Busca

Richard Dolan

Conferência do Projeto Camelot

Alerta e Atento em LA:

Esta página é uma reformatação da versão original publicada no Projeto Camelot.


Transcrição da Conferência

19 de setembro de 2009


KERRY CASSIDY (KC): Ok, Rich Dolan! O que lhe parece?

RICHARD DOLAN (RD): Acho que estamos pronto.

BILL RYAN (BR): Você está pronto para começar?

KC: Ok. Diremos tudo o que sabemos sobre Rich Dolan, porque o conhecemos bem. [risos].

Ele é um cara tão político que ele tem a mão no pulso político e tem um livro novíssimo. Bill presentemente o leu. Não tenho tido tempo ultimamente. Contudo, li o outro livro dele e posso lhes dizer, ele é um escritor maravilhoso. OVNIs e o Estado de Segurança Nacional – que estivemos esperando por uma eternidade pelo segundo volume e, finalmente, está editado e, aparentemente, é absolutamente fenomenal.

Rich é apenas um cara incrível. Vamos ver, dizemos finalista da Academia Rhodes? O que quer que seja. E historiador; mente brilhante, brilhante, muito sangue-frio; politicamente astuto. Ele também é um intuitivo. Ele não diz isso, mas ele é! E o conheço desde antes de Camelot, então tenho que dizer que realmente tentei instigá-lo a mais radicalismo. [risos]

Sei que temos que seguir em frente, Bill. Ok, Bill, por que você não faz a introdução oficial? Acho que empurrei bastante sujeira aqui.


BR: Essa foi uma não oficial? Certo. A introdução oficial é muito breve. Vinte anos atrás li  Above Top Secret (Acima de Altamente Secreto) de Timothy Good, que era conhecido por muitos na época como a Bíblia da Ufologia. Esse é o livro que você dá às pessoas que põem em dúvida a realidade do fenômeno e, em seguida, você diz: Ok, leia isso e vamos conversar de novo.

Agora há um novo livro que substitui este em todos os sentidos. E, como Kerry estava dizendo, não é apenas um livro, é uma trilogia, e Rich acaba de publicar o segundo dos três volumes, 638 páginas. É o segundo volume, que o leva de... do ano de 1978 para...?

RD: 1973 a 1991.

BR: 1973 a...?

RD: 1991.

BR: 1973 a 1991 - alguns anos muito interessantes em Ufologia. E o Volume 3 é de 1991 até o presente.

Rich não tem nenhum outro papel aqui do que ser um historiador acadêmico, com toda a combinação de rigor intelectual e de pensar fora da caixa. Ele está surfando nas ondas da própria história, registrando estes momentos que são únicos na história da raça humana, acreditamos nisso. Acredito que Richard acredita nisto também e ele provavelmente sabe mais sobre este assunto agora do que quase ninguém do lado de fora do interior..

KC: No exterior do Estado de Segurança Nacional.

BR: Não vou dizer mais nada. Richard, assuma e lhes diga tudo o que sabe. Você tem uma hora.

KC: Ok.

RD: Muito obrigado. É um prazer estar aqui. Gostaria de agradecer ao Bill e Kerry pela introdução muito graciosa e outras pessoas aqui em Camelot, que fizeram a minha visita aqui muito mais fácil e mais agradável. Agradeço-lhes, também.

Gostei de encontrar um certo número de pessoas aqui. Como muitas vezes sinto que - absolutamente significa isso - aprendo mais nas conferências, acho, do que vocês aprendem de mim. A razão é que nunca há falta de pessoas brilhantes que sabem muito sobre isso, e que normalmente virão até mim, algumas delas virão até mim durante a conferência, e continuaram a dizer-me essas coisas incríveis. Então, é sempre interessante para mim vir aqui e, também, apenas gosto de conhecer as pessoas.

Tenho um novo livro publicado. É o segundo volume de OVNIs e o Estado de Segurança Nacional. Tenho alguns exemplares aqui. Espero que tenha trazido bastante, mas o livro está facilmente disponível agora no meu site
[ www.keyholepublishing.com ] e em www.amazon.com, estarei falando um pouco sobre isso.

A minha vítima hoje, pela qual denominei minha palestra Exopolítica em um Novo Papel Chave: Criando um Roteiro Recente. Não sei se isso é um pouco ostensivo ou não. Escrevi no avião a caminho daqui, assim, literalmente, é uma palestra totalmente nova.

Então vamos começar. Tenho três temas básicos que quero cobrir hoje. Primeiro, quero falar um pouco sobre o meu livro, não para comercializá-lo, mas, realmente, porque ele é relevante para o tema de mais tarde que quero discutir hoje.
Tenho algumas idéias desenvolvidas ao longo dos últimos anos sobre Exopolítica. Nunca tinha escrito explicitamente sobre Exopolítica, mas, por várias razões, sou frequentemente solicitado a comentar sobre Exopolítica.

Por exemplo, falei em cada uma das X-Conferências de Steven Bassett. INa verdade, acho que sou a única pessoa que falou em todos elas; atendi e falei em todos os eventos do Clube Nacional de Imprensa que houveram. Então, isso é coisa de um evento Exopolítico e isso me colocar dentro de toda essa discussão.

Então, tenho alguns pensamentos sobre Exopolítica, que acho que são meus e gostaria de os compartilhar com vocês hoje. E gostaria de completá-los, continuando ao longo destas linhas, com meus próprios pensamentos sobre para onde nos dirigimos, como sociedade, como uma civilização - na verdade, como uma espécie. Acho que tudo isso funciona muito bem em conjunto. Então, estamos um pouco atrasados e vou seguir em frente.

Meu novo livro tem como subtítulo The Cover-up Exposed (O Segredo Exposto). Levei cerca de cinco anos para escrever este livro. Na verdade, é impossível para mim saber porque o meu primeiro volume passou por duas edições. A segunda edição saiu em 2002 e as pessoas - na época era novo no ramo - e as pessoas diziam: Ah, esse é um livro muito bom. Cadê o resto da história?
[risos]

E pensei: Sim, tenho que fazer isso, não tenho? Mas então escrevi muitos artigos e fiz várias falas públicas locais e assim por diante; estimo ter gasto cerca de cinco anos contínuos de trabalho nesse determinado volume.


Isso exigiu muito de mim de muitas maneiras, para ser absolutamente sincero com vocês. Foi um livro difícil de fazer, mais difícil do que o primeiro volume que escrevi. Tive sorte porque, depois que o primeiro livro foi lançado, muita gente saiu da toca e me ofereceram os recursos deles.

Tinha um amigo meu muito, muito querido, um senhor idoso que, quando faleceu, deixou-me a biblioteca inteira e imensa dele de quase - uns poucos 1.000 livros, sem contar com os numerosos periódicos. Uma coleção bibliotecária enorme, enorme, que realmente li, li do começo ao fim todos os periódicos.

Vocês têm que entender. Quando leio essas coisas, sou muito metódico, se vocês me conhecem. Então, quando leio um livro, não apenas o leio e digo: Ah, esse é um bom livro. Tenho as minhas notas e, geralmente, o meu processador de texto e tomo notas durante todo o tempo. Cada pequeno dado que acho que é interessante faço uma nota com a citação: página 77 desta edição do periódico, qualquer que seja. E assim vai, depois os coloco todos juntos em um enorme banco de dados.

Meu banco de dados de OVNI é igual, acho, a cerca de um livro de 3.000 ou 4.000 páginas e é daqui que realmente coloco todas as minhas narrativa juntas. Então vem, literalmente, de centenas e centenas de fontes diferentes que tratam da ufologia, mas também lidam com políticas, geopolíticas e para-políticas e tudo aquilo que vocês quiserem chamá-las, e todas as outras diversas coisas estranhas que tocam na minha fantasia e tudo vai para o meu banco de dados.

Então, quando chego ao ano, digamos, 1977, vou olhar para tudo daquele ano e tudo isso vem junto de uma maneira que, provavelmente, de outra forma, não teria pensado em fazer. Assim é como escrevo meus livros. Não é o que eles ensinam na escola, mas é como faço.

Este é um livro muito grande e gordo. Têm um pouco mais de 600 páginas. Coloquei muitas e muitas notas de rodapé e índices numéricos. Na verdade, a outra maneira de olhar para isto é como uma série com pouco mais de 200 seções específicas do tamanho de artigos que tentei tecer juntas. Cada subseção deste livro, penso, pode ser tomada de forma independente e lida como uma unidade. Assim, se vocês tiverem um interesse especial em uma única coisa, vocês podem abrir o livro e ler isso, mas todas as subseções funcionam juntas.

Se vocês estiverem interessados em mais informações sobre isso, vocês podem ir ao meu site que é
www.keyholepublishing.comapenas para olhar pelo buraco da fechadura, uma imagem que sempre gostei em relação a este tópico.

O que tentei fazer ao escrever todos os livros e todos os artigos que escrevi e todas as aparições em público que já fiz, é tentar fornecer um guia confiável para o nosso passado - o nosso passado recente, em particular.

