade?

LS: Sim.

KC: OK. Então, tens aqui este mistério. Tens o Terceiro Segredo de Fátima, tens o facto de ele ter sido escolhido...

LS: Desculpa-me por interromper.

KC: Certamente.

LS: O mais estranho é que Barbato não apresentou publicamente nenhuma informação sobre o Terceiro Segredo de Fátima. Não existe uma só palavra do Terceiro Segredo de Fátima. [suspira profundamente] Talvez tenha sido uma opção tomada pelos jesuítas. Talvez tenha sido uma opção tomada por Barbato.

Em todo o caso, para mim, na minha opinião, poderia haver uma associação entre este planeta, que é um intruso - que FOI um intruso no nosso sistema solar, num passado longínquo - e agora parece que é parte do nosso sistema solar e do Terceiro Segredo de Fátima.

KC: Então, estás a dizer que estás a fazer essa associação, mas que o jesuíta NÃO fez a associação?

LS: Não. Não existe uma palavra sequer da parte de Barbato e isto pode ser, sabem, um elo de ligação. Barbato fez um trabalho notável antes de aparecer a filmagem do jesuíta. Mas...

KC: OK. Então, estás a dizer que é um tipo de "sincronicidade"? Compreendes, quando digo esta palavra, "sincronicidade"?

LS: Sim.

KC: Significa que há dois eventos a acontecer...

LS: Barbato está... na minha opinião, Barbato está perfeitamente ao corrente, está consciente do que está por detrás do Terceiro Segredo de Fátima. Em primeiro lugar, porque...

KC: Porque ele sabe...

LS: Em primeiro lugar porque estudou o assunto, sabem.

KC: Sim.

LS: Por exemplo, este livro [pega no livro de Socci] é muito importante mas não faz menção a Cristoforo Barbato. Mas, por exemplo, menciona Malachi Martin, que foi um ex-padre jesuíta, muito famoso nos E.U.A., devido...

KC: Malachi Martin?

LS: Malachi Martin, sim.

KC: Ah, sim.

LS: Ele participou no talk show da rádio Coast to Coast...

KC: Sim, com certeza.

LS: Com Art Bell como anfitriã.

KC: Muito respeitado.

LS: E morreu em 1999.

KC: É verdade.

LS: Mas, ele fez qualquer coisa acerca do Terceiro Segredo de Fátima. Ele já não era um padre jesuíta porque... Ele trabalhou para a Santa Sé, no Vaticano, nos anos 60 do século passado. Ele foi um dos assistentes dum Cardinal. Na minha opinião, ele teve a possibilidade de estar envolvido em alguns dos aspectos secretos dos negócios do Vaticano. De qualquer forma, nesse livro, Antonio Socci escreveu algumas linhas acerca de Malachi Martin e não parece estar muito convencido sobre as suas declarações, sobre o testemunho dele. Em todo o caso, é importante porque ele mencionou Malachi Martin no livro, mas não menciona as investigações de Cristoforo Barbato. Ele mencionou Malachi Martin devido as afirmações feitas por ele na rádio Coast to Coast, o talk show de Art Bell.

KC: Ah ah.

LS: Mas, não menciona o que Malachi Martin disse no talk show de Art Bell, acerca de algo que se está a aproximar de nós, segundo as palavras de Malachi Martin. E este é um ponto muito importante.

KC: O que foi que Malachi Martin disse que se estava a aproximar de nós?

LS: Sim.

KC: Sabes?

LS: Sim. Eu recordo-me. Tenho a transcrição das palavras. Posso lê-la para vocês. Em todo o caso...

KC: Está tudo bem. Podemos colocar as palavras no ecran/tela...

LS: Sim, posso dizer-vos...

KC: ...e podes dar-nos a tua versão.

LS: Sim, mas o mais importante é a construção dum novo telescópio pelo Vaticano no Monte Graham, em Arizona (E.U.A.). Trata-se dum observatório astronómico oficial do Vaticano, em colaboração com a Universidade de Arizona. O nome é Telescópio Tecnologicamente Avançado do Vaticano (VATT). Está em domínio público e eles têm um site na internet, o espelho do telescópio tem um diâmetro de 1,8 metros. É dispendioso, custou alguns milhões de dólares.

KC: Por que isso é importante?

LS: Porque é um pouco estranho que estejas a construír um telescópio avançado, quero dizer, se a atividade principal do teu país é manter viva a fé, a fé Católica. Então, a questão que Art Bell colocou a Malachi Martin foi: Por que é que eles fizeram isto, Padre?

E a resposta do ex-padre jesuíta, Malachi Martin, foi a seguinte, se me recordo: Porque os que estão entre os níveis mais elevados de administração do Vaticano e os geopolíticos sabem que o que se está a aproximar de nós poderá assumir uma importância vital nos próximos 5 anos, 10 anos. Fim da citação. E isto foi dito no ano de 1997. Nós agora estamos em 2008.

