Search

__________________________________________________________

Dr. Pete Peterson

Parte 2 - David Wilcock:

Transcrição da Entrevista

Esta página é uma reformatação da versão original publicada no Projeto Camelot.


Dr. Pete Peterson, Parte 2 - David Wilcock

Interior dos E.U., 29 de junho de 2009

DAVID WILCOCK (DW): Ok. Agora, Pete, uma das questões que tenho para você é que você tinha mencionado anteriormente que não gostava do campo da consciência e que prefere o termo de campo da informação. Eu queria saber se você poderia explicar por que essa distinção foi feita em sua discussão?

Dr. PETE PETERSON (PP): Porque, para mim, o campo da consciência lida com a consciência e o campo da informação é principalmente inconsciente. 

DW: Eu gostaria de clicar duas vezes sobre isso e obter mais informações sobre este link.

PP: Bem, [risos] o campo da informação tem de tudo no universo conhecido e há consciência - cada pessoa tem sua própria consciência e o seu próprio campo da consciência. É uma das características da individualidade, ou direi campo da informação. É uma das características do campo da informação que acho que a melhor palavra em inglês é a alma ou o espírito. O campo da consciência individual de cada pessoa é muito, muito diferente. 

O campo das informações possui a consciência de todos, enquanto o campo da consciência tem a consciência de cada indivíduo, ou as suas... acho que poderíamos dizer características espirituais, embora eu use espiritual em uma forma muito diferente do que é usado pelas religiões.

DW: A minha testemunha, Daniel, que se refere ao espírito como o intelecto. Ele disse que os aspectos intelectuais da mente não são locais, que não está acontecendo no sistema nervoso. Eles estão na área onde os processos cognitivos ocorrem. 

PP: Eu concordo absolutamente com isso. Eles definitivamente são não localizados. Eles estão no campo da consciência, que não é localizado em pessoa alguma. Está em toda parte e em cada momento.

Não se trata de um dispositivo. Não é uma parte da anatomia neural ou até mesmo não-neural. É um campo. É como um campo magnético ou um campo elétrico em alguns aspectos - nos aspectos de um campo - mas é não-local, mesmo que pareça ser algo em torno da pessoa. 

Pode ser o que algumas pessoas chamam de aura. Mas também tem tentáculos se você permitiria, que se extendem do tempo e do espaço para o infinito.

DW: Há um cientista russo chamado Budakovski que tira uma fotografia holográfica de uma planta framboesa saudável, brilha a luz em um tumor da framboesa e as células do tumor se reorganizam em células saudáveis de framboesa e cresce uma nova planta. Você está familiarizado com algo assim? 

PP: Bem, estou. Não tinha conhecimento dessa experiência e gostaria muito de ter, porque estou procurando coisas que eu posso instrumentar e observar para tentar chegar a algumas conclusões. Mas isso para mim é... seria uma necessidade que as coisas fossem dessa maneira.

DW: Certo.

PP: Eu gostaria de estar familiarizado com a experiência, mas, por exemplo, eu descobri que na medicina humana, por exemplo, cheguei à conclusão - e sinto que posso provar isso a qualquer neuro anatomista competente - que o ADN é apenas uma fábrica que gera a parte física do corpo. O ADN obtém suas informações a partir do campo informativo de como fazer isso. Então você acha que o campo informacional é eterno e mantém o espírito ou o ser ou as informações da pessoa na perfeição - enquanto a perfeição, em seguida, percorre a fábrica. Caso na fábrica esteja faltando uma coisa que prende as suas rodas, a roda vai cair, se você me permite assim dizer. 

E assim, os problemas de ADN que você tem com a saúde humana e a anatomia são os erros que estão no ADN, o que parece, que são muito bem transmitidos através da árvore genealógica. Mas há também a informação que vem através da árvore de família e isso é mostrado por muitos trabalho que foram feitos por Joseph Chilton Pearce, por exemplo, relatado por ele em A Criança Mágica

Há informações que são transmitidas ao tecido do coração - na verdade, o tecido cerebral que está no coração - e que detém a maioria das informações da pessoa sobre coisas emocionais e muitas informações sobre o gosto.

Por exemplo, eles descobriram que as pessoas com transplantes de coração de súbito adoram mostarda, quando elas não podiam suportá-la. E eles descobrem que a pessoa que foi a doadora amava mostarda. Eles acham que a pessoa que foi a doadora era uma pessoa muito amorosa, enquanto que a pessoa que perdeu o coração o perdeu por causa de muita frustração e muito estresse e que eram pessoas que não eram amorosas. Agora, elas se tornam pessoas muito amorosas e as pessoas ao redor delas não têm idéia de como se relacionar com elas. 

DW: Será que cada pessoa tem o mesmo grau de contato com o campo da informação, ou campo da consciência?

PP: Eu duvido que isso ocorra porque eles são todos individuais. Por exemplo, há pessoas que só parecem ser incomodadas informacionalmente, se você permitiria, que não tem nada a ver com a essência, você sabe, pessoalmente incomodado. Mas eles parecem ter problemas, mesmo quando você entra e corrige as coisas neles...

Isto é de uma área da saúde, porque passei muitos anos nessa área construindo instrumentos médicos. Eles estão todos informatizados e nós tivemos, você sabe, anos e anos e milhares de visitas de pacientes que poderíamos voltar e dar uma olhada e relacionar os dados a longo prazo. Esses foram os instrumentos que foram para o povo, agora com 28 anos no mercado, e cerca de mais de 16 mil  instrumentos em todo o mundo e bem mais de um milhão e meio de visitas de pacientes.

Assim, correlacionamos os dados e mostramos que grande parte disto deve ser o modo que as coisas são. Assim, como a declaração que você fez, foi uma que eu concordo absolutamente, que, em caso de necessidade, tem de haver um campo informacional e, por necessidade, tem de haver algo que guia o ADN.

Agora nós temos feito algumas experiências que mostram que podemos gerar este campo em torno do corpo e o corpo agirá como se o ADN fosse perfeito. Se eles tivessem uma doença genética, a doença genética vai embora. Agora, com o advento da investigação em células estaminais, descobrimos que podemos usar as células tronco das próprias pessoa no corpo e elevar este campo em torno do corpo, as células que tinham, que são células de reprodução, que tinham um problema genético, o problema genético vai embora porque o campo informacional detém a informação perfeita e não a informação equivocada do próprio gene.

DW: Bem, isso é como a coisa na framboesa de Budakovski que te disse.

PP: Exatamente.

DW: O tumor foi transformado. Pois é.

PP: É.  