É antigo o meu sentimento de que o nosso passado é um pouco desconhecido por nós, e se vamos continuar como uma sociedade responsável, temos que conhecer o nosso passado.

Grande parte do nosso passado existe na forma de documentos e arquivos oficiais do governo. Vocês podem não saber disso, mas na realidade, agora é amplamente reconhecido que a grande maioria dos documentos do governo dos E.U. jamais criados, permanecem completamente inacessível para vocês e para mim. Eles são classificados. Em outras palavras, uma grande - não um pouco, mas uma grande - a maior parte da nossa própria história, está fora dos limites para nós. Isto não é apenas OVNI. Isso é tudo.

Estamos em um estado muito, muito difícil e perigoso quando a grande maioria da nossa história documentável escrita não está disponível para a estudarmos. Há um problema muito sério com isso. Então, o que tentei fazer com o tema OVNI é o meu papel na recuperação da nossa história. Literalmente, é assim que o vejo. Não sei quão completa ela está, mas está tão completa quanto sou capaz de fazê-lo.

Com esse fim, usei a maior quantidade que me foi permitido dos documentos do governo, ou seja, os documentos originais que vocês não podem discutir: periódicos, periódicos de confiança ou, pelo menos na minha opinião, bons periódicos e isso inclui periódicos de organizações que investigam OVNIs e que fazem investigações no local, uma vasta gama de tais periódicos e vários livros, é claro.

E fiz um monte de entrevistas para este livro em particular. Realmente não sei quantas pessoas que entrevistei, talvez umas duas dúzias. Talvez 20 ou 30 pessoas diretamente envolvidas nos eventos que estão neste livro; ou me encontrava com a pessoa pessoalmente, ou entrevistava por telefone, ou trocava correspondência e recebia as estórias delas diretamente. E tudo isso, mais uma vez, tentava tecer junto, para ter um relato tão confiável quanto pudesse.

Quero ressaltar que tudo neste livro, com algumas exceções muito específicas, são dados verificáveis. Agora, existem algumas exceções.

Qualquer pesquisador, como tenho certeza que vocês entenderão, que esteve neste ramo o tempo suficiente, vai ter pessoas que vêm até eles e dizem: Tenho essa parte da informação que gostaria de compartilhar com você. Aqui está ela, mas você tem que prometer que você não pode dar a minha identidade. Tenho uma posição sensível, etc, etc. E isso acontece, é a vida. É lamentável que tenha que ser assim, mas é assim.

Agora, toda vez que um pesquisador recebe essa informação e, em seguida, repete, mantendo o anonimato da fonte, é claro, é uma situação difícil, porque coloca você, o receptor da informação, em uma posição desigual. Isso é algo que nunca, jamais acredito em fazer.

Minha atitude como escritor e como comunicador é que falemos de igual para igual, de modo que qualquer coisa que sei, vocês devem ser capazes de conhecer tambem. Assim é que deveria ser. Assim é como uma boa história, assim é como uma boa ciência são feitas, assim tento ir com calma com isso.

Fico angustiado algumas vezes, com alguns pesquisadores nesta área, e realmente não vou citar nomes. Não estou interessado em fazer isso hoje, mas há pessoas que realmente fazem isso em excesso, na minha opinião

Talvez eles sintam que não têm escolha; eles sintam que têm que dar a informação para o público. Mas o problema é que quando vocês fizem isso, vocês não estão, necessariamente, ajudando no discurso público sobre esta matéria. O que vocês estão fazendo, em vez disso, é criar muita incerteza sobre o assunto.


Então, estamos em uma posição difícil. Temos o que sentimos que são certas verdades e realidades que queremos comunicar com o resto do mundo, que consideramos que estão no escuro e adormecidos. Acho que isso é verdade.

Mas temos de estar conscientes com quem estamos falando quando nos envolvemos nesse tipo de conversa. Temos que ser tão responsáveis sobre isto quanto sejamos capazes de ser e não colocar indevidamente a confiança do público no que temos a dizer, mas sim, como venho dizendo, o público deve ser capaz de, a qualquer hora, analisar e verificar as coisas que dizemos.
Ok, disse o suficiente sobre isso.

Este livro realmente contem, a meu ver, três grandes temas que tentei elaborar juntos. O primeiro tema é o que poderíamos chamar de encontros, algo de um conto enciclopédico destes especiais 18 anos da história dos OVNIs.

Então, se vocês tivessem um interesse no caso de Travis Walton, vocês poderiam ler sobre isso em meu livro e minha esperança é que vocês leriam, aproximadamente, o melhor, mais conciso, mais completo e grande conto dele - acho que gastei cerca de 10 páginas com Travis Walton - isso vocês encontraria em qualquer lugar; ou o Vale Hudson nas ondas de avistamentos de OVNIs dos anos oitenta, idem; ou o caso Hessdalen na Noruega; ou o fenômeno Bob Lazar no final dos anos 80, ou qualquer outra coisa que aconteceu nesse período de tempo.

Meu objetivo era que vocês poderiam usar este livro como uma referência e um guia confiável e saber o que vocês precisavam saber, aprender o que você precisavam aprender. Então, esse foi o primeiro e isso é muito do livro.

O segundo tema importante, contudo, acho que seria a política. Obviamente, há política para isso. Então, o que tentei fazer, novamente, foi conhecer e analisar os documentos primários dos militares e da inteligência que descrevem isto - não apenas os dos Estados Unidos, aliás, mas tentando obter a posição dos órgãos responsáveis de qualquer e de todas as nações que se encontraram com isto.

A União Soviética figura largamente neste livro, tal como, em certa medida, até mesmo a China, as nações européias, muito definitivamente, e também outros países: Austrália, África e o Oriente Médio. Eles estão todos aqui.

E na medida do possível, tentei elaborar a aceitação deles nisto e a atitude deles aqui - a atitude de vários presidentes, de todos os presidentes; política presidencial que é relevante  para o fenômeno OVNI. O homem no centro, é claro, é David Rockefeller.
[referindo-se ao slide mostrado] Ele está no livro. Vou chegar nisso daqui a pouco, em apenas alguns minutos.

O terceiro tema principal ou vertente deste livro seria a pesquisa. Em um sentido, este livro é uma história da ufologia, que é uma história fascinante. Na verdade, de todas as coisas que pesquisei ao fazer este livro, houve momentos em que senti que isso para mim, pessoalmente, foi o mais interessante.

De volta aos velhos dias, quando estava no final da minha adolescência e início dos 20s, estava estudando a história e a literatura inglesas. Essas eram as minhas duas principais. Meu foco na história, naquela época, era o que se chama história intelectual. É um tipo como a história das idéias.

Sempre estive interessado nisso e realmente me ocorreu de escrever este volume em que a história da Ufologia é uma parte da história intelectual, sem dúvida, e esta é uma história que sinto, ao rever a literatura, que realmente não foi feita de uma forma sintetizada e coerente.

Penso que este livro é na verdade uma primeira história verdadeira da Ufologia. Vamos chegar a esse ponto novamente em um momento.

Há um pano de fundo envolvido neste livro e é de uma transformação global. Vocês têm, por exemplo, a transformação geopolítica, o rompimento da União Soviética em 1991, no final deste volume. Vocês têm o nascimento dos computadores pessoais e até da Internet antes do final deste período particular. E vocês têm todas - tentei olhar para o que poderíamos chamar de tecnologias de ponta avançadas, abertas ou dissimuladas. A imagem no topo
[referindo-se ao slide mostrado] é o famoso VPA - Veículo de Propulsão Alienígena.

Acho que vi Gordon Novel aqui na platéia, Gordon, Olá, se você está lá.

Assim, em outras palavras, existem coisas maiores no mundo, em geral, que afetam esta estória e, mais uma vez, tentei por tanta atenção nelas quanto pude. Então, só queria me expandir um pouco sobre cada um desses três temas e, em seguida, passar para a próxima parte desta conversa.

Os encontros: A única coisa que me irrita quando revi os processos envolvidos, os encontros  com OVNIs que aconteceram, sãoquantitativos e bem documentado, apenas surpreendente, encontros alucinantes que aconteceram - abundantes casos militares, centenas e centenas deles.

Tive a sorte de obter acesso a uma base de dados fornecida a mim pelo pesquisador e ex-funcionário da Aerojet, Ron Regehr. Ron trabalhou em... ele estava envolvido na construção do que foi chamado de satélite PAD. Que eram os satélite do Programa de Apoio da Defesa (PAD). Uma espécie muito interessante de satélites em que Ron argumentou, acho que com muita convicção, que são projetados perfeitamente para serem dispositivos de identificação de OVNIs.

De qualquer modo, Ron foi capaz - por acaso, mas legalmente - de obter uma lista das faixas do PAD dos Caminhantes Rápidos durante este período de tempo; em outras palavras, Caminhantes Rápidos são as palavras de código para OVNI na atmosfera superior, no espaço.


Houveram... Estou tentando lembrar... de 1973 a 1991 cerca de 283, acho que está certo, as trajetórias dos Caminhantes Rápidos trackings pelos satélites PAD, nesse período de tempo. É como um ou mais por mês, 15 por ano, acredito. Algumas delas foram realmente interessantes, uma em que um objeto veio do espaço e fez uma inversão de direção nas proximidades de um dos satélites.