Mas, sabem, a questão é que estamos perante mudanças climáticas radicais. E se vocês forem analisar os artigos científicos sobre as mudanças climaticas, não há, sabem, uma única linha de pensamento. Existem diversas linhas de pensamento. Há muitos cientistas que dizem: Sim, temos alterações radicais ao nível das mudanças climáticas. Somos os culpados disto por causa da poluíção, por causa de...

KC: Certo. Mas, eles também estão a dizer - sabes, nós entrevistamos David Wilcock e Richard Hoagland, a acerca disto, eles dizem que os planetas exteriores do nosso sistema solar estão a aquecer.

LS: Sim. Aliás, Richard Hoagland foi o autor, se bem me lembro, do primeiro artigo, publicado no ano de 2003, a falar sobre as alterações climáticas no sistema solar. Foi disponibilizado no site dele.

KC: Sim.

LS: Enterprisemission.com.

KC: É verdade.

LS: E isto foi em 2003. Um dos pontos mais importantes que surgiram apartir dos contactos entre este Garganta Funda - o jesuíta do Vaticano - e Barbato, foi que o jesuíta transmitiu a Barbato, que este planeta, o suposto Planeta X, Nibiru, começaria... iria começar... a afetar o sistema solar apartir de 2004. E isto aconteceu no ano 2000 ou 2001.

KC: Então, porque é que Barbato se manteve em silêncio sobre esta estória até 2005? Não foi em 2005 que ele a divulgou?

LS: Isso foi em 2005, sim. Ele saiu do armário em abril de 2005, quando ele foi um dos oradores na Conferência de Pescara, patrocinada pela associação local - UFObserver (Observador OVNI) - por muitas razões. Mas, a mais importante foi que ele não compreendeu... Ele não compreendeu a a fonte de informação. Apesar de ter examinado as credenciais; apesar de ter examinado, sabem, os estudos de Zecharia Sitchin. [pega no livro de Sitchin] Aqui está o último livro da série Crónicas da Terra dele. E fala, é claro, sobre o Fim dos Tempos.

KC: Fim dos Tempos.

LS: Sim.

KC: Poderias segurar no livro, para nós podermos... isso seria... Sim. [câmara capta o livro]

LS: Então Barbato fez bastantes investigações acerca das informações que o jesuíta lhe forneceu.

KC: Então levou-lhe todo esse tempo, até estar certo de que estava tudo bem.]

LS: Também penso que ele teve receio, porque esta estória... [sorri] Vocês entrevistaram Bob Dean, ex-Sargento-mor do Exército dos E.U.A..

KC: É verdade.

LS: E usou uma expressão que eu gostei muito, sobre assuntos extraterrestres, sobre uma possível presença extreterrestre no nosso sistema solar. E ele disse isto: Esta estória é dimanite.

Eu concordo plenamente com ele! Esta estória é dinamite porque se Nibiru EXISTIR, em primeiro lugar, é uma ameaça para todos nós devido à órbita; se fôr a órbita descrita nos antigos textos da Mesopotâmia, é a órbita típica de um cometa. Isso significa que, a certa altura, este planeta estará perto do Sol e perto dos outros planetas. E se a massa dele fôr maior do que a massa da Terra, podemos vir a ter muitos problemas.

Também - imagino - que este planeta terá um campo magnético. Aliás, existe... há um comportamento estranho na atividade solar. E devido a uma estranha coincidência - mas eu não acredito que seja coincidência - o ciclo solar, o ciclo solar 24, terá o seu pico, o seu máximo, nos anos 2011, 2012. E isto não vem de mim, não vem do jesuíta, não vem de Barbato. Vem das previsões científicas feitas pelos funcionários da NASA.

BR: Tenho de perguntar - o que disse o jesuíta em termos de informações concretas sobre a órbita deste planetóide o tamanho e a natureza dele? Trata-se dum planeta rochoso ou é um gigante gasoso como Júpiter? Ou é...

LS: O planeta foi descrito por Zecharia Sitchin. Por isso temos uma atmosfera e temos a possibilidade da existência de vida à superfície. É o planeta que foi descrito pelos Sumérios.

BR: Isso foi o que o jesuíta disse?

LS: Sim, é Niburu. Mas ele disse mais coisas sobre o programa espacial e que eles teriam... o que o Vaticano teria secretamente. Estamos a falar do Programa Espacial Siloé. O Programa Espacial Siloé seria parte de um programa maior, cujo nome seria Kerigma. Kerigma é uma palavra grega. Significa "proclamação, anunciação".


Clique aqui para a Parte 2






Suporte o Projeto Avalon - faça uma doação:

Donate

Obrigado por sua ajuda.
Sua generosidade nos permite continuar nosso trabalho.

Bill Ryan

bill@projectavalon.net


unique visits

Google+