DW: Como alguém pode reforçar o contato com esse campo que eles têm? Você tem qualquer exercícios, ou meios, ou a tecnologia, talvez, qualquer coisa que eles poderiam fazer? 

PP: Tenho uma tecnologia que poderia fazer isso e isso é um dos produtos que pretendo revelar uma vez tenhamos o laboratório e a fábrica completamente construídos.

DW: Bem, isso é tentador, mas o que você fez? O que você poderia fazer? O que isso poderia fazer por alguém? 

PP: Nós saberemos uma vez que começarmos a fazer o teste nele, então...  sei o que eu acho que faria e, você sabe, nós temos tido muito sucesso com estes instrumentos. A Associação Médica Americana publica a cada ano o número de diagnósticos clínicos que os médicos deles, que eles sentem que os médicos acertaram. Este ano, o salto foi de 6% dos 5% do ano anterior. Temos 85% dos pacientes que utilizam o equipamento médico de que estou falando, 85% dos pacientes sentem que dentro de dois dias eles não têm o que eles tinham quando começaram o tratamento.

DW: Você acredita em pontos de acupuntura do corpo?

PP: Bem, tenho que acreditar neles porque eles estão aí e você pode ir para a RadioShack, ou você pode ir para Harbor Freight e comprar por 4 ou 5 dólares um medidor, ajustar o medidor adequadamente, movê-lo sobre o corpo e encontrar cada um dos pontos, coloque um pontinho lá, vai se comparar a um gráfico de acupuntura e você vai ver exatamente o mesmo. 

Eu descobrir como funciona o sistema de acupuntura. Tem havido um grande número de pessoas que o postulou, mas eles não mostram como funciona. Eu trabalhei com o Dr. Jean Claude De Roche no Instituto de Ciências Francesa. Ele é um acupunturista muito famoso. Ele ensinava a acupuntura chinesa. Eles acabaram com a acupuntura nos anos 20 e a tornaram ilegal, apesar de ter sido praticada em cada beco, então durante a Revolução Cultural ela foi trrazida de volta. 

O motivo foi que eles tiveram uma praga enorme e a acupuntura não curaria a praga mas a penicilina curava. Assim, os missionários franceses trouxeram a penicilina e assim acabaram com a acupuntura e ficaram com a penicilina. Mas a acupuntura tem sua utilização espcífica, assim como a irmã da acupuntura, que é a medicina herbal chinesa. Faz sentido se você colocar certas substâncias químicas no corpo e alguns precursores, você irá obter certas reações químicas fora do corpo.

Então, de qualquer maneira, o sistema de acupuntura é muito interessante. O que nós fizemos foi injetar o potássio radioativo em cada ponto da acupuntura, enquanto a pessoa estava sob uma alta velocidade da máquina de tomografia computadorizada, e descobrimos que a radioatividade se moveu diretamente ao órgão associado com aquele ponto...

       KERRY CASSIDY (KC): Ah, uau.        

PP: ... pelos 3.300 anos que o Neijing tem falado sobre isso, e pelos 6.200 anos que a medicina ayurvédica tem falado sobre isso. 

Assim, se descobriu que havia uma correlação direta, não somente no sistema de órgãos, mas nas reais partes dele. Por exemplo, na parte de fora do polegar você tem um ponto que lhe dá informações sobre todo o sistema linfático - logo abaixo da primeira junta. Mas, acima da primeira junta, ele fala sobre os vasos linfáticos que estão no anel tonsilar.

Quando injetamos aqui [toca o lado do polegar esquerdo dele] o material radioativo vai para o anel tonsilar. Quando injetamos aqui [toca o mesmo polegar, mas mais próximo da base da junta], vai para todo o sistema linfático. 

Você vai para baixo [indicando os diferentes pontos a baixo do lado do polegar] e, você sabe, ele vai corpo abaixo.

A mesma coisa, você sabe, se você trabalhar na mão toda, você tem o linfático, o pulmão, a circulação e etc, etc, etc. [Apontando para os diferentes lugares na mão dele] Você vem para cá e você tem o coração e o intestino delgado. Você pode ir para baixo e injetar aqui e ele vai para a válvula mitral. Aqui ele vai para a aorta. Aqui vai, você sabe, esta câmara, aquela câmara, etc, etc.

Então você vai para baixo nos pés, os pontos de acupuntura são a mesma coisa. Descobrimos também que os pontos de acupuntura, os meridianos da acupuntura não são veias, não são vasos. 

Os meridianos da acupuntura, como são chamados, não são realmente meridianos. Eles são constituídos de uma... Se você já limpou um animal de caça ou uma galinha, você vai notar que entre os órgãos  - ou fazendo cirurgia - entre os órgãos existe uma camada membranosa branca. Essa camada é construída como uma baklava. É construída em uma série de camadas e cada uma dessas camadas é uma superfície condutora capacitiva, não existe para conduzir materiais  tais como potássio radioativo, [risos], mas ela funciona como tudo no corpo.

O corpo é um mecanismo biológico. Ele funciona como o intestino, peristalticamente, como o coração, peristalticamente. É iônico em natureza, por isso é polarizado, desse modo pulsa e move informação. Então, esse sistema era um sistema de informação. Os pontos são um pouco acima e abaixo de cada junta e você os tem de cada lado da mão. Eles estão em torno de uma área que é de cerca de um ângulo de 45 graus com o dedo. E você pode ter algo parecido com uma caneta esferográfica - não vejo nenhuma aqui [pega uma caneta] - mas você pode tomar, não o ponto da caneta, mas o ponto do caso e você pode sondar em cerca de um ângulo de 45 graus um pouco acima e abaixo de cada articulação.

A maioria das pessoas não sabem que há uma articulação como esta e esta articulação e esta [apontando para trás da cabeça dele com a caneta], até aqui no pulso. Você pode sondar os lugares e aqueles em que você está tendo um problema com o órgão ou o sistema orgânico, você encontrará um nódulo pouco rígido sob a pele, um pouco acima e abaixo da articulação, a cerca de 45 graus. 

Se você esfregar para frente e para trás aqueles, que não são muito ruins, que você não tem um problema ruim, você vai sentir o nódulo pequeno, mas, realmente, parecerá como se fosse um pequeno grão de arroz, cheio de areia grosseira. Você vai  sentir uma granulação ou uma granularidade. E você vai abaixo da articulação e acima da articulação e assim você pode dizer onde você tem um problema. 

Agora, o que os acupunturistas não querem que você saiba é que se você pegar algo que é levemente arredondado e esfregar nesse ponto,  se sentirá realmente bem se você tem um problema aí. E se você pegar um pedaço de metal e fazer a mesma coisa, pontos diferentes se sentirão diferentemente, porque a coisa metal tende a descarregar um excesso do campo elétrico lá e o plástico tenderia a carregar um ponto com extra campo. 