Houve também uma trajetória de um OVNI no PAD durante uma interceptação espetacular dos caças iranianos em 1976. Muitas pessoas estão familiarizadas com isso e, novamente, cobri isto longamente em meu livro.

Para encurtar a história, em setembro de 1976, sobre a cidade de Teerã - e, claro, isso volta aos dias em que o Xá do Irã era um aliado dos Estados Unidos - um grande número de cidadãos de Teerã viram esse objeto muito estranho no céu à noite. Eles chamaram o aeroporto local.

O controlador de tráfego aéreo primeiro pensou que era bobagem, depois ele saiu e olhou para o céu
[risos] e viu exatamente o que as pessoas estavam relatando e ele chamou a Força Aérea iraniana. Eles enviaram dois jatos F-4 interceptadores em sucessão, e sabemos tudo sobre isso, porque - sabemos muito sobre isso, porque - temos um memorando muito extenso da agência de inteligência da defesa descrevendo isto em detalhes fascinantes.

O que aconteceu é que em cada caso dos encontros dos F-4, quando chegaram a uma faixa de 25 milhas náuticas (46 km) do objeto - que eles controlavam por radar aerotransportado, que viam visualmente, o que surpreendeu os pilotos, cada um deles - quando chegaram dentro das 25 milhas náuticas, o principal sistema eletrônico deles foi desligado. Em um caso, apenas antes de um dos pilotos estarem prestes a disparar um míssil contra aquele objeto. Aquilo desativou o sistema de mísseis.

Acontece que temos dados da trajetória de um Caminhantes Rápidos caminhante rápido no PAD exatamente naquele local, naquele momento - uma confirmação, na verdade, bastante interessante.

Voltando a quantidade desses encontros, o que vemos é apenas uma quantidade enorme de eventos inexplicáveis acontecendo que qualquer pesquisador responsável teria que investigar. Esqueça a questão, inicialmente, dos alienígenas.

A maior frustração que tenho quando falo com os céticos sobre isso é que eles dão um salto de dez passos à frente da argumentação e eles dizem algo como: Bem, isso é impossível porque é impossível para os alienígenas virem aqui de outro planeta. Você não sabe nada sobre astrofísica, ou as viagens espaciais, ou a impossibilidade...

Bem, tudo bem. Não posso discutir isso e sei bem como a outra pessoa, que não temos um caminho, nós mesmos, de chegar à estrela mais próxima, não oficialmente.

Mas, no entanto, a verdadeira questão está em olhar para esses relatos de OVNI e, em seguida, tentar dar sentido a eles. Claro, é fácil apenas dizer que é impossível, mas a pergunta é: O que fazer com os relatórios? O que a maioria das pessoas faz é ignorá-los, é claro. Essa é a coisa mais fácil.

Uma série de outros desenvolvimentos muito interessantes durante esses anos... Abduções: realmente escrevi um pouco sobre esse fenômeno, e de novo, vou voltar a ele em breve.

O fenômeno da mutilação: Será que está ou não relacionado com o fenómeno OVNI? Acho que está. Os círculos nas colheitas, idem. Acho que há uma relação aqui e tudo isto tentei tratar tão bem quanto pude.

Então, concluindo provisoriamente, em relação a linha de discussão neste livro, há uma série de conclusões que podemos fazer. Vamos o manter simples: Há uma evidência esmagadora da realidade OVNI.

Para mim, se tivesse a oportunidade de falar com alguém na NBC (televisão) ou alguma grande rede da mídia, esta é a mensagem que acho que gostaria de enfatizar - que vamos dar um passo de cada vez aqui, e as evidências são esmagadoras. Este foi o meu primeiro objetivo inicial ao fazer este livro, foi estabelecer que a prova lá fora é tão convincente quanto poderia ser.

A política: vou expandir um pouco isso. Deixe-me apenas dar um salto, colocar tudo isso lá fora, e podemos conversar sobre elas. Existem muitos temas do meu livro que lidam com o que poderíamos chamar a política dos OVNIs. Cada uma das administrações presidenciais, com quem tentei lidar, lidei com eles.

1973: Tinhamos ainda Richard Nixon na Casa Branca. Há OVNI muito bom com Nixon - há uma história excelente de OVNI com Nixon. Essa é a estória de Nixon/Jackie Gleason que está no meu livro.

Jimmy Carter e tudo... oh, saltando Gerald Ford através Carter, através dos anos Reagan e Bush - verifica-se que cada um dos presidentes tem algumas ligações fascinantes com a história dos OVNIs. Então esse é um aspecto disso.

Em seguida, os documentos confirmados da comunidade da inteligência/militar, também, participam muito desse livro. Uma coisa que fica muito clara ao se olhar para a massa desses dados não é simplesmente que o fenômeno é real, mas que eles estavam muito, muito preocupados com este fenómeno.
[risos]

Faz muito sentido quando vocês são responsável pela gestão da segurança em uma base da Força Aérea e um objeto que vocês não conseguem identificar se aproxima da sua base, fazendo coisas que não deveriam ser possíveis.

Por exemplo, na onda de violações do espaço aéreo, em 1975, ao longo da fronteira norte dos E.U. para o Canadá, sobre muitas das bases do Comando Aéreo Estratégico, provocando níveis máximos de alertas, sirenes, luzes piscando e tudo isso, com objetos que pairavam a 152 metros das instalações de armazenamento de armas.

Sim, isso aconteceu e aconteceu várias vezes durante um breve período no final de 1975. E temos certeza de que isto excitou a preocupação dos órgãos responsáveis. Aprendemos sobre isso porque estávamos em uma fase muito especial na história americana no final dos anos 70, que foi quando o Decreto de Liberdade da Informação (DLI) foi realmente de uma certa forma, de alguma forma, útil.

Voltando aqueles dias - isso foi nos primeiros anos Carter - Jimmy Carter teve uma atitude muito liberal sobre DLI e promoveu uma quantidade relativa de abertura em relação a estes documentos do governo.

Ainda há muita coisa que nunca foi liberada e, na verdade, de todos os documentos do Decreto de Liberdade de Informação que temos, quase nenhum deles eram do nível de Altamente Secreto ou acima. Os melhores que temos são classificados como secretos e abaixo. Há um par de documentos que temos que eram Altamente Secreto e todos foram extirpados, enegrecidos ou branqueados, assim vocês realmente não podem ler o que está neles.

Mas, no entanto, um monte de boas informações saíram e durante esse período, aprendemos sobre estas violações do espaço aéreo em meados dos anos 70.

Durante o final dos anos 70, início dos anos 80, há provas contundentes que mostram que os grupos de inteligência se infiltraram nas organizações de pesquisa de OVNI. Eles claramente fizeram isso antes, também, mas meu argumento neste livro é que por volta de 1979, 1980, há um esforço ativo dessas agências, uma vez mais, para se infiltrarem no ramo e atirarem lama, tornando, essencialmente, muito mais difícil para nós, sabermos qual é a direção para acima e qual é a para baixo.

Mas há mais do que isso. Uma das coisas que trouxe a este volume que realmente não tem muito no meu primeiro livro, porque não acho que estava lá mentalmente há dez anos, é o que agora chamaria as maiores realidades geopolíticas.

Esqueça os OVNIs por um momento. Acho que a maioria das pessoas agora oodem reconhecer que o presidente dos Estados Unidos provavelmente não é o cara no comando do país. Certo. Portanto, todos sabemos disso. Então a pergunta é: Bem, quem ou o que é? E essa é a questão mais difícil, por vezes, de se responder.

Certamente esta não é uma questão que vejo ser levantada nas salas padrão da academia. Não vejo ser levantada nos departamentos de ciência política ou departamentos de história de todo o país ou além. Acho que eles ainda estão presos em uma mentalidade muito mais convencional.

Mas o fato é, o que tento fazer é analisar cada uma das presidências e as relações delas com as organizações de elite - o famigerado grupo Bilderberg, CRE (Conselho das Relações Esteriores), Trilateral e assim por diante. Existe uma relação? Bem, a resposta é absolutamente,100% sim. Absolutamente, sim. Não talvez, mas sim – e isso é importante.

O fazedor de reis dos Estados Unidos na metade do século passado, certamente, foi David Rockefeller. Vocês  não podem chegar à presidência até que ele diga que vocês serão o presidente. Gerald Ford foi cinco vezes participante do Bilderberg nos anos sessenta. Ele não apareceu do nada para se tornar o primeiro presidente não eleito da história dos Estados Unidos.

Jimmy Carter é, provavelmente a maioria das pessoas nesta sala sabem, foi alçado quase diretamente por David Rockefeller e Zbigniew Brzezinski e posto na Casa Branca. Isso é realmente o caso.
[risos] Quer dizer, Jimmy Carter foi entrevistado por eles antes que ele obtivesse a nomeação democrata. Eles ficaram impressionados com ele, disseram: Sim, você vai ser o nosso homem.

Brzezinski, naturalmente, se tornou seu conselheiro de Segurança Nacional e ele é agora, naturalmente, um dos principais assessores e homens-chaves de Barack Obama. Algumas coisas nunca mudam.

A influência da Comissão Trilateral na administração Carter, foi realmente muito comentada na época e em 1980 o candidato presidencial Ronald Reagan fez muitos pontos políticos com este fato.

Ronald Reagan, em 1980, soava um pouco como Ron Paul fez no ano passado, acreditem ou não - ele realmente fez. Ronald Reagan, em 1980, fez campanha contra as elites, fez campanha contra o Conselho de Relações Exteriores, uma campanha contra George Herbert Walker Bush e sobre isso, de fato, ele disse: Aquele homem nunca será parte da minha administração.

Bem, acontece que o gerente de campanha de Ronald Reagan foi um William Casey, um homem chave importante no CRE e um amigo próximo do Rockefeller e tudo isso mudou, obviamente, quando Ronald Reagan selecionou Bush como seu companheiro de chapa, causando um número de apoiantes de Reagan de longo tempo, na verdade, saíssem do palco do candidato republicano.

Um mês ou dois depois, em setembro de 1980, Ronald Reagan teve uma festa de pré-vitória na campanha, setembro de 80, e sentado à sua direita estava David Rockefeller, o próprio. Então, isso é como tudo funciona.

Tenho algumas considerações, que faço sobre a tentativa de assassinato de Ronald Reagan por John Hinckley Jr., filho do John Hinckley Senior, que era um amigo muito próximo de George Herbert Walker Bush - um amigo muito próximo.

O irmão mais velho de Hinckley, Scott Hinckley, naquela noite, na noite do atentado, iria jantar com Neil Bush, filho do vice-presidente - muito interessante, na verdade, uma confluência que os grandes meios de comunicação realmente não se aprofundaram absolutamente.

Certo. Avançando, então, para outros temas... Bem, antes de deixar isto, então, vou apenas dizer que a Presidência dos Estados Unidos, como defendo, que o Presidente dos E.U., deixe-me colocar desta forma, é essencialmente um representante de vendas e o trabalho dele é nos vender, realmente, duas coisas nestes dias.

A primeira coisa que ele tem que vender é a globalização, que é uma pílula amarga para muitos americanos de engolir, então ele tem que ser bom nisso.

E, então, a outra pílula que ele tem que fazer vocês engolirem é qualquer que seja a nova guerra que venha no futuro e eles fazem isso em nome dos grupos financeiros internacionais.


Uma outra coisa que vou falar, antes de passar adiante é que fiz uma breve, mas acho que concisa, análise da Guerra do Golfo. Não é um evento OVNI em si, mas é importante. É importante para todos nós, para nos lembrarmos que temos de tirar o véu e ver a nossa estrutura de poder pelo que ela é, e a razão é que, se estamos interessados no que chamamos de divulgação e abertura de nosso governo, então precisamos saber exatamente o que o governo é.

Não podemos ir através de nossas vidas reprisando a nossa classe do quinto ano da versão cívica do governo em nossa mente. Vocês sabem que a versão: Vocês votam para o membro do Congresso de vocês - tudo isso estava na Escola de Rock, se vocês passaram por isso - o membro do Congresso de vocês e, em seguida, como um projeto de lei se torna uma lei e o controle entre os poderes políticos, não vamos esquecer isso, e assim por diante.

Isso realmente não é mais o nosso mundo. Estamos em um mundo diferente e precisamos compreender a verdadeira estrutura de poder que existe nele. Então, essa é uma parte importante do que fiz neste livro.

O outro aspecto, vamos chamá-lo livremente sub política, seriam as considerações tecnológicas. Mais uma vez, uma pergunta para a qual não tenho uma resposta cabal para isso: as nossas questões versus as deles, então se vocês vêem um OVNI - quem fez ele? Será que fizemos ele? Será que eles fizeram ele?

É sempre uma questão difícil de resolver, pelo menos na minha opinião. Tento olhar para isso, entendendo qual era o estado das nossas conquistas tecnológicas oficiais em certos períodos da história do presente? Quais foram os possíveis estados de conquista no mundo negro
[isto é, operações negras], no mundo secreto, ao tentar unir estas peças em conjunto.

A matéria orçamental Negra e a privatização dos segredos também figuram em meu livro. Qual é o orçamento negro? Bem, creio que todos sabemos. No entanto, não é apenas a despesa federal classificada/negra.

Acho que há muito mais que vai para o que chamamos de orçamento negro. Acho que há uma grande parte do que todos chamam dedinheiro ilegal entrando no orçamento negro, no que chamaríamos de Programas Especiais de Acesso ou Programas Especiais de Acesso Renunciados ou Programas de Acesso Especial Não Reconhecidos. Há realmente uma série de nomes de outros programas que encontrei na minha pesquisa.

Eles têm pouco ou nenhuma - vamos dizer nenhuma - fiscalização do Congresso. Eles têm pouca ou nenhuma supervisão, às vezes, por suas próprias agências, seja a Marinha, Exército ou Força Aérea, ou qualquer um dos grupos de inteligência. Quem sabe quem controla algumas dessas coisas?

Parece que há um monte de dinheiro ilegal que atravessa, se isso é narco-tráfico de dólares ou títulos de fraude, fraude no mercado de ações, vocês sabem, que atravessa o nosso governo como o sangue nas veias de vocês.

E por privatização dos segredos, o que quero dizer é... novamente, esqueça os OVNIs por hora, acho que não é difícil para todos nós vermos como as agências do governo - e isso não é simplesmente nos E.U. - tornaram-se completamente dominadas pelo dinheiro privado. Acho que podemos ver isso. E assim, também é o caso com os segredos dos OVNIs.

Uma das conclusões que tiro - e algo disso, não tudo, vem de um par de fontes que, infelizmente, apenas não tenho a liberdade de dizer quem são essas pessoas - mas tenho informações que acho que são válidas. Indica uma natureza de fuga extensiva dos segredos dos OVNIs para as mãos privadas, semi-públicas, mas muitas vezes para os grupos de interesse muito particular.

Certamente, quando vocês olham para o Programa Especial de Acesso - todo esse mundo - os poucos estudos que foram feitos sobre ele não indicam que os empreiteiros privados sejam os parceiros dominantes, ao invés do pessoal do DOD (Departamento de Defesa dos E.U.), que funcionam por sua vez, principalmente como os porteiros do dinheiro, para o fazer fluir nos programas. Mas as decisões reais são geridas pela Boeing ou a Lockheed ou SAIC ou Raytheon ou quem está executando os programas, eles são os dominantes.

E isso faz sentido, porque - Pense nisso: Se você é um General de quatro estrelas do Pentágono; quando se aposentar, quem vai contratar você? Bem, essas empresas irão, com um trabalho agradável e confortável, fazendo um monte de dinheiro e toda esta contrataçãoestá acontecendo.

Também é muito mais fácil manter os segredos quando vocês os privatizam, porque a informação não se torna classificada - se torna propriedade, que é uma maneira muito, muito melhor de manter esta informação fora do alcance público e torna-se rentável, é claro.

Se vocês assumirem, como faço, como vim a acreditar, que muito disto envolve a recuperação de tecnologias adquiridas, tecnologias exóticas não fabricadas pelas mãos humanas, dessa forma, vocês têm este pequeno artefato que vocês têm que estudar e vocês não podem ser capazes de duplicá-lo imediatamente, mas, talvez, depois de dez anos vocês vêm com algumas idéias muito bacana do que vocês podem fazer e vocês têm um grande fazedor de dinheiro lá.

Então, realmente, o incentivo para desistir dos segredos se torna cada vez menor e menor ao longo dos anos. Assim, naturalmente torna-se privado. Claro que sim.

Assim, a conclusão óbvia - esta é a conclusão a nível de jardim de infância das partes da política - é que há um segredo internacional ativo no núcleo do fenômeno OVNI. Há, obviamente, muito mais que tentei dizer sobre isso. Mas, novamente, se há um única mensagem para se levar, teria de ser essa: É um fenômeno real e sim, Virgínia, há um encobrimento.

A pesquisa... Vou falar um pouco mais nisso. Como digo, é uma história da ufologia, um pedaço fascinante da história. Em certo sentido, pode-se dizer que é uma parte da história  da história do desenvolvimento da consciência humana.

Pense desta forma: Tivemos esse fenômeno que tem nos observado por quem sabe quanto tempo, né? E é, realmente, durante, creio, os anos setenta e oitenta, quando os pesquisadores, de um modo sofisticado, tentaram entender quem eram esses outros seres. É a nossa tentativa de, num certo sentido, virar a mesa e compreender quem eles eram.

Claro, havia pesquisadores nos anos cinqüenta e sessenta. Realmente não acho que os pesquisadores nos anos cinqüenta e sessenta foram capazes de perguntar os tipos de questões que surgiram nos anos setenta.

Algo de uma revolução intelectual na pesquisa ufológica ocorreu durante estes anos. Um monte de novas questões surgiu que não existia antes. Todo o conceito de recuperação de acidente tornou-se grande, houve muita resistência a ele. É uma estória, mais uma vez, que documento, a estória daquelas pessoas que tentaram trazer este assunto à tona e aquelas que disseram: Não, isso é um monte de besteiras.