Acontece que há um tipo de material chamado de eletreto. O eletreto está para o campo elétrico como um ímã está para um campo magnético. Portanto, há uma maneira de colocar uma carga elétrica permanente em um pedaço de plástico. 

Todos os microfones nos gravadores pequenos que você já viu, 99% deles são microfones de eletreto, onde você tem um pedacinho do filme com uma carga permanente. Quando a voz bate nele, o filme vibra. Então há um pedaço de metal ao lado dele e você mede a tensão entre os dois, o alimenta no aparelho e é daí que o sinal de voz vem. 

Assim, você pode fazer um eletreto e esfregar os diversos pontos e apenas se sentirá realmente bem. E você esfrega uma vez ou 50 vezes e, de repente, deixará de se sentir bem e você se move para o ponto seguinte. Se você fizer isso em seus dedos e nos pés, você vai se sentir muito, muito bem. Vai aliviar normalmente quase qualquer problema que você tenha.

Isso é o que faz um acupunturista. Eles podem descobrir onde estão os lugares que você precisa ter um tratamento e fazer isso dessa maneira. Outra maneira de fazer isso é usar uma agulha de acupuntura e colá-la no ponto para carregá-lo ou descarregá-lo e há uma maneira de colocá-la para fazer isso.

Assim, um dos produtos que desenvolvemos é dois pequenos pedaços de metal que podem ter recortes pequenos neles e você pode esfregar seus pontos. Essas peças de metal têm uma série de furos e as pessoas nos perguntavam para que eram os buracos, se era fundamental para o uso do aparelho, e eu disse: Não. Isso é onde você amarra um cadarço e se você o emprestar para alguém, você mantém u'a mão com um laço atado, porque eles não o vão devolver para você, é tão bom.

[risos]

PP: Então, temos ferramentas para fazer essas e provavelmente terei que fazer outro lote delas. Mas, de qualquer maneira, descobrimos que esses estavam lá. Agora, descobriu-se que estes pontos - como esse que é o sistema linfático aqui [apontando para a parte traseira de sua mão] e este que é o sistema pulmonar aqui e se você for direto para o fim do que... e há pontos corpo acima. Se você for direto para o fim de onde é o meridiano, todos acabam na raiz do dente. Os dentes são piezoelétricos. Quando você aperta um material piezoelétrico ele gera uma tensão.

DW: Descarga.

PP: Ou se você pegar um pedaço de material piezoelétrico e aplicar uma tensão ele se expande ou se contrai. Os dentes são piezoelétricos. Então é por isso que você deve tomar muito cuidado com os dentes e não receber um tratamento de canal, a menos que você absolutamente tenha que ter, não é que você irá morrer, mas sua saúde declina. 

Então há algumas coisas que temos, esses pequenos dispositivos, que  fará isso e carregará  você. Especialmente para as pessoas que estão faltando muitos dentes terão um real, um sucesso real com isso e elas têm muitos, muitos nódulos pequenos pronunciados, os nódulos delas são geralmente duros como uma pedra. Se elas continuam massageando-os de vez em quando até que deixem de os sentir... Isso se sente tão bem como uma boa coceira em um arranhão, quando deixar de se sentir bem, vá para o próximo. E depois de um período de tempo você sentirá a granularidade e após um período de tempo apenas ficará mais suave e não haverá qualquer nódulo pequeno sob a pele. 

DW: Minha mãe tinha um grande nódulo aqui e ele finalmente foi embora, mas ela trabalhou nele por um par de anos. Estava no dedo médio.

PP: Eu tenho um aqui, aliás. [risos] E vem e vai.

DW: Então você está dizendo que os tecidos ao redor dos órgãos dispõem de um sistema de transferência iônica, que é... 

PP: Não para o órgão. Eles estão em torno do órgão, mas eles estão em toda parte no corpo. Se você começar a dissecar para fora do tecido neural... na verdade, é uma espécie de coisa interessante. A maioria das pessoas não sabem que os leões e os tigres não comem o tecido muscular, é altamente tóxico. Eles tiram as veias, os vasos, o tecido neural. Comem os intestinos e comem, você sabe, o coração e os órgãos internos. Eles não comem o tecido muscular.

DW: Verdade?

PP: É. Se eles se alimentarem de tecido do músculo e se apenas receberem tecido muscular, eles o comerão, mas eles ficam muito doentes. É altamente tóxico. Mas as pessoas comem todo o tecido muscular e jogam fora as partes boas.

BILL RYAN (BR): Isso significa que não devemos comer um bom bife cru se você é um comedor de carne?

PP: Infelizmente. [suspira] É muito óbvio que como tudo o que é mais lento do que eu sou. [risos] Mas isso não significa músculo. Ainda que seja saboroso, não é bom para você.

DW: Eu só estou tentando entender...

PP: Isso é também porque as carnes kosher tem uma maneira muito específica de preparar os animais e não os alarmar e muito misericordiosamente colocando-os fora da... matando. É porque eles não querem que o animal fique excitado e libere uma grande quantidade de toxinas no tecido muscular.

DW: Hum. Isso não é...

PP: Se eles sabem ou não.

DW: Este não é o típico sistema nervoso de que você está falando, com o sódio...

PP: Não. Não há nenhum sistema nervoso lá. É o que estou dizendo.

DW: Certo. 

PP: É um sistema completamente diferente. Havia um colega coreano, Kim Jung Bong, que postulou que havia... Ele disse: Eu achei o sistema neural e aqui estão as fotos dos túbulos pequenos que transportam um líquido amarelo, etc, etc. E isso está tudo relatado.

Você pode achar isso por toda a internet e você pode encontrar tudo sobre a literatura médica. Mas, o que não está relatado, é que quatro anos mais tarde, ele cometeu suicídio e disse que estava arrependido de perpetrar tal brincadeira. Não existe esse sistema. As pessoas procuravam por ele e não podiam encontrá-lo e, finalmente, ele só teve que admitir que ele inventou tudo.

DW: Hum.

PP: E assim, esse não é o sistema. Descobrimos como ele trabalhava, porque injetamos o potássio radioativo e então olhamos para ele e o assistimos percorrendo o corpo. E ele vai muito rápido. Se você tirar o sangue da ponta desse dedo e o seguir de volta para o coração, ele não se move muito rápido. Ele se move muito, muito lentamente. Ele não corre por suas veias. 

Mas se você injetar o potássio radioativo, tivemos até mesmo que conseguir u'a máquina tomográfica com maior velocidade para vê-lo. Ele realmente corre. É a freqüência disso. É como ordenhar uma vaca ou uma cabra - é uma ação peristáltica e isso realmente corre pelo corpo. É uma freqüência muito alta. 

DW: Agora, você está dizendo que isso tudo está acontecendo, alguma interface com o campo da consciência, ou o campo da informação?

PP: O campo informacional.

DW: Ok. Poderias explicar isso? Qual é o componente energético?

PP: Eu realmente... Sim, isso é uma palestra de duas horas.

DW: Bem, eu poderia obter a versão elevador? [Risos] 

PP: Não há realmente uma versão elevador. Depende de onde está, o que é, qual é o problema, em que meridiano está. 

DW: Ok. Se um órgão está disfuncional, porque é que importa o que está acontecendo na sua mão? 

PP: Não, não importa. Isso faz o que está acontecendo na sua mão. Ele cria o que está acontecendo em sua mão.

DW: Ok. Então, porque eles estão nas extremidades, de alguma forma...

PP: Porque nós somos construídos dessa maneira. 

        KC: Você está dizendo que você pode curá-lo na mão ou você pode curá-lo diretamente no órgão, né?

PP: Não.

       KC: Não?                            

PP: Não, não estava dizendo isso. O que estou dizendo é que os problemas no órgão se manifestam fisicamente e informativamente nos pontos apropriados para o corpo.

Agora, se você pensar sobre isso, quando você constrói um carro, qualquer carro que você teve nos últimos 10 ou 12 anos tem um conector elétrico sob o assento. Você conecta um computador lá e ele vai dizer: O sensor de oxigênio está ruim. Os freios estão ficando fracos. Ele vai dizer uma série de coisas. 

Então, vamos supor que de alguma forma, se divinamente ou pela genética,  fomos concebidos. Por que não criar um sistema onde você pode testar a coisa? Quero dizer, nós não viemos com manual de operação, mas talvez a gente veio com um sistema que é muito fácil para nós descobrirmos qual é o problema e, em seguida, alterar as coisas. 

Agora, uma coisa que descobrimos é que cada substância tem um campo informativo em torno dela. Descobrimos uma maneira de pegar essa substância, colocá-la em um dispositivo e do dispositivo encontrar uma assinatura numérica para o campo da informação. Então, nós encontramos um caminho, portanto, para armazená-la em um computador. 

Agora, podemos pegar o computador e executar as informações de volta e gerar um campo informacional. Podemos fazer esse campo grande de modo que rodeie o corpo. E então podemos medir em tempo real nestes pontos, alguns dos quais - a maioria dos quais - são pontos de acupuntura e alguns não são. Existem alguns pontos de acupuntura que encontramos que não fazem nada, apesar de serem pontos clássicos. 

Agora, você sabe, há 6.000 anos ou 3.300 anos atrás, eles não tinham qualquer tipo de instrumentos de medição, por isso agora temos um sistema de bio-feedback (resposta biológica) que vai realmente fazer isso. 

DW: Muitos do nosso público pensarão na máquina de Rife quando você fala dessas assinaturas numéricas.

PP: Isso é muito lamentável.

DW: Ok?

PP: Porque não há qualquer correlação. Não tem nada a ver com a máquina de Rife.

DW: Ok.

        KC: Você não trabalhou para o Royal Rife?        

PP: Eu trabalhei para Rife por um período de tempo, sim. Sei como os instrumentos dele funcionavam e não tem qualquer influência sobre isso. Essa é um tipo de coisa mecânica muito bruta.

DW: Ok.

PP: E ela não funciona da forma como alguém pensa. Isso é outra história. Mas, de qualquer maneira... me jogou um pouco fora do meu modo de pensar sobre isso.

DW: Você pode dar uma assinatura de um composto específico.

PP: Sim, podemos fazer uma assinatura de um composto e o que acontece é, o corpo vai reagir a esse campo informacional como se você tivesse dado à pessoa aquela substância. Então você pode ir a um ponto de acupuntura e obter informações a partir dele, que você pode representar em um gráfico em uma máquina, e ele lhe dirá se esse órgão está em um tipo de processo inflamatório, ou um processo degenerativo, e quanto, por quanto tempo ele esteve lá; se ele está ganhando a batalha ou perdendo a batalha. Então você pode colocar a pessoa em um campo de informação a partir de uma substância, que você acha que pode resolver esse problema, e perguntar ao corpo. O corpo vai reagir exatamente como se você tivesse dado essa substância a ele, portanto, você pode selecionar um tipo de tratamento.

BR: Quando alguém recebe um placebo, estão afetando o próprio campo informacional da pessoa?

PP: Com certeza. Placebos trabalham em 50 por cento das vezes, não é porque os placebos tenham um efeito físico. Eles têm um efeito mental, em alguns casos, e eles têm um efeito informativo, em alguns casos.

BR: Então você deve ser capaz de afetar o seu próprio campo de informação sem um placebo. 

PP: Sim. As pessoas me perguntavam quando eu construi estas máquinas computadorizadas muito complexas que fazem o diagnóstico e selecionam o tratamento, eles me perguntaram: Qual é seu objetivo para esta máquina? E eu disse: Meu objetivo é que o médico jogue o resto no lixo e só use isso. 

Isso pode ser feito. No entanto, a máquina tira o estado emocional e a interferência emocional com ela, o estado emocional do paciente e as características emocionais do paciente com ela. 

Mas, uma das máquinas que quero fabricar, no futuro, é aquela que é um aparelho de bio-feedback que permite ao paciente colocar-se em um estado informativo ou mental que afeta o problema com o corpo. Isso pode ser feito. Isso pode ser feito facilmente e sem a necessidade de envenenamento brutal, ou o brutal consumo excessivo de algo...

Por exemplo, é muito benéfico tomar vitamina A. Não recebemos bastante vitamina A no nosso corpo. Mas, se você tomar muita vitamina A e encontrar-se ganhando água e ter ascite, algumas pessoas morrem por causa disso. Muitas pessoas quase morreram dela. Assim, muito de uma coisa boa é demais, não importa o quão boa a coisa é. 

DW: Muita gente vai querer saber, tem alguém usando essa tecnologia? Há algum médico que a está usando? 

PP: Há, agora, nos Estados Unidos, que eu saiba, 18.000 clínicas.

DW: Dezoito mil?

PP: Dezoito mil clínicas utilizando esta tecnologia. Eu ensinei sete empresas como fazer isso. Cerca de cinco outras empresas vieram e roubaram a informação deles, que, se eles vêm e me perguntam, eu teria entregue a eles.

DW: Hum.