Foi uma questão muito discutida - ainda é, em menor grau. Nos anos setenta e oitenta, era um grande problema; as pessoas ficaram muito chateadas com isso e, provavelmente mais ainda, com o tema das abduções.

Sim, se sabia da existência de casos isolados prováveis o que parecia ser raptos por alienígenas. Todos sabiam sobre o caso de Barney e Betty Hill de 1961 e alguns outros. Mas, a idéia na época era: Bem, não esteja no lugar errado na hora errada, porque se eles te virem, eles podem simplesmente levá-lo.

O que aconteceu durante os anos oitenta foi um entendimento completamente diferente daquele fenômeno. Pessoas como Budd Hopkins, o principal dentre outros, argumentou: Não, não, isso não é assim de jeito nenhum. Esse fenômeno parece estar muito difundido, com base em minhas investigações, e parece mesmo funcionar nas famílias. As pessoas estão experimentando várias vezes este fenómeno.

Em outras palavras, olhando para isso de uma forma que, mais uma vez, reuniu uma enorme quantidade de resistência na época.

A controvérsia da mutilação, realmente, se ergueu de uma forma significativa durante este período. Novamente, houve alguns casos de 'mutilação' nos anos sessenta, mas não tiveram muita atenção, até os meados dos anos 70 e eles continuaram. Casos de mutilação são perturbadores e fascinantes.

Os círculos na Plantação, não são tão preocupantes, mas são igualmente fascinantes, surgiram como um tema importante durante este período de tempo.

A outra coisa a dizer sobre a pesquisa é o efeito da Internet sobre a pesquisa. Todos sabemos como a Internet mudou o mundo e, certamente, tem mudado. Ela também mudou a ufologia. O que ela realmente fez foi - a começar por volta de 1987 - ela apenas causou a explosão da ufologia. Isso foi basicamente o que aconteceu.

Antes de 1987, se vocês fossem pesquisadores interessado nesse tema, os espaços para expressarem as idéias de vocês eram, basicamente, muito limitados. Houve alguns periódicos que estavam lá fora, com uma distribuição limitada. Vocês podiam tentar criar o próprio jornal de vocês, o que algumas pessoas fizeram, e ter uma distribuição ainda mais limitada. Todos os jornais tinham suas próprias políticas editoriais de apresentação, é claro. Vocês tinham que ter cuidado com o que vocês escreviam. E isso era tudo.

A partir de 1986 e 1987, obtivemos os primórdios do que hoje chamaríamos a Internet. Naquela época não havia a World Wide Web (Rede de Extensão Mundial), mas haviam grupos de discussão/notícias, boletins e, de fato, o primeiro boletim não programado em computador foi dedicado aos OVNIs.

O tema OVNI é um dos pioneiros da Internet, e em 1987, permitiu que as pessoas neste campo publicassem as idéias delas sem se preocuparem com quem estava indo editá-los - apenas o colocavam lá. E, de repente, eles foram ganhando mais leitores do que aqueles que tinham apresentado os seus artigos para a revista MUFON UFO.

De repente, a velha guarda da ufologia perdeu o controle sobre este domínio. Vocês poderiam dizer que é uma coisa boa, vocês poderiam dizer que é uma coisa ruim, mas foi o que aconteceu, para melhor ou para pior, de facto, porque depois disso, uma avalanche de informações, então, apareceu. E, novamente, uma história fascinante.

Então, essa é a história da pesquisa. E as conclusões do livro, vamos dizer, a grosso modo: O fenômeno é inegável, o encobrimento é inegável.

Há uma natureza de confronto a este fenómeno. Há muitas delas. Militares ao redor do mundo têm perseguido essas coisas, não apenas os militares americanos. Agora, isso não significa que somos os maus, ou que somos os bons - isso é uma questão diferente. O que significa, porém, é que há algum problema no paraíso. Alguém não está se entendendo com outro alguém - isso podemos dizer.

Abduções: Na minha avaliação disto, não há dúvida que há um fenómeno de abdução - e NÃO é, como foi alegado por algumas pessoas, a maioria, nomeadamente o Dr. Steven Greer - simplesmente um fenómeno militar. Na verdade acho que é irresponsável fazer este argumento. Há algo...
[aplausos] Sim, vocês podem bater palmas para isso. [os aplausos continuam]

Isso confunde a minha mente, para ser bem sincero aqui, que um pesquisador possa fazer tal declaração trivial. Vocês têm um fenômeno que está acontecendo em nível mundial por um longo tempo. Vocês têm pessoas que estão descrevendo coisas altamente consistentes em termos das experiências de abdução delas e não sei o que mais isso possa ser, exceto uma espécie de fervor religioso, que pode causar uma pessoa cegamente dizer que as abduções que ocorrem são apenas militares. Isso acho indefensável e acho que uma revisão cuidadosa das provas certamente leva a essa conclusão.

Uma outra conclusão que tiro deste livro é a natureza do orçamento negro furtivo e, em certo sentido, o que vim a chamar de umaCivilização Dissidente. O que quero dizer com isso? Deixe-me explicar.

No curso da história humana, tivemos várias civilizações coexistindo ao mesmo tempo. Volte milhares de anos, a civilização da China era muito diferente da civilização do Oriente Próximo ou da Europa ou da América do Norte ou da América do Sul.

Ao longo dos últimos milênios, é claro, essas civilizações têm, cada vez mais, vindo a se mesclar e interagir umas com as outras. Em certo sentido, a história de nossa civilização é a união dessas várias culturas e civilizações e ainda temos essa história de civilizações distintas que coexistem, de modo que, realmente não é um conceito novo.

Mesmo durante a Guerra Fria, certamente as infraestruturas científicas dos Estados Unidos e da União Soviética não compartilhavam as informações delas uma com a outra tanto assim, certo? Os soviéticos tinham essa crença nas teorias de um sujeito chamado Trofim Lysenko - teorias biológicas totalmente absurdas, mas os cientistas soviéticos mantiveram isso como uma parte do dogma do Estado através dos anos sessenta. Então, o que mostro aqui é que temos exemplos de infraestruturas científicas distintas.

O que sugiro neste livro é que o que chamamos o Mundo Negro – existindo como existe com, essencialmente, uma quantidade infinita de dinheiro para brincar com todas as intenções e propósitos e uma quantidade incrível de sigilo em que executam o que executam - realmente sem nenhuma supervisão do que aconteceria se depois, como é o caso inevitavelmente, um par de cientistas gênios brilhantes do Mundo Negro tropeçassem em uma nova realidade científica baseada nessas tecnologias que eles estão examinando. Eles até que vêm com algumas idéias realmente super elegantes.

Eles a compartilhariam com o resto de nós? Temos essa idéia de que existe uma tecnologia desmembrada envolvida, mas é necessariamente assim?

E o que acontece - como sempre é o caso na ciência, onde uma descoberta leva a outra, que leva ainda a uma outra - a próxima coisa, antes que vocês percebam, eles estão aqui em cima e o resto de nós estamos lá embaixo e essa lacuna pode de fato continuar a aumentar ao ponto onde eles têm a capacidade de fazer coisas que consideramos absolutamente impossíveis.

Eles seriam tão diferentes que, com justiça, podemos chamá-los de separados, ou o que chamo de Civilização Dissidente, com um entendimento completamente diferente de certos princípios científicos e, certamente, uma visão de mundo diferente, porque, muito provavelmente, como acredito, eles estão interagindo de forma muito mais próxima e pessoal com "eles"
[aponta para cima] do que nós, então eles têm um conjunto diferente de princípios pelos quais eles vivem suas vidas.

Vocês têm que se perguntar como, até mesmo, eles seriam capazes de falar com a gente facilmente sobre o que eles sabem? Assim como se fossemos viajantes do tempo indo para trás milhares de anos, como é que poderíamos falar com as pessoas de qualquer sociedade de milhares de anos atrás? Como seríamos capazes de dizer-lhes as coisas que sabemos? Pode ser difícil.

Acho que isso é algo que temos de considerar que já está acontecendo.

Vou fazer um pequeno vislumbre rápido em meu próximo livro, Volume 3, que provisoriamente denominei A Luta pela Divulgação, e vai cobrir o ano de 1992 até o presente.

Realmente, quase toda a minha pesquisa para isso está terminada. É uma das razões porque este livro levou tanto tempo, é que acabei fazendo pesquisas para os Volumes 2 e 3 de uma só vez, então, acho que vai levar muito menos tempo para fazer este terceiro livro.

Estas estão apenas, em cima da minha cabeça como idéias flutuantes aqui, meus pensamentos sobre a forma como este livro irá se compor. A revolução da Internet, obviamente... Não acho que isso precisa voltar a ser dito aqui. O que também aconteceu nos anos noventa foi uma explosão de relatos de avistamentos de OVNIs. Foi incrível.