PP: Porque sabia que ia precisar de 20 ou 25 anos lá fora, antes que ela tenha se estabelecido. E assim o que eu fiz foi deixar que outras pessoas o fizessem e corri ao redor e na frente deles como o homem que passa na frente de uma pedra de curling varrendo o caminho para ela. Fui a frente deles varrendo o caminho em frente ao FDA (Food and Drug Administration - Administração de Alimentos e Drogas)

[Nota: Pete está falando sobre o esporte escocês de Curling, em que uma pedra de curling é deslizada no gelo. Um homem com uma vassoura vai em frente, varrendo o gelo, alisando a superfície de modo que a pedra possa deslizar com mais liberdade.] 

Temos um homem muito, muito bom de publicidade, cuja mãe foi dado, não sei, oito ou dez semanas de vida, e a mantivemos viva por mais de 17 anos.

DW: Ah meu Deus.

PP: Ele se sentiu muito feliz com isso e então ele entrou para o nosso movimento. Fora isso, isso finalmente possibilitou, a cerca de 10 ou 12 anos mais tarde, haver realmente um ramo médico alternativo na FDA, e esse ramo lida com coisas como nós temos. Nesse ínterim, gastei muito dinheiro e muito tempo e esforço e tenho realmente este dispositivo aprovado pela FDA. 

DW: Essa era a minha próxima pergunta. Deve haver publicações. Deve haver documentação lá fora. 

PP: Bem, a única documentação que sei é que, quando você colocar o meu nome no computador, ele vai aparecer e dizer que é uma fraude este dispositivo, e como ele é um dispositivo de charlatão. Mas, se você descobrir quem colocou isso aí, você vai descobrir que ele diz a mesma coisa sobre muitas outras coisas que funcionam. Então, se você for ver o homem, você verá que os cheques que ele desconta no banco são de grandes empresas farmacêuticas e do governo, às vezes.

DW: Certo.

        KC: Então, qual o nome que eles estão colocando no computador para esse dispositivo?

PP: Não vou dizer isso. Não estou interessado em que milhares de pessoas associem isso e sejam capazes de mostrar aos seus amigos que fraude sou. Qualquer pessoa que queira saber se é uma fraude, venha a mim. Vou te dar o médico mais próximo e você pode ir lá e perguntar ao médico se os 3, 5, 7, 10 mil pacientes dele que foram lá e dois dias depois sairam sem o problema deles acham que é uma fraude.

Agora, sei que não é 100% placebo, pois apenas placebos trabalham 50% das vezes. E mesmo o pessoal médico - a AMA (Americam Medical Association - Associação Médica America) - diz que os médicos só têm 5% do diagnóstico clínico deles correto... Se eles só têm, vocês sabem, 5% ou 6% já este ano, dos diagnósticos clínicos corretos, o que você acha eles corrigem com o tratamento? Você sabe por que dizem medicina prática.

Ou por outro lado, assista ao programa de televisão House (Casa), e em cada caso eles tentaram cinco, ou seis, ou sete tratamentos, quase matando o paciente de cada vez, e depois descobrem qual é a solução. Você sabe, ele é suposto ser o melhor diagnosticador do mundo, você sabe, na televisão. Mas é muito fiel à realidade. Vem do Canadá. Eles são muito mais francos lá. E, você sabe, você tem o retrato da medicina prática. Eles não têm nenhuma idéia. Eles não têm uma maneira de ter uma idéia. 

Então, estou pronto, depois de 28 anos tendo este dispositivo lá fora e em algum outro lugar, ah, provavelmente 1,2 a 4 milhões de dólares, ou talvez mais, as visitas do paciente por trás dele, todos informatizados. Na terminologia médica é anedótico, porque o paciente não pode dizer se eles estão bem ou se não têm mais os sintomas - isso é ilegal. 

Mas, agora estou pronto para ir contra qualquer um deles, porque posso provar que o meu diagnóstico com este tipo de máquina está absolutamente correto, porque quando eles vão olhar com as ferramentas convencionais de diagnóstico e equipamentos, verei o problema tanto quanto 20 anos antes dele se manifestar no corpo onde coisas médicas comuns podem testá-lo. 

Como posso provar isso? Bem, vou esperar 20 anos e prová-lo. Isso é o que nós fizemos. É por isso que eu tenho 27 anos de testes feitos nela. É por isso que tenho pessoas que vieram e pensaram que era uma fraude e não aceitaram a medicação, mas os assisti durante um período de tempo e vi que eles acabaram morrendo do que eu disse que eles morreriam. 

Então agora tenho provas suficientes. Estou pronto para ir e fazer isso, exceto que não vou fazer isso porque não tenho nenhum desejo de ser assassinado. Tenho pessoas que têm mais testículos do que eu tenho que estão dispostas a fazê-lo... perdão meus 10 anos no Corpo de Fuzileiros Navais.

DW: Você disse que há muitos clones desta tecnologia lá fora, as pessoas têm roubado de você e... 

PP: Não roubaram isso de mim. Eles roubaram de outras pessoas. Eu dei, então, eles não puderam roubar isso de mim. Se eles viessem a mim, eu teria dado a eles.

DW: É variável em termos de quão bem eles funcionam, como...

PP: Ah, com certeza. A primeira coisa que fiz foi... no meu instrumento, quando você toca o corpo, no início, a pessoa não sabe onde os pontos estão, então coloquei um Localizador de Ponto. E o Localizador de Ponto dá um tom que quase todo mundo o comparou ao som de uma vaca que estava morrendo. [risos] Certo? 

Então, quando ensinei as pessoas como construir essa coisa, eles construíram, e todo mundo diz: Ah, isso soa como uma vaca morrendo, então eles mudaram o tom. Eles eliminaram 80% da eficácia da máquina, porque o tom carregava uma grande quantidade de informações que, se o médico apenas se mantivesse com ele por um mês, ele poderia, então, ouvir aquele tom e ele poderia reduzir o tempo de diagnóstico de 35 a 40 minutos para 2 ½ a 3 minutos.

DW: Uau. 

PP: Ele só se torna natural. Ele: Ah, eu sei o que isso significa. Eu sei o que significa aquele tom. Deixe-me tentar isso, deixe-me tentar aquilo

Ele pode discar na máquina agora umas 850.000 substâncias diferentes que estão neste mundo. Todos os medicamentos de todos os sistemas médicos conhecidos e todas as ervas de todo o sistema à base de plantas conhecido, todas as poções mágicas de cura de todos os sistemas de cura de poção mágica conhecidos, todos os produtos químicos que estão lá fora, que são feitos pelo homem, todos os produtos químicos que você encontra na natureza, todas as vitaminas, os minerais, todos os produtos farmacêuticos na farmacopéia homeopática e na farmacopéia alopática. Tudo está lá. Assim, você pode fazê-lo, a máquina irá ajudá-lo a escolher aqueles fora e descobrir exatamente o que irá aliviar o problema.