Vá ao Centro Nacional de Relatos de OVNIs na web dirigido por Peter Davenport e vocês descobrirão que ele cataloga cerca de 5.000 avistamentos a cada ano. Agora, a maioria destes não é investigado de forma clara. Eles são o que vocês chamariam de relatórios de matérias primas, mas eles são bastante interessantes.

Eu, pessoalmente, investigei dois casos daquele banco de dados e voltei sentindo que esses dois eram legítimos. Não estou dizendo que todos estes casos são legítimos, mas acho que muitos deles provavelmente são.

O fato é que em nossa época, é cada vez mais fácil fazer esses relatos. Não há nenhum órgão oficial do governo em que se possa relatar isso; o que é um fracasso da nossa República, muito porque, francamente, se vocês encontram o que é a coisa mais incrível que vocês jamais viram em sua vida, poderia se pensar que deveria haver uma agência no governo de vocês que estaria encarregada de lidar com isso.

Isso é por quê o governo supostamente deva ser responsável por você, certo? E ainda assim, não há nenhum. Mas, ainda assim, há lugares na web e cada vez é mais fácil fazer esses relatos, por isso há uma quantidade enorme lá.

Houve a liberação não só de alguns documentos legítimos. Realmente, a idade gloriosa da liberdade de informação, penso, foi no final dos anos 70, mas o que tivemos desde então, são contínuas libertações de documentos oficiais, mas também a liberação de muitos documentos controvertidos. Estes são os chamados documentos do Majestic - vocês podem ler todas eles no site de Ryan e Bob Wood
[www.majesticdocuments.com].

Acho que um caso muito bom pode ser feito para a autenticidade de muitos desses documentos, porém, o ponto é que eles são contestados. O que isso significa é que eles são de proveniência desconhecida e, novamente, isso serve para turvar as águas deste ramo. Acho que é importante que continuemos a tentar fazer uma pesquisa sobre esses documentos para tentar autenticá-los ou não.

Houve uma série de iniciativas nos anos noventa e em nosso próprio século para a Divulgação. Vou lidar com a Iniciativa de Rockefeller, o Roswell GAO - General Accounting Office (Escritório de Contabilidade Geral) - completo fiasco do início dos anos 90, os anos do governo Clinton.

Os esforços do Dr. Steven Greer nos anos noventa que levaram à sua conferência de imprensa em 2001 são muito importantes; os esforços do meu amigo, Stephen Basset, acho que figura nesta equação; o caso de ficção científica de John Podesta um par de anos atrás - todos esses são importantes.

Em outras palavras, o que penso que estamos vendo é um maior aumento nas tentativas, agora, dos grupos de cidadãos públicos, pegarem esta questão e fazerem grandes declarações sobre a necessidade de acabar com o segredo - muito, muito maior do que aconteceu no passado, muito, muito mais.

Também há uma parte muito significativa - e esta conferência é, obviamente, um reflexo muito forte disso - é o crescimento do que poderíamos chamar de atitudes de alta consciência na comunidade ufológica. Nos anos oitenta e noventa, houve um pouco disso. Se vocês voltarem mais, aos cingüenta, certamente o que poderíamos chamar os contatados seria considerado uma espécie de "Nova Era" para tempo deles, sem dúvida.

Mas realmente, acho que essa é uma outra ordem de grandeza, o que estamos experimentando através da década de noventa. Acho que provavelmente está relacionado com uma maior comunicação através de avenidas como a Internet. Certamente, é uma parte importante do que está acontecendo, e isso é algo que tenho que lidar de forma adequada no meu livro.

A outra grande coisa, geopoliticamente, é a morte do Estado-nação, a Nova Ordem Mundial. Ok? Este é provavelmente o maior despercebido - pelo menos na mídia - caso de nossas vidas, pelo menos, geopoliticamente. Nações? Não sei mais o que uma nação é. Será que elas existem mesmo? Se grupos de pessoas estão vivendo com a mesma linguagem em uma área... é isso uma nação?

Quem é o soberano? Vocês são soberanos? Somos soberanos em nosso país? Bem, estamos na teoria e temos de continuar a lutar por isso. Na realidade, o mundo tornou-se algo muito diferente e isso tem que ser parte de qualquer estudo da realidade dos OVNIs nos últimos 20 anos, porque, novamente, temos de compreender a verdadeira natureza da estrutura de poder.

Uma nova Exopolítica; bem, talvez isso seja uma declaração excessivamente dramática. Olhe, a qualquer momento que falarmos sobre Exopolítica - isto é, a relação entre nós e eles - bem, essas são as duas variáveis nós e eles, e temos que ter uma compreensão clara de ambas as variáveis para sermos capazes de falar com inteligência sobre o que vamos chamar Exopolítica. Tem que ser feito.

Assim, através de tudo isto, também, é essencial - absolutamente essencial - que nos perguntemos: Como é que sabemos o que sabemos? Qual é a nossa fonte de dados? E a quem estamos dizendo isso?

O que quero dizer aqui é que se vamos falar de outras entidades da civilização galáctica, é melhor estarmos bem preparados com o que dizemos, um algo mais do que: peguei isto através de uma informação de visão remota ou por contacto directo com um ser alienígena.

Sinto muito. Isso não é suficiente. Pode ser suficiente para uma conversa privada com outros pesquisadores, se isso é o que vocês acreditam. Todo mundo tem direito a ter suas crenças, especulo o tempo todo. Mas, fazemos um desserviço a nós mesmos como uma comunidade quando vamos rápidos e soltos com esse tipo de coisa. Temos que ser mais disciplinados com a forma como falamos para o mundo.

Como seria se, quando vocês têm uma oportunidade de dizer no que estamos acreditando, para uma organização de mídia maior, damos apenas um fora com isso e pareceremos ridículos? Não estamos em uma posição onde, realmente, podemos nos dar ao luxo de fazer isso. Temos que ser mais cuidadoso.

Podemos especular, mas é preciso distinguir entre o que sabemos e o que acreditamos. Eles não são os mesmos. Não é difícil de fazer - isso significa apenas qualificar um pouco as declarações de alguém, ok? Não acho que isso é pedir demais.

Vamos olhar para nós um pouquinho, vamos entender quem somos. O que tivemos é uma situação em que estivemos recuperando tecnologias exóticas. Agora, há uma grande declaração feita por mim, garanto. É algo que acredito que cobri o suficientemente em meu livro. Tem havido um grande volume de informações sobre este assunto. Todo mundo sabe sobre o caso Roswell e tem havido muitos outros, francamente.

Estas tecnologias - esta é a minha hipótese aqui, ok? – têm de ser mantidas em segredo. Tinhamos uma Guerra Fria acontecendo naqueles dias - não podíamos deixar que os russos vissem o que tinhamos - que exigiam dotações orçamentais secretas, ou seja, a criação de um fundo negro.

O fenômeno OVNI é quase certamente o fator chave na criação do orçamento do mundo negro que temos hoje. Não a única, mas um dos principais motivadores, acho.

Privatização... Terei que correr com isso... conquistas tecnológicas fora de controle: Esta é a nossa infraestrutura secreta. Isso é parte de nós.

Ok. Quando a maioria de nós - estou excluindo a empresa presente aqui - mas acho que a maioria das pessoas passam por nossas vidas com a suposição de que temos as nossas fontes de informações, como a mídia, e isso inclui a televisão, assim como a Internet.


Temos um sistema político. Temos uma comunidade acadêmica em que há uma espécie de vai-e-vem de troca lá, tal que eles também são sensíveis a nós, em teoria. A mídia, naturalmente, nos dizem: Bem, eles dão ao público o que o público quer.

E o mundo acadêmico, é claro, é suposto que seja sensível ao valor inerente da verdade e há uma vai-e-vem lá. O sistema político é suposto que seja sensível a nós: Jogue os vagabundos para fora e assim por diante.

Como é mesmo? Bem, é assim que penso que as coisas realmente têm se formado. A seta vai em uma direção aqui.
[referindo-se a foto mostrada] Vai para você. E não é apenas a mídia, a política e os acadêmicos. Há um sistema corporativo implantado. Isso é algo que a análise Exopolitical não pega totalmente.

É ótimo falar sobre a transformação pessoal, mas vivemos em um mundo de corporações e não dão a mínima sobre a transformação pessoal. Eles estão orientados para o lucro e o valor para o acionista. Isso é tudo o que importa. Eles podem ser conduzidos para pessoas bonitas que realmente se importam com o mundo, mas se elas não estão aumentando o valor para o acionista, eles desaparem.

As empresas têm uma lei de ferro em que se deve aumentar o valor para o acionista. Essa é a razão de ser deles. Se eles não estão fazendo isso, então o CEO desapare, o que significa que eles devem se comportar de certas maneiras e naqueles caminhos certos, infelizmente, não são normalmente concebidos para aumentar a consciência mais elevada entre as pessoas. Eles são, pelo contrário, projetados para tirar dinheiro de sua conta bancária. Isso é o que eles fazem!

Esse é o nosso mundo e há uma grande interação entre os mundos maiores e há outros ramos que, provavelmente, poderia ter pensado se tivesse mais tempo.

Sob uma rubrica, porém, de uma elite – sim, há uma elite. Não sei mais do que chamá-los. Costumava chamá-los de Estado de Segurança Nacional. Bem, não são completamente nacionais.

Eles são um pouco mais do que isso, não são? Estado de Segurança Máxima Financial International... lançam o Estado de Divertimento.
[Comentário: A "elite" é a Soberania Supranacional de uma Elite Intelectual e de Banqueiros do Mundo; este termo foi cunhado por David Rockefeller, em 1991, quando ele agradeceu em um encontro dos participantes Bilderberg pelos esforços dedicado deles de ocultar e encobrir a verdade do que a elite realmente é.]

Se vocês olham para a América como uma sala de 100 pessoas, ok? E se há 100 dólares na sala - supondo que o dólar ainda esteja valendo algo enquanto supomos isso - um daqueles caras possuiria 40 a 45 desses dólares. Isso é América. Esse é o mundo real. E, então, outro cara teria outros 11 dólares e, assim, as últimas 80 pessoas não teriam realmente nada.

Então, essa é a sala que tem um sistema político, que tem uma mídia, tem todas essas coisas que a fazem funcionar. Não é difícil, realmente, descobrir quem vai ficar na melhor posição de manipular todas essas coisas para o próprio benefício. Obviamente, será o cara com os 40, 45 dólares

Esse é o nosso mundo. Não é complicado e ainda, naturalmente, nunca é analisado desta forma, em nossa mídia principal, justamente porque está possuída por aquele cara com os 45 dólares.
[risos] Então, temos que nos desenganar da noção de que temos um processo verdadeiramente aberto de qualquer maneira. Não temos. Não é.

E isso importa quando se fala da Divulgação de OVNIs, porque não importa, se vocês começarem a Divulgação do governo de vocês, qual é a natureza desse governo? Se ele é um sistema republicano
[ou seja, de República Constitucional], que é sensível a vocês, isso é uma coisa, mas se é um estado fascista proto-cripto-pós-moderno em vez disso?

Bem, adivinhem? Ele é! Não estamos em movimento em direção à democracia e, por falar nisso, como disse hoje mais cedo, não acho que a democracia é ruim. O que acho é que cidadãos desinformados de uma democracia é uma coisa muito, muito perigosa.

Será que estamos caminhando para um mundo de escravos e proprietários de escravos? Sim, estamos. Essa é a direção. Escape em seu próprio pequeno Privado Idaho (iate), onde você pode jogar seus jogos de vídeo e assistir televisão e relaxar. É muito mais divertido, francamente, do que lidar com todas as coisas que temos de lidar. Se a casa de vocês está pegando fogo, mas vocês estão tendo um sonho muito agradável quem quer acordar [risos] e lidar com a crise?

Em qual direção o nosso mundo está se movendo? Decodificamos o genoma humano. Estamos fazendo progressos incríveis agora no mundo da nanotecnologia, que será chamada computação quântica, inteligência artificial, a criação de uma super-raça? Talvez. Livrar-se de pessoas redundantes como nós? Existe essa palavra... vocês ouvem essa palavra muito nestes dias: redundante. Não é assustador? Me assusta. As pessoas não são redundante.

Então, estamos em uma distopia pós-moderna. Estamos esgotando nossos recursos - todos sabemos isso; ameaçando falhas em cascata no ecossistema global e não ter infraestrutura global. Existe um cenário de fim de jogo a ser discutido por aquelas pessoas que sabem? Eles estão planejando algo? Outras pessoas discutiram este assunto anteriormente. Vou deixar que vocês pensem nisso sozinhos.

Agora vamos olhar para eles. Quem são eles? Como podemos aprender sobre eles? Isto deve estar sempre na vanguarda do nosso pensamento.

Certo, podemos aprender um pouco sobre eles através da revisão de parte da literatura OVNI. Há muitos casos de pessoas que têm descrito... Quero dizer, aparentemente honestas, muitas, muitas pessoas comuns disseram: Sim, tive um encontro com um ser que... Não acho que eles eram humanos. Há muito disso e podemos aprender muito com isso.

Literatura de abdução, sim, também, mas vamos ter cuidado, e a única razão de dizer isso é porque quando as pessoas são tomadas, ou parecem ser tomadas, não é na melhor das circunstâncias e certamente parece haver muita manipulação acontecendo.

Experimentadores, visão remota, sim, mas temos que ter muito cuidado. Não vamos ser irresponsáveis. Vou ficar por aqui porque estou acabando.

Quem são eles? Aqui tem alguns fatores sobre eles: Eles operam por furto, pelo menos normalmente. Eles não parecem estar muito interessado em deixar-nos lidar com eles de uma forma aberta e pública. Acho, pessoalmente, que há mais de um grupo envolvido, com pautas diversas,  provavelmente.

De acordo com a abdução e outros tipos de pesquisa, elas são altamente telepáticas. Eles têm uma capacidade de manipular o pensamento humano, as emoções humanas, como o fazem, na verdade, muitas tecnologias militares secretas atuais.

Eles parecem ter algum domínio sobre o espaço-tempo. Eles não parecem ter os tipos de respostas emocionais que temos, pelo menos não na maior parte do tempo. Será que eles se parecem conosco? Acho que alguns sugeririam, bem, talvez eles se pareçam. Seria lógico, se fosse um alienígena aqui na Terra, se quisesse lidar com as espécies nativas, provavelmente realçaria ou manipularia meus próprios seres humanos nativos e os mandaria fazer trabalhos para mim.

De onde eles vêm? Eles são de outro planeta? Eles são de outro tempo? Eles são de outra dimensão? Não sei, não sei, não sei.

Eles são verdadeiros ou não? Ah! Ok. Novamente, vamos fingir que somos viajantes do tempo. Vocês voltam mil anos, vocês falam com a pessoa mais inteligente do mundo de mil anos atrás, vamos dizer, não sei, algum monge em um mosteiro que acontece de ser um gênio. Vocês sentam-se com a pessoa por um dia e tentam descrever o nosso mundo.

Quantas revoluções mentais aquela pessoa vai ser capaz de suportar antes de simplesmente dizer: Não posso acreditar nisso. Ok? Provavelmente, não muitas. Diga-lhes que a Terra gira em torno do sol, ou que existem estas pequenas coisas chamados vírus, ou, vocês sabem, todos os tipos de capacidades tecnológicas. Há apenas uma certa quantidade que uma pessoa pode manipular.

Se eles estão vindo aqui para lidar conosco, acho que é razoável assumir que eles não estão nos contando tudo.

Será que nos criaram? Será que eles nos manipulam? Fizeram realces em nós? Se assim for, eles nos vêem como o investimento deles? Será que eles nos vêem como a propriedade deles? Há quanto tempo isso vem acontecendo?

Há falácias envolvida aqui. Aqui está uma falácia: Se eles são tão tecnologicamente avançados, eles devem ter resolvido os principais problemas sociais, econômicos e políticos deles. Vocês ouvem muito isso. Ouço muito. Não aceito isso por nada.

Novamente, voltemos no tempo. Vamos dizer que todos voltamos, com nossos iPods, nossos celulares e talvez um par de laptops. Não importa onde vamos. Nos encontramos com algumas pessoas de mil anos atrás e eles olham para esse laptop e eles gostam: Oooh, cara, isso é bacana! Para vocês terem chegado a este nível, vocês devem ter resolvido todos os seus problemas sociais, económicos e políticos!
[risos]

E então, certo, olharíamos uns para os outros e diríamos: Bem, Ok, cuide-se. Ah, e vá com "calma", vocês sabem. O que quer que seja. [risos]

Ok? Eles também não podem ter. Na verdade, quando vocês pensam realmente sobre isso, se vocês olharem para as espécies que conhecemos na Terra, é apenas a maior espécie intelectual - nós - que temos a capacidade de ser sádicos, isso tortura. Talvez quanto mais alto vocês vão na escada, maior o intervalo do angelical ao verdadeiramente demoníaco? E, novamente, talvez esse seja o caso deles. Não sei.

Eles estão prontos para nos receber de braços abertos para o cosmos? Esta é uma declaração, admito... Isto é o que o Dr. Steven Greer, na verdade, literalmente, disse em Barcelona, alguns meses atrás. O assisti no pensamento YouTube: O q-u-e? esculpe-me. Penso diferente. Penso diferente.
[aplausos]

Há o Paradoxo da Divulgação aqui: É impossível, isso nunca pode acontecer, mas, é inevitável. .

Vamos falar sobre algumas das conseqüências da Divulgação. Estas são algumas, e certamente não a totalidade, das questões que uma Divulgação verdadeira teria que lidar: Por que os temos perseguido? Porque é que este confronto está acontecendo? Como você foi capaz de manter este segredo, Sr. Presidente? O que isso quer dizer sobre a estrutura do nosso segredo?

Oh, isso será muito divertido para se falar.

Sobre o que são todos esses programas secretos? Existe um programa espacial secreto? Isso talvez seja difícil para o presidente ou qualquer outro órgão competente discutir. YSim, estamos realmente indo para além do mundo, caros, e temos estado em Marte e na Lua por um número 'x' de anos.