E muitas vezes você encontra algo que vai aliviar um problema no, por exemplo, intestino delgado, mas acha que isso vai agravar o sistema neural. Então você diz: Ah, bem, deve haver uma outra medicação que vai funcionar e não contrariar alguma coisa aqui. Então você pode voltar e achar aquela medicação específica. Agora você sabe o que dar.

Agora, você pode perguntar: Ok, se vou dar isso, quanto devo dar? Ela vai dizer-lhe um valor exato. E como tudo na natureza, há uma curva de sino produzida, uma curva que se parece com um sino, e você quer aquela medicação que está lá no pico da curva de sino. Você quer apenas aquela quantidade que vai produzir essa reação e - BANG - você a dá . 

Muitas vezes, quando damos a medicação a um paciente, eles saltam para cima e para baixo como se estivessem na Disneylândia no Mr. Toad's Wild Ride (Sr. Sapo Passeio Selvagem), e eles vão dizer: Ah, ah, eu tive essa dor por 20 anos e agora ela se foi.

Será que o tratamos? Não. Será que os curamos? Não. Por que eu digo: Não? Porque é contra a lei. 

Será que eles acreditam que foram tratados? Sim. Será que eles acreditam que foram curados? Sim. O que faz a diferença? 

DW: Uma coisa que acho que é realmente importante é que, quando este vídeo estiver lá fora, online, haverá muita gente que vai alegar que eles têm essa tecnologia para lucrar com ela.

PP: Ah, com certeza.

DW: E essa pode não ser a que você está realmente falando.

PP: Com certeza. 

DW: Como prevenir contra isso? Existe algum termo para pesquisa que podemos dar às pessoas no Google?

PP: Eu não sei como nos prevenir contra isso.

DW: Ou os médicos que estão usando realmente a correta? Ou ...

PP: O problema é que primeiro, treinei cerca de 6.000 médicos e eles tiveram as máquinas que muu-giam como uma vaca e foi muito bom, e depois disso houve um declínio. Então, novamente, estou construindo um laboratório e uma fábrica onde eu  vou produzir estas e, em vez de ter que fazer como você tem que fazer hoje em dia, pagarão entre 12 e 50.000 dólares por uma das máquinas...

DW: Ah.

PP: Eu tenho uma que foi construída em uma caneta-tinteiro e provavelmente vamos vendê-la por cerca de 99 dólares.

DW: Uau.

BR: Mas há modalidades de cura similares em existência, que são...


PP: Ah, existem algumas que funcionam lindamente.

BR: Radiônicos, você sabe. Vá em frente...

PP: Bem, sim. Há máquinas radiônicas que...

BR: Eu não estou dizendo que é o mesmo. Eu só estou dizendo que é algo que funciona...

PP: Sim, ela funciona muito bem.

BR: ... no campo informacional.

PP: Ah, ela funciona muito bem e ela trabalha em... Exatamente. Ela funciona através do campo informacional.

DW: Você já ouviu falar da SCANAR, a SCANAR russa?

PP: Eu definitivamente ouviu da SCANAR, passei cerca de, ah, oito meses, com as pessoas fazendo isso...

DW: É mesmo?

PP: ... e trabalhando em conjunto com eles. Há uma outra máquina para a dor. É chamada de Acuscope, que foi trazida a este país por Tony Nebrinski que era o homem da KGB neste país em busca de tecnologia médica para mandar para casa, para a Rússia.

DW: Há um homem chamado Dr. Hartmut Muller, que construiu essa coisa LED que você coloca na sua pele. É uma outra que você acha que funciona?

PP: Não.

DW: Isso não funciona?

PP: Não, eu não disse isso.

DW: Ah.

PP: Eu disse que há coisas que funcionam muito melhor. Isso é o que eu quis dizer.

DW: Ok. Mas as pessoas podem também, como você disse, massagear esses pontos nas mãos delas.

PP: A melhor máquina médica que eu jamais inventei foi essas duas pequenas coisas a que chamamos Acu-Combs [Nota: fiz uma pesquisa e não encontrei este dispositivo, de modo que a grafia correta é desconhecida.] que você apenas esfrega os seus pontos e se sente bem.

DW: Há alguma maneira das pessoas as poderem construir por conta própria?

PP: Eles provavelmente poderiam logo que vissem uma, mas é mais fácil e mais barato comprar uma de mim, porque pagei milhares de dólares pelas ferramentas e as gravam como ...

DW: Ótimo.

PP: ...balas saindo de uma metralhadora e as põe em um tambor e rolam elas e elas realmente têm material elétrico que inventamos para realmente fazer o carregamento. É interessante que você pode pegar uma das unidades e fazê-lo.

A propósito, você pode descobrir como você vai reagir a qualquer alimento. Uma das melhores coisas é que tudo o que se passa no corpo, você diz: Como meus órgãos reagem a isso?

Há uma razão para que o médico mais bem pago seja o anestesiologista. É porque ele tem que pagar mais seguro. E eu acho que... Posso estar errado. Você teria que verificar o que é hoje em dia, mas quando eu estava trabalhando nele, duas em cada 100 pessoas foram mortas pelo anestésico.

BR: Isso está certo. [fala ao mesmo tempo]

PP: Essa coisa vai lhe dizer exatamente porque este dedo e no lado distal do dedo médio fala sobre a absorção dos alimentos aqui e da alergia. Ela vai dizer se você tem uma alergia ligada àquela medicina. Essa anestesia, ela vai dizer-lhe como seu corpo vai reagir a ela.

        KC: Como é que te diz?             

PP: Ao fazer uma indicação. Há uma indicação em um medidor e em um gráfico. Quando você aprende a ler o medidor e aprende a ler a carta, que pode ser ensinado em aproximadamente um minuto, você pode dizer se você vai ter uma reação alérgica ou não.

Outra coisa que encontrei foi, de uma grande universidade no departamento de produção animal, descobrimos que existem 33 substâncias a que todos os seres humanos e todos os animais são alérgicos. A maioria delas são compostos fenólicos que possuem um anel de benzeno de seis lados na molécula, alguns são hormônios e algumas são proteínas. 

Descobrimos que podemos medir aqui e podemos descobrir exatamente - se você tem alergias, exatamente ao que você é alérgico. Então nós podemos ter esse material e prepará-lo homeopaticamente e lhe dar algumas gotas debaixo da língua e aquela alergia desapareça totalmente. 

Então, após um período de tempo pode voltar e nós vamos achar que precisa de um remédio homeopático de uma forma diferente, que eles chamam de potência ou força, e então você toma isso. Às vezes você leva três ou quatro dias perseguindo esta coisa e descobre exatamente o que você precisa, mas eventualmente você chega a um ponto final, e você não terá aquela alergia. Tanto quanto eu sei, nós testamos as pessoas por 28 anos, ninguém nunca teve uma alergia voltando.

DW: Uau.

PP: E estamos lidando com um sistema estritamente informativo que a ciência moderna se recusa a acreditar. Mas isso não parece fazer muita diferença para aquelas pessoas que tinham alergias e não têm mais, o que a ciência moderna não gosta. Isso não se encaixa no paradigma dela, qual está errado?

BR: Eu só quero dizer, na câmera, que estamos muito certos, depois de passar algum tempo conversando com você, que você não está tentando ficar rico através de qualquer dessas coisas. Você quer tornar esta tecnologia disponível.

PP: Não, eu não. Não, eu não tenho necessidade de fazer qualquer dinheiro. A única razão por que quero construir as coisas é tal que sejam construídas certas e que mujam como uma vaca [risos] - uma vaca morrendo. Porque isso dá-lhe... isso permite ao médico fazer o tratamento por muito menos, ou os diagnósticos, por muito menos dinheiro.

E lembre-se, o médico só usa isso para ajudá-lo a fazer o diagnóstico. O diagnóstico não pode ser feito por uma máquina, apenas por um médico.

BR: É.

PP: É por isso que no começo, nós só as vendemos para os com a carteirinha da AMA, os de carteirinha médica. Então, nós vendemos para alguns quiropráticos. Nós vendemos algumas delas para osteopatas, algumas delas para os naturopatas.

Mas, a primeira pessoa a ter uma foi uma veterinária, foi a Comissária Veterinária do Estado de Nevada, e ela começou a usá-la. Então nós temos agora... Eu parei de manter o controle quando eu comecei a tentar manter-me na frente dessas pessoas e mantê-las fora de problemas para usá-las. E nós não tivemos nenhum problema em usá-las, pois os mantinha fora de problemas.

Enfim, na época - tudo isso foi talvez há 18 anos - havia cerca de 350 veterinários as usando e elas estavam funcionando perfeitamente. Eles podiam descobrir que problemas os animais tinham e como resolver o problema.

BR: Pessoal, estamos chegando ao final de nossa terceira hora e pode haver uma série de outros temas que queremos abordar antes, bem, enquanto nós temos a oportunidade. Eu sei que há uma série de outros tópicos. Eu tive a minha quota de cereja. David, há mais coisas que você gostaria de pergntar? Eu sei que Kerry tem algumas perguntas também.

DW: Sim. Eu estou apenas sensível a todos os emails que estarão vindo. As pessoas vão querer saber como comprar essas placas pequenas, por isso, se você diz que as pode produzir, uma vez que você esteja pronto para fazer isso, pode nos dar a informação? 

PP: Se eu tivesse pedidos, provavelmente, as poderia enviar dentro de duas semanas.

DW: Ok. 

PP: Eu não posso dizer quanto eles custam. Eu sei que uma das placas, por necessidade, deve ser de cobre. Eu sei que uma das placas, a fábrica em que costumava fazer o meu material elétrico saiu do negócio.

DW: Hum.

PP: Então, ou vou ter que fazer ou encontrar uma fábrica que o faça. Mas nós temos ferramentas que se encaixa em uma máquina chamada Amada Punch Press que a perfura mais rápido do que você possa a ver e então ela só tem que ser tombada na combinação certa de coisas para torná-la suave e fácil de manusear, por isso não tem arestas cortantes nela.

DW: Mas não é assim tão caro, é o que se entende.

PP: Não é realmente caro. O cobre para ela agora custa cerca de 7,00 ou 8,00 dólares por placa de cobre, e muito provavelmente o mesmo para a chapa elétrica. Então nós temos que erradicá-la e processá-la. Ela vem normalmente em uma caixa pequena com uma separação entre as duas.

DW: Ok.

PP: E um pequeno conjunto de cartões que você pode dobrar que mostra todos os pontos na mão, todos os pontos sobre os pés. Portanto, há pontos de pressão onde há coisas com que você lida como; indigestão, dores de cabeça e esse tipo de coisa. 

DW: Bem, você tem sua primeira ordem agora. [mostra  na base do vídeo dr_peterson_orders@projectcamelot.org]

PP: [risos] Sim. Eu as levei, ah, eu não sei, talvez a um par de centenas de feiras de saúde e reuniões da Associação Psycotrônica, o Congresso Mundial de Ciência, as reuniões da Sociedade de Tesla, as reuniões de radiestesia e, assim por diante, eu nunca as levei ... Comecei a levar 20 e, então, levei 50 e, então, levei 100 e nunca encontrei uma vez que eu não vendesse tudo antes do meio dia...

DW: Certo. 

PP: ... no primeiro dia. Depois que eu vendi três ou quatro, então todo mundo é... as pessoas não podem largá-las. Então, eles estão ali fazendo isso, as pessoas dizendo: Bem, onde você conseguiu isso? O que é que faz?

E o cara diz: Aqui, deixe-me tentar.

Não. Eu não tenho um cadarço. Então eu comecei a dar cadarço com elas, assim eles a recebiam de volta.

Então, afinal, as pessoas gostam do jeito que os faz sentir, gostam da maneira como faz com que as mãos se sintam e determinam por si mesmos, sem qualquer ajuda do governo, que fazem realmente algo por eles de que eles gostam e, assim, as compram. 

DW: Hum. Bem, sim, eu acho que é realmente importante notar que a cura está dentro. Nós todos temos esse poder de nos curar. 

PP: Como eu disse, em qualquer dispositivo médico que eu já fiz... E eu também, por ter a máquina como uma ferramenta de bio-feedback, eu encontrei uma série de substâncias que fazem coisas milagrosas para o corpo.

DW: Tais como?

PP: De todas essas substâncias e todas as máquinas, a melhor coisa que fiz foi as placas, elas não são caras. O que eu digo às pessoas é: Se você pensar sobre isso com atenção, você pode simplesmente jogar as placas fora... 

... que traz à tona outro dispositivo que estarei lançando que se parece com um maço de cigarros - que é uma coisa ruim de usar - como um baralho de cartas de jogar, e talvez isso seja também ruim de se usar. Mas é um pequeno dispositivo que tem uma fita de cabeça onde você tem um pequeno eletrodo que você molha com água salgada na frente e a trás e ele...

DW: Água salgada?  