Vocês sabem, muita gente poderia ficar um pouco chateada com isso, ter pago por um programa que eles não puderam ter conhecimento e poderiam ter querido algum controle sobre isso.

E então, lidar com quem esses outros seres são, pode não ser uma questão fácil compreender porquê, eles estão interessados em nós.

Haverá desafios - garanto a vocês - para as estruturas de poder neste mundo, políticamente, financeiramente, industrialmente; todos estes. Não vou ter tempo para passar por estes. Isto foi uma expansão do que estava dizendo.

Vou apenas fazer uma pausa aqui, no entanto: O interesse deles em nós. Por que eles estão interessados em nós? Bem, não é difícil para mim ver isto. Isso é fácil.

Cem anos atrás, tínhamos cavalos puxando carroças. Esse era o nosso mundo a cem anos atrás. Estamos agora na iminência de ter o computador de vocês sendo tão inteligente como vocês são. Isto é mais recente dos especialistas de IA (Inteligência Artificial). Em dez anos, dizem, o computador terá todo o poder computacional de um cérebro humano. Isso é um marco importante.

E, claro, uma vez que conseguirmos isso, eles vão superar isso. Vocês vão acordar e vocês vão falar com o computador de vocês. O computador se parecerá com uma pessoa, exceto, bem, ele vai ser um pouco mais esperto do que nós, vocês sabem? Farão cálculos com um quatrilhão de números por segundo ou retirarão os dados fora da Internet assim
[estala os dedos], então... um assistente pessoal realmente bom.

Vamos esperar que não empurrem um Exterminador (do Futuro), ou Matriz, ou um I, Robot (Eu, Robô) em nós.

spécies inteligentes que estão olhando para isto devem ser capazes de saber isso. Eles devem ser capazes de saber que estamos prestes a pular em seu mundo. Temos estado realmente no mundo deles o tempo todo, só estavamos adormecidos. Agora, é hora de acordar.

Muitos, muitos, muitos problemas de Divulgação - Onde você quer começar? Como desfazer uma mentira desse tamanho sem irritar tantas pessoas, sem ameaçar o seu próprio estado?

Pense um pouco no passado, mais de duas décadas atrás, Gorbachev e a glasnost dele que seis anos depois acabou com a União Soviética. A espiral da reforma tornou-se muito forte. Ela apenas saiu do controle dele. Vocês começam a falar de abertura e, de repente, os Estados bálticos dizem: Ótimo, não quero mais estar no país de vocês. Lembram-se como vocês nos tomaram em 1940? Ah sim, isso. Certo. Estamos fora. Ok.

Então, o que aconteceria depois de mais de 60 anos do segredo dos OVINs? Haveria uma espiral fora de controle? Pode começar muito gerenciável, pode não acabar dessa maneira. Haveriam vigilantes? Vamos pegar os alienígenas. Você é um alienígena.

E se temos a energia livre? Todo mundo fala sobre a energia livre, como ela vai ser a melhor coisa. E se não for? Costumávamos ter energia livre - era chamado de petróleo. O petróleo, quero dizer, para todos os efeitos, foi livre por um longo tempo e fizemos coisas com o petróleo que realmente não foram completamente reconfortantes para a Terra.

Agora, é verdade que com energia livre, poderemos não ter que destruir todo o ecossistema global. Vocês podem ser capazes de aquecer a casa de vocês para sempre de graça, acho. Vocês podem ser capazes, também, de fazer uma bomba realmente limpa e explodir o Oceano Pacífico com essa mesma fonte de energia, se não for bem controlada. Não sei.


Há muitas possibilidades aqui. O Fogo de Prometeu pode ser bom e ruim e, outra vez, não estou discutindo que não devemos seguir em frente. Não temos escolha. A história é maior do que nós. Leia Tolstói, ele vai provar isso para vocês - a história é maior. Essas coisas vão acontecer e vamos buscá-las. Elas vão acontecer, mas pode não ser divertido. Pode não ser fácil.

E no curto prazo, tudo bem, se descobrimos através dos segredos que, bem, não há uma versão melhorada de petróleo, não precisamos disso - ei, isso é ótimo. Aço? Puufff. Impressionante... temos este nano-tektite, o que quer que seja. Electrônicos?

Bem. Ok. No longo prazo, isto é fabuloso, no curto prazo, significará grandes rupturas financeiras. Quanto tempo isso vai durar? Dez anos? Mais? Não vai ser divertido, ou não pode ser divertido, certamente não para as elites que pode possuir essas indústrias.

Mas, pode não ser divertido para nós, também. Isso vai ser um passeio instável e, no entanto, isso vai acontecer. Eles não podem parar isso. Vocês não podem parar a história. O ritmo da mudança é tão rápida, é tão revolucionário - não será interrompido.

Bill Joy, co-fundador da Sun Microsystems, estava muito preocupado, está preocupado, sobre a natureza furtiva da Inteligência Artificial e tem medo de uma espécie de Exterminador do Futuro como cenário, ou alguma outra coisa tão ruim que possa acontecer e por um número de anos, chamou outros executivos para tentar abrandar ou mesmo parar o desenvolvimento da inteligência artificial avançada.

É impossível. É cuspir no vento, vocês não podem vencer. Haverá sempre forças que irão... Vamos ajustar este programa, vamos corrigir este software aqui. Vai acontecer e o mesmo acontece com a Divulgação.

Estamos em um período de grande instabilidade da nossa história, é como se tudo estivesse saltando ao redor. Isso é exatamente o meu ponto de vista do tipo de ambiente em que algum erro monumental ocorrerá, em que os segredos vão sair de alguma forma. Não sei como. Não sei o que será o gatilho, mas vai acontecer. Quando, não sei. Prevejo no prazo de dez anos.

Agora, quando isso acontecer, haverá tentativas, vocês sabem disso, para controlar a rotação. Ok? Vai acontecer e, assim, vai ser o nosso trabalho, o trabalho de qualquer investigador responsável - e o trabalho de vocês - garantir que isso não aconteça.

Temos que nos certificar de que a verdade real venha para fora, mesmo que seja horrível, mesmo que seja horrível – especialmente se é horrível. Não há outro jeito de sermos capazes de lidar com a realidade, até que aprendamos o completo significado do que está acontecendo.

No fundo, não vejo um inimigo, mas talvez dois, talvez vários. Por isso, quero dizer que o inimigo não é apenas o estado de segurança nacional que está escondendo essas informações de nós durante todos esses anos... eles são um problema para se lidar.

Mas, pode haver algumas inteligências extraterrestres ou interdimensionais, ou não-humanas que podem não estar trabalhando em direção a nossos melhores interesses. Se não reconhecemos isso, pelo menos como uma possibilidade distinta, penso que somos idiotas.

Temos que, mesmo que as intenções deles possam não ser ruins. O que acontece com as culturas indígenas quando se deparam com uma sociedade altamente técnico proficiente? Sabemos. Pode ser que a longo prazo as coisas ficaram melhores para eles. Não sei. Vocês podem decidir por si próprios, mas a questão é que temos de estar vigilantes contra uma variedade de frentes aqui.

Esperança e medo: O medo é um inimigo. Sabemos disso porque quando estamos com medo, reagimos irracionalmente às coisas, não pensamos completamente. A esperança, no entanto, também é um inimigo. Isso soa mal, náo é? Todo mundo gosta de ter esperança: Não desista da esperança. Mas, aqui está o problema com a esperança: A esperança também ilude. .

Precisamos ter um olhar frio. Temos de ser capazes de olhar para a realidade tão alerta e acordado da forma que pudermos. É por isso que amo o título desta conferência: Alerta e Atento. Isso está exatamente certo.

coisas como elas são, não como se deseja que elas sejam, não como se espera que elas possam ser - vocês têm de vê-las como elas são. É somente atravessando esse primeiro grande obstáculo, que sinto que poderemos realmente atingir uma verdadeira consciência maior, uma verdadeira consciência em que estamos acordados e não dormindo.

Kerry muitas vezes escreve nos e-mails dela: Desperte o sonhador! Acho que é exatamente a atitude que todos devemos ter. Estivemos em um estado de sonho e temos de acordar

Isso é tudo. Muito obrigado.
[aplausos]

Se vocês tiverem alguma dúvida, vocês podem ir ao meu site: [www.keyholepublishing.com] [os aplausos continuam]

Uau. Obrigado. Muitíssimo obrigado. [os aplausos continuam]

Só quero dizer que tenho, infelizmente, um número limitado de livros aqui. Vou estar na minha mesa na parte de trás, direto lá fora, e se vocês estiverem interessados no novo livro, o tenho. Ficarei feliz de autografá-lo para vocês. Se acabar, estão facilmente disponíveis no meu site ou através da www.amazon.com.

Muito obrigado.
[aplausos]

KC: Richard, obrigado.

BR: Muito obrigado!

RD: Obrigado.

[os aplausos continuam]

Clique aqui para a entrevista em vídeo







Suporte o Projeto Avalon - faça uma doação:

Donate

Obrigado por sua ajuda.
Sua generosidade nos permite continuar nosso trabalho.

Bill Ryan

bill@projectavalon.net


unique visits

Google+