PP: Água salgada, apenas água salgada comum, sal de mesa. Você  coloca na cabeça e tem um tom, damos uma fita cassete pequena que tem um tom e você pode aprender, com seu cérebro, você pode aprender a combinar. É como se eu cantarolasse ou assobiasse Yankee Doodle (Uma canção americana) dez vezes, você pode cantarolar Yankee Doodle. E se eu cantarolar Mary Had a Little Lamb (Uma canção americana para crianças - Maria Tem uma Ovelha Pequena), você pode fazer Mary Had a Little Lamb. Isto faz um som e você aprende a gerar o som mantendo a língua na posição certa. Você já viu um relojoeiro trabalhando?

DW: A posição de sua língua muda o tom?

PP: Não, não é isso que queria dizer.

DW: Ah.

PP: Se você ver alguém que está fazendo um trabalho de precisão, como um gravador ou um relojoeiro, eles o fazem desta forma. [Põe a língua para fora e para o lado da boca]

DW: Ok.

PP: Sim, eles têm que manter a língua deles em uma determinada maneira para deixa-los fazer as coisas. Mas você não, necessariamente, tem que segurar a sua língua em certa posição, você aprende como manter a sua mente direito.

DW: Então isso dá uma altura do som uniforme? Mas a altura do som está variando?

PP: Não. Não é uma altura do som uniforme. É uma altura do som variável. Parece como assobiar uma melodia.

DW: Ok.

PP: Então você aprende a fazer esse ajuste ao pensar direito e, eventualmente, você o imitará e caso você faça coisas diferentes mentalmente, você terá tons diferentes. Assim, você aprende a segurar os tons, de modo a obter o tom que estava na fita pequena. E quando você chegar a esse ponto, então você pode alterar essas coisas sem as placas. Você pode fazê-lo apenas mentalmente.

DW: Isso vai me fazer parecer estúpido, mas as pessoas na platéia vão comparar isso as fitas Monroe, com a sincronização binaural nas orelhas.

PP: É.

DW: Há alguma relação com isso?

PP: Não, nenhuma.

DW: Eu não penso assim. Iisto é como um eletroencefalograma, como se fosse uma onda do cérebro?

PP: Não, não.

DW: Ok. O que está fazendo o tom?

PP: Um campo elétrico que é gerado pelo corpo.

DW: Assim, para que esses dois pontos então? [toca a testa e o centro posterior da cabeça dele]

PP: Porque esses são os que funcionam. [risos]

DW: Ok. Então, é usado apenas para a cura? Ou existem outros...

PP: A minha coisa favorita a fazer com ela é encontrar alguém que está em análise de ondas cerebrais e trabalhe em ondas cerebrais e os ter me implementando, depois tocar Yankee Doodle para eles com o meu cérebro. Eles imediatamente dirão: Opa, a máquina está quebrada. Nós temos que consertá-la, porque ninguém pode aprender a fazer isso. Desculpe, não posso ensinar ninguém a cantar Yankee Doodle com o próprio cérebro em duas semanas.

DW: Mas, quero dizer, há...

PP: E, uma vez que você aprender a cantar Yankee Doodle, você pode cantar Mary Had a Little Lamb em cerca de dez minutos.

DW: Vamos dizer que você tem um cara que pode mover coisas com a mente dele, ele tem telecinese.

PP: É.

DW: E ele faz uma canção nessa coisa.

PP: Ele faz uma música e você compra a música dele, como compra uma coisa mp3, e você faz essa canção... chances são muito boas de que você vai rolar aquela bola pequena percorrendo o labirinto com a sua cabeça.

DW: É mesmo?

PP: É.

DW: Isso é muito interessante.

PP: [falando baixinho] Posso dizer-lhe que as agências do governo têm comprado essas aos milhares.

DW: Como você põe um eletrodo na parte traseira de sua cabeça? Não passará por seu cabelo?

PP: Bem, o super sábio, comprei cerca de 10.000 lâminas pequenas que são usadas para raspar o cabelo do corpo quando um cirurgião precisa de costurar. Você apenas põe um pouco de creme de barbear sobre ela e raspa uma pequena área e...

DW: E há uma faixa de cabeça para você usar?

PP: Há uma faixa de cabeça para você usar e há dois eletrodos pequenos feitos de um metal especial, eles têm uma meia pequena de algodão sobre eles. Você molha isso, você pega água e a coloca em uma tigela pequena e você mexe a água e o sal até que não haja mais sal para dissolver, você mergulha as meias de algodão e espreme um pouco. Use um pano lmpo com algum sabão nele e limpe a oleosidade da área aqui [apontando para a testa dele] e as gorduras da área a trás da cabeça que você raspou. Você a coloca e ela funciona muito bem.

DW: Uau. Quão preciso você tem que ser no posicionamento? Tem que estar diretamente no ponto?

PP: Não, dentro de alguns centímetros.

DW: Ah.

PP: Não, não vai no terceiro olho. Muitas das pessoas vão perguntar isso. Vai em um local diferente.

DW: Ok.

PP: Mas é muito fácil dizer onde vai, porque você a coloca e ela não fará... vamos chamar de ruído de ondas cerebrais. Isso não é o que é, mas qualquer coisa que não esteja ligado diretamente ao cérebro não é ruído de onda cerebral de qualquer maneira.

BR: Eu tenho uma pergunta de 60 segundos antes que esta fita acabe. Por que as agências se interessam por coisas como esta?

PP: Ah, não sei o que posso dizer sobre isso.

BR: Ok. Vamos deixá-lo para a nossa imaginação.

PP: Deixe para a sua imaginação.

BR: Ok.

PP: Eu posso dizer-lhe que haviam muitos deles sendo comprados pelo SRI. [Nota: Istituto de Pesquisas de Stanford - Stanford Research Institute]

BR: Um-hum.

PP: E muitas delas foram compradas por...

        KC: Para ensinar influenciamento remoto.       

[música começa a tocar]

PP: Eu não disse isso. Eu nem sequer indiquei isso.

       KC: Eu disse isso.                               

PP: Eu não faria isso se eu fosse você.

       KC: Ah.                                   

 PP: Não, a menos que você quissesse de receber uma visita. Você terá uma visita, se você falar isso. E você não gostará.

Música toca sobre a voz do PP, dizendo: ... estando envolvido com a tentativa de construir discos voadores, você normalmente encontra com discos voadores, se você olhar para a maioria dos filmes, sempre parece haver um robô envolvido com ele...

Clique aqui para a entrevista em vídeo

 





Support Project Avalon - make a donation:

Donate

Thank you for your help.
Your generosity enables us to continue our work.

Bill Ryan

bill@projectavalon.net


unique visits